Resenha: Zac e Mia



Vou começar por aquela parte tão temida por alguns: a crítica. Não sei definir com precisão, foram poucos os livros que li com personagens doentes – em especial o câncer – e isso tem me incomodado um pouco. Parece que essa temática é feita apenas para atrair o leitor (leia-se: comover). Acredito que isso tenha tornado as coisas meio monótonas. Nesta resenha não é o momento apropriado para fazer menção, mas outro tipo de livro que já estou incomodada de ver são os de pintar. Sei que este assunto não é aqui, mas sinto como se fossem semelhantes no mesmo quesito: marketing.

Uma coisa é você comprar/ler um livro e se emocionar por seu conteúdo completo, outra coisa é se emocionar porque existe um personagem doente e que pode falecer a qualquer momento. Quer o livro tenha um final feliz ou não, essa parte vai comover o leitor – é algo praticamente certo. Porém, vejo que existem obras que podem se evitar isso e elaborar algo mais diferente e arrebatador, a exemplo do livro Extraordinário. Afinal, o personagem não é necessariamente doente.

Esse livro me parecia uma mistura de alguns que já li e confesso que isso não me deu por satisfeita. A leitura foi rasa e iniciei com receito justamente por esse motivo de tanta semelhança. Quando o leitor quer mergulhar numa história, ele busca algo inédito ou ao menos que tenha o seu diferencial e não uma colcha de retalhos que pega pedaços de cada um e faz o seu. A criatividade fica aonde? Ah! Na capa e na diagramação da Novo Conceito, claro. E para por aí.

O personagem está internado, pois sofre de câncer e está em quarentena pelo fato de ter feito um transplante de medula. Enquanto o garoto está no hospital, ele percebe a presença de uma nova paciente, mas desconhece informações sobre ela. A comunicação entre eles inicia de um modo bem esquisito: ela está ouvindo Lady Gaga no último volume, repetidas vezes, e ele começa a bater na parede. Quando a garota percebe, ela desliga o som e responde a batida dele com outras.

Intrigado com a paciente ao lado, ele começa a indagar a enfermeira e descobre o nome da garota: Mia. E ela também sofre de câncer, para tornar a história bem estilo A culpa é das estrelas. Um dia a garota decide ir até a janela de Zac e fica olhando-o e, claro, ele é surpreendido ao vê-la, mas nada acontece.

Se pudesse definir a personagem Mia em apenas uma palavra seria egoísta e irritante. Pera aí, eu disse duas, mas é que ela é tão egoísta que quer tudo para si, desde que sua beleza esteja impecável. A garota tem vergonha de contar às amigas que está doente e resolve mentir, além de ter uma péssima relação com a mãe, sempre arrogante e prepotente.

O que Mia tem de chata e irritante, Zac tem de qualidades. Um garoto esforçado e que a todo o instante busca lidar com as coisas que acontecem. Aquela pessoa determinada, otimista e que sempre prefere observar as coisas boas. Claro que existem os momentos de fraqueza, mas Zac sabe nos passar uma boa lição disso. Pelo personagem o livro merece nota 10, no entanto, o conjunto da obra não me faz pontuar nem metade disso. É por essa razão que fui empurrando a leitura com a barriga, Mia é uma personagem que cansa o leitor e dá vontade de tirá-la de algumas partes, na maioria dos momentos.

Se você não leu livros com esse tema, indico a leitura, até porque será um novo mundo para você. Porém, se já leu diversos livros com personagens que sofrem de algum tipo de câncer, ouso dizer que a obra não será arrebatadora e diferente. Não será mais do mesmo, apenas a mesma coisa empacotada de forma diferente. Caso queira arriscar, boa sorte!

Quotes:
“De todos, eu sou o menos corajoso. Nunca me alistei para essa guerra. A leucemia me convocou, essa filha da puta.”

“Eles dizem que o câncer deixa você mais forte. Não deixa. Bagunça sua cabeça. Cria uma coceira que você não pode coçar e um coração que não para de doer.”

“Talvez coragem seja isso: atos impulsivos em um momento em que sua cabeça grita não, mas seu corpo vai em frente assim mesmo.”

Título: Zac e Mia
Autor: A. J. Betts
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Ano: 2015

19 Revelaram sentimentos:

  1. Eu tinha muita vontade de ler esse livro, mas toda resenha que li foi de pessoas decepcionadas com a história e acabei desistindo da leitura antes mesmo de começar. Li só um livro com a temática câncer mas é livro bem adulto que não tem nada a ver com esses livros mais teens. Também acho que ultimamente muitos livros "mais do mesmo" tem sido lançados por puro marketing.

    ResponderExcluir
  2. Oi Naty já li varias resenha desse livro sinceramente ele não me chama a atenção eu não gosto de estorias que envolvem doença mesmo o livro aparecendo ser um pouco engraçado e como sempre você faz ótimas resenhas bjs.

    ResponderExcluir
  3. Naty, o único livro que li com esta temática foi A Culpa é das Estrelas e gostei bastante, mesmo não tendo me emocionado muito, pois eu assisti ao filme antes e já sabia o que esperar de tudo, principalmente o final.
    Voltando á resenha, apesar de você não ter encontrado nada de novo na história e ter até mesmo se incomodado com uma personagem, eu adoraria poder conhecer a vida difícil de Zac. E caso eu leia em breve, seria um prazer contar aqui o que achei da leitura.

    ResponderExcluir
  4. Naty!
    Vou falar com sinceridade, ando evitando esse tipo de livro, tanto que nem fiz solicitação na editora.
    Ando em busca de leituras mais consistentes e esse tipo de sick lit me parece que anda tudo igual, sem contar que em determinados momentos é até um tanto depressivo.
    “Um brinde cheio de entusiasmo e sensibilidade com aquele brilho nos olhos de criança descobrindo o mundo por todos os bons sentimentos que fazem bem a alma ,um brinde exatamente aquelas emoções mágicas que nos tornam melhores,um brinde a beleza de ser um eterno aprendiz .” (Giovanni Dulor Chagas)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe do TOP COMENTARISTA de Janeiro, são 4 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  5. Eita! Adoro essas resenhas sinceras, esse livro está nos meus desejados e é bom saber que a Mia é chatolina, assim não darei tanta prioridade pra ele. Amei os quotes <3 copiei já rss

    ResponderExcluir
  6. Nunca tive problemas com livros em que os personagens tem algum tipo de doença, ou algo tipo, mas não vou negar que evito esse tipo de leitura, pois não vejo nada de diferente entre um livro e outro, e isso com certeza decepciona o leitor. Já li outras resenhas desse livro, e já vi pessoas elogiando e criticando, entretanto nunca tive interesse de leitura, não sei te dizer o porque, acho que e por não me sentir atraída pela história.

    ResponderExcluir
  7. Oi Naty!
    Concordo! Onde fica a criatividade desses livros que parecem serem escritos para reaproveitar algo que já fez sucesso? Queremos coisas novas! Até falei sobre isso em um post lá no blog em novembro.
    Eu me incomodo quando percebo que algo é feito com determinado intuito, sabe? Quando tudo é elaborado para emocionar. Para mim não emociona.
    Vi muitos leitores falando bem desse livro, mas depois das coisas que você ressaltou, nem cogito ler.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Nossa, lendo a resenha e a sua emoção colocada nela, senti que esse é um livro que se eu ler irei me debulhar em lágrimas, espero ter a oportunidade de conhecer e degustar essa obra, gosto demais de dramas, sempre me tocam e me passam algo bom, algum aprendizado pra vida. E esse drama parece e é bem diferente dos dramas/sick-lits que costumo ler, uma doença é a mesma, mas o drama vivido pela garota é diferente, quero demais esse livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá, Naty.
    Acho que já li essa resenha lá no outro blog hehe. Não tenho vontade de ler esse livro. Depois de ACEDE todos os outros do gênero me parecem iguais e como não gostei dele já fico com um pé atras.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Eita, pensei que esse livro fosse bem diferente. Mas, parece uma versão de 'A Culpa é das Estrelas'. Achei bem esquisito essa história de comunicação pela parede e o fato de a personagem principal ser terrível me decepcionou bastante. Nossa, esse é um drama que não me aventuraria em lê-lo. Ainda bem que eu soube antes de começar a leitura rsrsrs. Criatividade andou, andou e na autora não ficou!

    ResponderExcluir
  11. Oi Naty,
    Vou ser sincera eu até leria esse livro se não tivesse outra coisa para fazer hehe mas não tenho paciência não li ACEDE e foi uma decepção, só li mesmo de tanto ouvir os outros comentarem hehe.
    Abraços!
    islary34.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oi, Naty! O livro me atraiu pela capa, apesar de simples. Ainda não tinha lido nenhuma resenha a respeito. Que decepção, né?! Confesso que gosto de histórias tristes, mas quando a gente se emociona pela história em si, aos poucos, e não quando o texto é escrito com o objetivo claro de que isso aconteça.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  13. Dificilmente eu leio livros nesse estilo, o que seria bom, pois seria uma coisa não tão clichê. Apesar disso, eu não tenho muita vontade de ler livros nesse tema, pois dificilmente me prende á atenção. Realmente, sei que livros nesse estilo acaba se tornando clichê e monótono, o que acaba cansando o leitor. A única parte que eu gostei foi a parte que a menina está ouvindo Lady Gaga <3333333 Amo

    ResponderExcluir
  14. Ah eu também prefiro evitar esse tipo de livro,mas achei bem interessante a história , talvez em 2017 ou 2018 quando eu terminar as minhas metas de leitura eu penso em ler este,mas por enquanto deixarei ele de lado haha

    bjs

    ResponderExcluir
  15. Já tinha lido resenha deste livro e não pude deixar de comparar com A culpa é das estrelas. Como você, já estou meio enjoada desses enredos, onde o cenário muda mas a história em si não. Quando li o livro do Green não gostei, foi um livro que também empurrei com a barriga e como este é bem semelhante não tenho muita vontade de fazer a leitura. Não gostei da personagem Mia, não gosto de meninas mimadinhas e irritantes. Gostei da sua resenha.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  16. Oiiee,
    Eu nunca tinha ouvido falar do livro, gostei muito da resenha e que triste saber que ele não tem nada de novo e ainda possui uma personagem irritante como a Mia, eu sim já li livros que personagens possuem doenças, e é fato que acabamos por nos emocionar mesmo, não pretendo ler o livro, pois ele me parece com livros que já li, e a temática não é algo que me agrade muito.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  17. Fiquei com vontade de conhecer mais esse mundo do Zac e da Mia. Adorei os quotes, o livro parece ser uma gracinha, fiquei curiosa pra saber o que acontece depois que ela bate na janela dele.

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    Vi esse livro e também fiquei com receio de ser algo parecido com os livro que já tinha lido achei o Zac legal, mas acabou que não me animei muito para ler pois esse já é um tema que espero algo diferente do que já li !!

    ResponderExcluir
  19. Adorei a resenha!!
    Queria muito ler esse livro, mas achei ele meio parecido com A Culpa é das estrelas e com várias pessoas comentando que se decepcionaram com a leitura acabei desistindo
    Beijos!!

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.