Resenha: Corte de Espinhos e Rosas


Já que o assunto da vez é A Bela e A Fera, por que não me arriscar e encarar uma obra inspirada no conto? Depois de ver o sucesso estrondoso de Sarah J. Maas com o público Trono de Vidro, minha curiosidade por Corte de Espinhos e Rosas foi consideravelmente atiçada, mas quem vai com muita sede ao pote acaba não se saciando…

Há muitos anos feéricos e humanos habitavam as mesmas terras sob a condição de que a segunda raça mencionada fosse escrava dos Feéricos, e também estivesse sujeita a trabalhos humilhantes e dolorosos. Essa fase transcorreu até que uma série de fatores desencadearam uma imensa guerra em que muitas foram as vítimas e, desde então, foi estabelecido que seria criada uma muralha. No extremo sul do continente, humanos habitariam em paz, sem interferência de feéricos e o restante do continente seria propriedade do povo com poderes mágicos e, portanto, dividido em sete cortes (Primaveril, Invernal, Noturna, Diurna, Outonal, Crepuscular e Estival).

Resenha: A promessa


Quem me acompanha nas redes sociais sabe que estou sofrendo de um mal: ressaca literária. Desde O livro dos Baltimore, nenhum livro tem conseguido prender a minha atenção por completo. E digo isso porque já li outros e ficou aquela coisa morna, só terminei rápido (e ainda considero demorado) pelo fato de os livros serem pequenos, ou seja, coisa de dois dias em cada um (o que poderia ser feito em duas horas cada). Sim, O livro dos Baltimore mexeu com as minhas emoções e com a minha estrutura. Pensava que não fosse sair dessa ressaca que parecia eterna, e então comecei A promessa.

Na verdade, iniciei a leitura ainda com efeitos do livro do Dicker. Demorei em torno de 7 dias para ler 100 páginas, o que consigo fazer em apenas 1 dia. Porém, quando cheguei na página 150 eu simplesmente deslanchei na leitura e finalizei em 2 dias. O livro não começa nada devagar, toda essa minha lerdeza foi decorrente do Joël Dicker que não soube me ensinar a me conformar com o desfecho de uma história.

Resenha: Outlander – A Viajante do Tempo


Comentar Outlander é uma responsabilidade que, apesar de prazerosa, é enorme. Eu não consegui encontrar um adjetivo para resumir tudo o que eu senti durante a leitura porque foi muito além do que eu esperava.

Após ter seu casamento brutalmente interrompido pela Segunda Guerra Mundial, Claire e Frank Randall estão mais do que dispostos a reatar o matrimônio de onde pararam, entretanto, é claro que a intimidade e ligação que tinham há anos atrás não são as mesmas. O amor continua ali, mas os anos mudaram suas formas de ver o mundo. Logo, não há ideia melhor que passar uma segunda lua de mel em Inverness.

Lançamentos: Editora Arqueiro e Sextante


Olá, leitores. Hoje preparamos para vocês os lançamentos do mês de março da editora Arqueiro e Sextante. Preparados? Este mês está imperdível, fiquei muito em dúvida na hora de fazer a minha escolha.

Resenha: Para sempre Alice


Olá amigos,

Escrito pela neurocientista norte americana Lisa Genova, este é o terceiro livro dessa autora/médica. Sinceramente não sei como esse pessoal aguenta trabalhar nesse meio, pois Para sempre Alice é tristeza somente. A alta remuneração desses profissionais está mais do que justificada.