Resenha: O quarto dia


A obra é ambientada num cruzeiro chamado O Belo Sonhador que, convenhamos, está mais para O Belo Pesadelo. A história se passa em janeiro de 2017, no Rio de Janeiro. Era para ter sido uma viagem tranquila, mas o navio desaparece misteriosamente e, no 5º dia, é encontrado à deriva no golfo do México. Mas um grande mistério surge, porque não há pessoas no navio. As perguntas são infinitas e as respostas quase não existem. Está preparado? Então pegue seu bote salva-vidas, se você conseguir achar, porque tudo poderá acontecer, inclusive a morte.

Algo estranho acontece no quarto dia de viagem. O navio perde a capacidade de gerar energia e os geradores de emergência não são suficientes para mantê-lo em movimento. O acesso à internet se perde, não há como se comunicar com quem está fora do navio. Tudo parece ser o fim. O ar condicionado para, a comida ameaça acabar. Há aqueles que dizem ter visto fantasmas nos corredores. O que está acontecendo? O que vai acontecer? Você precisa ler para descobrir.

Há indícios de que um possível vírus tenha afetado os passageiros, já que o cheiro de vômito permeia o local e ninguém sabe revelar onde estão os 2.962 tripulantes. Diversas são as teorias, há aqueles que acreditam que havia sim sobreviventes; representantes do governo, sem titubear, negam a autenticidade dos relatos. A caixa preta e as gravações do navio estão danificadas, impossível obter maiores informações. É um mistério que paira em O Belo Pesadelo Sonhador.


Sinceramente, não sei se este livro teve alguma relação com Os três, porque não tive a oportunidade de ler. No entanto, confesso que me perdi em alguns momentos e em outros achei algumas partes desnecessárias, poderiam ser cortadas sem prejudicar o desenvolvimento da história.

O final? O que falar quando você está gostando do livro, passa a desgostar, volta a gostar e no final você leva um balde d’água gelado na face? Finalizei o capítulo e virei a página para ir para o próximo em busca da continuação e de respostas, mas cadê? Não tinha. Vi os agradecimentos e me desesperei. Não podia ser. Voltei e li o capítulo final novamente. O que foi aquilo? Que vontade de atirar, matar, puxar meus cabelos e gritar. Estou até agora em estado de... Choque? Ainda não sei definir e acho que não saberei.

Os capítulos são diferentes, cada personagem tem a sua vez, totalizando sete. Um deles é o blogueiro Curinga, que me deixou abismada com cada coisa postada. Além dele, tem uma médium, o condenado Gary, a criada do diabo, as irmãs suicidas e diversos outros. Gostava mais dos capítulos com o Curinga, sentia mais emoção e conseguia me manter acordada. A narrativa é em terceira pessoa e o título indica a descrição de cada um, se repetindo no decorrer da obra. Apenas pelo título já sabemos quem estará em foco.


A capa está tão linda que dá vontade de deixá-la intocada. As laterais das folhas são azuis, o que embeleza mais ainda a estética. A revisão está boa, assim como a diagramação.

Confesso que esperava mais da obra e do final também. Senti muitas pontas soltas e alguns eu juntei como retalhos, o que deu um acabamento péssimo à obra. O que podia fazer? Cada leitor tem suas armas e eu usei o que pude para concluir do meu jeito. Afinal, o livro não tem todas as respostas que um leitor quer e talvez isso seja um ponto positivo para você, para mim não é.

Quotes:
“Foi fácil entrar no banheiro masculino, guardar os óculos no bolso e colocar o boné. Foi fácil verificar que o barman e os clientes ao redor estavam preocupados com outras coisas. Foi fácil colocar o comprimido no copo do coquetel dela. Foi fácil ficar para trás e observá-la perder o foco. Foi fácil esperar até que ela saísse cambaleante. Foi fácil vê-la oscilar até o elevador enquanto ele ia até o andar dela pela escada”.

“Gritou e mordeu a língua quando um peso pousou em seu peito, tirando-lhe o ar dos pulmões. Tentou se soltar debatendo-se, mas os braços não queriam – ou não conseguiam – se mexer. Paralisado, não havia nada que pudesse fazer enquanto um hálito de gelo roçava em seu rosto e dedos frios subiam feito aranhas por sua coxa.”

“A adrenalina ainda percorria seu sangue desde o momento em que ele e Bin tinham sido chamados à cabine do homem para sedá-lo. Encontraram-no enroscado no canto, gritando cada vez que um deles chegava perto. Foram necessários dois seguranças para contê-lo enquanto esperavam que o sedativo fizesse efeito.”

Outras fotos:



Título: O quarto dia (exemplar cedido pela editora)
Autora: Sarah Lotz
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Ano: 2016

*** 

Deseja concorrer ao livro? Então participe do sorteio. Clique aqui

10 Revelaram sentimentos:

  1. Oi, tudo bem?
    Gostei muito da sua resenha e fiquei muito ansiosa para ler esse livro. Também quero ler antes Os Três! Nossa, como será esse final? Mega curiosa, já surtando! A capa está linda e a sinopse é muito envolvente e chamativa. Já estava adicionado a minha lista de desejados há algum tempo.Querendo muito. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Tenho ouvido falar muito bem desse livro e fiquei com muita vontade de ler. Gosto muito de livros em que as histórias de personagens completamente diferentes se cruzam em algum momento e também amo um suspense. Não vejo a hora de ler.

    ResponderExcluir
  3. Olá Naty!
    Tinha muita vontade de ler esse livro mas pelas resenhas que ando lendo é certeza que não irei gostar. Não suporto pontas soltas huahua
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas - Participe do nosso SORTEIO do ANIME FRIENDS <3

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li ''Os três'', mas fiquei muito ansiosa para ler este livro, é uma pena que tenha deixado vários duvidas aos leitores, o final do livro parece ser instigante, deixando o leitor não acreditar que foi um final, quero muito ler o livro, a capa está linda

    ResponderExcluir
  5. Quando comecei a ler sua resenha,lembrei-me de um filme de terror bem parecido com o início do livro. Sou louca por filmes e livros de mistério e gostaria muito de ler esse livro.
    Mas confesso que fiquei frustrada com o término da história... Acho que as respostas não são respondidas não é!? ;)

    ResponderExcluir
  6. Olá, Naty.
    Tem alguns livros que deixam questões em abertos mesmo, mas eu gosto de tudo preto no branco. Mas ainda assim não tem como não querer ler esse livro. Lembrou demais um filme que amei, Navio Fantasma e estou louca para ler sim. Só não solicitei ele para a editora porque tinha lido muitas resenhas negativas do primeiro livro dela publicado aqui, mas quero ler ele sim.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Oiii!
    Naty me surpreendi com esse livro! Enredo parece ser msm mto bom, o que ma grada bastante...
    Concordo com a Sil, lembra msm Navio Fantasma, isso que mais me chama atenção no livro, qro dmais ler!!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. O enredo parece ser bem legal, ainda mais pelo livro ser narrado por sete personagens, gostei disso. Uma pena que o desenrolar e o fim da história não tenha te agradado. Mesmo assim fiquei com vontade de conferir, quando vi o título não imagina este enredo, e confesso, gostei do que li.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    ResponderExcluir
  9. A abordagem desse livro me deixou arrepiada, juro! Que coisa mais tensa: imagina você estar em um navio e um monte de coisa estranha começa a acontecer e vocÊ só pode prever a sua morte já que não dá pra se comunicar com ninguém? Eu iria entrar em pânico. Queria muito saber esse final que te causou tal reação.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Gostei da história do livro!! Parece ser bem interessante o enredo da obra!! As fotos ficaram lindas!!
    Beijoss

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.