Resenha: As parceiras


Olá amigos,

Não é incrível como um livro pequeno às vezes tem uma força incrível de nos fazer refletir? Recentemente vivi essa experiência com As parceiras, da brasileira Lya Luft.

O livro é narrado por Anelise, neta de Catarina Von Sassen, que é o nosso objeto de atenção e estudo no livro. Quando entregue ao casamento, Catarina mal havia começado a menstruar, mas mesmo assim teve que cumprir seu dever de esposa. Este fato a marcou profundamente, pois seu marido não tinha piedade do corpo imaturo e nada aplacava a sua sede de amor, além de tudo, o homem era violento.


Devido a isso, a pequena Catarina passou a se esconder no sótão, onde montou um quarto imaculadamente branco para si mesma, porém, isso em nada parava os abusos terríveis. Depois de vários abortos, Catarina teve quatro filhas. Estas crianças foram criadas e educadas pelas empregadas da casa, pois a mãe ficava no quarto escrevendo cartas que nunca enviava e falava sozinha com seus fantasmas.

Como era de se esperar, as meninas cresceram e todas elas tiveram vida difícil: Beatriz, que herdou o fogo de seu pai, mas que não conseguiu consumar o casamento antes de enviuvar. Dora, a que vivia de forma mais livre e jamais teve filhos para que a loucura da família não fosse perpetuada. Norma, mãe de Anelise que nunca a amou o suficiente. E por fim Sibila: retardada e anã.


A proposta do livro é mostrar como um acontecimento isolado afeta gerações futuras. Anelise claramente ainda vivia os reflexos da loucura de sua avó Catarina, e o resto da família também.

Um livro de gente doida, simplesmente adorei!

Abraços.

Título: As parceiras
Autora: Lya Luft
Editora: Siciliano
Páginas: 149
Ano: 1990

10 Revelaram sentimentos:

  1. Parece ser bem doido mesmo e parece ser interessante apesar disso, pois nos mostra como as atitudes e escolhas podem afetar a família e outras pessoas também, deve passar algumas lições também. Fiquei com dó da personagem tão nova e já ter que passar por uma vida de casada nem aproveitou a infância e pior com um homem violento.

    ResponderExcluir
  2. Tá aí uma história interessante. Acho legal imaginar o que os nossos parentes, o que a geração passada acaba passando para a próxima e como isso afeta a vida de cada um. É uma coisa pra se pensar...
    As meninas parece que passaram por muitas coisas ruins e isso afetou muito da vida delas e muito disso se deve ao reflexo do que conheceram antes de crescer, de como viveram.
    Boa dica esse livro. Gostei dele.

    ResponderExcluir
  3. Silvana!
    Há uitos anos li uns dois livros da autora e lembro de ter gostado justamente por nos fazer refletir sobre assuntos familiares e do cotidiano.
    Ver uma família totalmente desajustada por causa de um casamento prematuro, onde a protagonista ainda era inocente e infantil e sofria abusos, é de fazer refletir de verdade.
    Desejo uma ótima semana!
    “Compreender que há outros pontos de vista é o início da sabedoria.” (Campbell)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
  4. O livro me deu a impressão de ser bem pesado por conta do casamento forçado, mas fiquei bem curiosa para ler sobre a vida das filhas. Acho interessante mostrar em como algumas coisas ficam enraizadas mesmo sem a gente querer/saber.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Silvana!!
    Já conhecia a autora, mas não conhecia esse livro dela. Achei bem legal em contar sobre as irmãs, assim podemos ver que, mesmo estarmos vivendo com a pessoa, não a conhecemos de verdade, pois cada um vive no seu mundo.
    E também é um livro de ensinamentos, pois ensina muitas coisas, é como uma lição de vida.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá.
    Nunca li nada da autora, mas sei que tem uma escrita bem intensa e verdadeira.
    Assuntos que retratam problemas de família e sentimentos, sempre é muito interessante.
    Sua resenha está ótima.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Uma história forte, retratando como as atitudes dos filhos podem ser reflexos das atitudes dos pais, e mostrando uma história que infelizmente não é incomum na atualidade onde a mulher é violentada pelo marido e não tendo a possibilidade de ser ajudada procurando na escrita uma forma de escapar desse pesadelo.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Silvana
    Adoro livro curtos assim de vez em quando e ainda mais que mexem com a gente.
    Gostei da premissa e tenho certeza que é uma ótima dica. Gosto de coisas doidas rs

    Blog Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
  9. Oi Silvana,
    Mais uma dica bacana de um livro que não conhecia, estou adorando conhecer e expandir ainda mais meu leque de leitura. Que livro mais doido mesmo, fiquei intrigada em ver como a autora construiu uma narrativa com tantos pontos a serem desenvolvidos em tão poucas páginas. Parece ser uma história bem forte com base no relacionamento abusivo que a protagonista sofreu. Vou querer ler sim, se tiver a oportunidade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi, Silvana!!
    Que livro mais diferente de tudo que li na vida. Sempre tive vontade de ler algo da Lya Luft e agora já tenho uma boa indicação.
    Beijoss

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.