03 maio 2018

Resenha: A casa dos pesadelos


Sério mesmo? Confesso que me decepcionei mais uma vez. Por quê? Vamos com calma.

A casa do pesadelos nos apresenta Thiago, um adolescente bem estereotipado: chato, emburrado, maleducado, que vive com fones de ouvido e não se importa em responder nem a própria mãe. Logo de início nos é mostrado que Thiago há uma década sofre de um trauma psicológico proveniente de estranhos acontecimentos ocorridos na casa de sua avó. E é dentro do carro, viajando pra lá, que a história começa.

Durante todo o tempo, o narrador nos leva acreditar que existe um monstro ou um fantasma que assombra a casa. Oba!!! História de terror. Esse monstro é, inclusive, muitas vezes descrito e, constantemente, nos lembrado que ele está ali. Pele esverdeada, cabelo esvoaçante, bagunçado e uma perna de pau, como a de um pirata, que faz sons amedrontadores em contato com a madeira do assoalho, enquanto anda pelos corredores da casa.


Mas o tempo vai passando e uma hora você vai se perguntar: esse monstro existe mesmo?

Então você se dá conta de que esse é um romance que trata muito mais de um caso psicológico do que de terror propriamente dito. E quando isso acontecer já terá se passado 1/3 do livro.

Não me entendam mal, gostei muito do estilo narrativo e da escrita do autor Marcos DeBrito. Ele sabe tratar bem a Língua Portuguesa e usa constantemente figuras de linguagem que deixam o conteúdo muito mais rico. Suas analogias, principalmente, fazem muito bem ao livro. Porém, a história, em minha opinião, deixa um pouco a desejar. Apesar de ser um romance psicológico, acredito que dava pra explorar um pouco mais o terror do momento, esse terror psicológico.


Algumas passagens, pra mim, não ficaram claras. Por exemplo, a idade de Thiago. Em alguns momentos o autor se refere a ele como muito próximo da idade adulta, em outros, o chama de jovem e ainda de adolescente.

Voltando a pergunta inicial: Por que eu me decepcionei? Bem... eu me senti enganado! Confesso que o final do livro é surpreendente, nos deixa de boca caída, mas me parece que ele foge da propaganda. Ele fala de medo, de monstro, de terror, mas... a gente fica sabendo do que realmente trata o conteúdo quando estamos nas últimas cinco páginas (literalmente). Daí você pensa: agora tudo faz sentido. Mas até chegar aí, vc se sente enganado (como no meu caso). Então, se pensam em lê-lo, não vão com muita sede ao pote!

Enfim... esse é um dos livros que eu sugiro a leitura para tirarem suas próprias conclusões. Conversei com pessoas que gostaram (justamente das partes que eu não gostei), e as impressões que seguem são bem subjetivas. Sem contar que o exemplar é muito lindo para se manter na prateleira.


Sobre a edição: Um ponto fortíssimo fica por conta da editora. A Faro Editorial fez um trabalho dos mais belos que eu já vi. Os capítulos alternando entre folhas brancas e alaranjadas é a coisa mais linda. As folhas são grossas e fáceis de manusear, o que contrasta com a leveza do livro. Além disso, temos várias ilustrações bem tenebrosas, o que corrobora com as minhas primeiras impressões.

Outras fotos:



 

Título: A casa dos pesadelos (exemplar cedido pela editora)
Autor: Marcos deBrito
Editora: Faro Editorial
Páginas: 144
Ano: 2018

14 comentários

  1. Oi, Marcos.

    É sempre ruim quando um livro nos passa uma impressão totalmente diferente, né?

    Não o li, então não opinar muito, mas acho que se o autor tivesse explorado algo além dos monstros internos do garoto, o livro teria dado uma boa dose de fatores marcantes e trazido um certo mistério em relação à casa. Seria bem intrigante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeitamente, Daiane. Se o terror psicológico fosse mais trabalhado, nos fazendo acreditar que nao se tratava de um monstro propriamente dito, ele teria muito mais livro e não me incomodaria tanto rsrs

      Excluir
  2. Acho muito bom quando o livro vai totalmente ao contrário do que eu achava. A surpresa mesmo quando negativa geralmente é melhor que algo insosso. E justamente por não ser terror, fiquei interessado no livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Santiago. Qualquer coisa é melhor do que um livro insosso. Mas não acredito que as pessoas gostariam de comprar um livro de guerra e ler um Jhon Green, não é? E é isso que eu quis dizer. Não há reviravoltas. Não é um caso em que vc é levado a acreditar que o assassino é um, mas no fim é outro. Ou que uma pessoa é boazinha, mas ela faz tudo assim para fazer o mal depois. O livro inteiro nos faz acreditar que é uma coisa, mas é outra. O final é uma revelação, não uma reviravolta que leitores gostam de ler.

      Excluir
    2. Entendi agora. Obrigado pela resposta.

      Excluir
  3. A edição realmente está linda. Olha, confesso pra você que gosto dos enredos envolvendo casos psicológicos e essa dúvida que pairou sobre você a respeito do que verdadeiramente está acontecendo me atrai muito. Eu gosto de ser surpreendido, muito mais do que acompanhar enredos que de tão óbvios faz com que o próximo passo sempre seja descoberto. Eu fiquei bem afim de conferir o livro. Adorei sua resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Evandro.
      Bom... só posso concluir que leiam para tirarem as próprias conclusões. Mas em mim não ficaram exatamente dúvidas. Eram mais questionamentos sobre o enredo mesmo.
      Como eu disse na resposta do amigo acima, eu tbm prefiro algo que dê uma reviravolta do que algo sem sal. Mas o que é apresentado no livro nao é um caso de reviravolta.

      Excluir
  4. Marcos!
    Assim, Como já li outros livros do autor, no meu entender, o que ele gosta mesmo é de surpreender no final e isso aconteceu.
    Mas concordo que o livro está sendo 'vendido' como uma coisa e na verdade é um thriller psicológico.
    Fato é que como curiosa, quero ler para conferir.
    Desejo um MÊS de sucesso e bençãos!
    “Nunca confunda movimento com ação.” (Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MAIO – 4 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rudynalva!
      Infelizmente essas surpresas nem sempre são boas, né?
      Mas como eu disse são opiniões bem subjetivas e jamais diria para não ler o livro. Seria importante ler o livro e tirar suas próprias conclusões.

      Excluir
  5. Oi, Marcos.
    Que pena que esse livro não traz a trama que promete na sinopse, que por sinal me chamou a atenção. É desanimador se deparar com um livro assim, onde boa parte da leitura é abordado um assunto que no final não tem relevância alguma, trazendo um desfecho totalmente contraditório do que foi proposto no inicio. Uma reviravolta inesperada e decepcionante para o leitor, não é mesmo? Se o terror psicológico fosse bem mais trabalhado acho que eu sairia da minha zona de conforto para ler esse livro.
    Essa diagramação está impecável mesmo! Com essas ilustrações e essas folhas alaranjadas, adorei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Realmente, pelo título, imagens e capa(além da sinopse), concluímos que é um livro de terror. Gosto de livros psicológicos, porém não sei se iria gostar tanto desse. Acho que minhas conclusões seriam bem parecidas com a sua! Confesso que é bem ruim quando você pega um livro, com altas expectativas sobre ele, mas quando vai ler encontra algo totalmente diferente!!!Pelo menos, o final é surpreendente. Acho que eu daria uma chance para ele, sim!

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcos,
    Sei o quanto é ruim a leitura quando esperamos algo e nos deparamos com tudo diferente daquilo, mas nesse caso, se eu realmente entendi o que o autor quis passar, eu gostei do trabalho que ele fez, mas é como você disse, preciso ler para tirar minhas conclusões.
    De fato, que edição incrível, amei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá, Marcos!

    Ao ouvir sobre o livro por aí, sempre pensei que ele fosse um livro mais psicológico do que de terror, já que o protagonista tem que enfrentar a suposta criatura do seu passado e descobrir a verdade sobre ela. Até mesmo a descrição feita da "criatura" oscila entre a descrição de uma pessoa com deficiência vista com uma luz que deixa a sua pele esverdeada e um monstro humanoide.
    Apesar de jovens de hoje oscilarem muito entre uma atitude mais adulta e uma mais infantil e irresponsável, eu não gosto dessa alteração toda no protagonista sem uma noção da sua idade, já que não dá para entender quanto tempo ele era assombrado pela tal "criatura".
    O visual do livro puxa mais para o terror, o que leva sim a uma propaganda enganosa para quem enxegar na sinopse e no início do livro uma história de terror, mas que é bem trabalhada e que agrada a quem quer um livro bonito na estante.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. Gosto do clima de suspense, ficar na expectativa do que vai acontecer!! Fiquei curiosa para conhecer a estória!! Qual será o segredo que a casa carrega? Só pela capa eu já leria o livro!!

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.