03 maio 2018

Resenha: A casa dos pesadelos


Sério mesmo? Confesso que me decepcionei mais uma vez. Por quê? Vamos com calma.

A casa do pesadelos nos apresenta Thiago, um adolescente bem estereotipado: chato, emburrado, maleducado, que vive com fones de ouvido e não se importa em responder nem a própria mãe. Logo de início nos é mostrado que Thiago há uma década sofre de um trauma psicológico proveniente de estranhos acontecimentos ocorridos na casa de sua avó. E é dentro do carro, viajando pra lá, que a história começa.

Durante todo o tempo, o narrador nos leva acreditar que existe um monstro ou um fantasma que assombra a casa. Oba!!! História de terror. Esse monstro é, inclusive, muitas vezes descrito e, constantemente, nos lembrado que ele está ali. Pele esverdeada, cabelo esvoaçante, bagunçado e uma perna de pau, como a de um pirata, que faz sons amedrontadores em contato com a madeira do assoalho, enquanto anda pelos corredores da casa.


Mas o tempo vai passando e uma hora você vai se perguntar: esse monstro existe mesmo?

Então você se dá conta de que esse é um romance que trata muito mais de um caso psicológico do que de terror propriamente dito. E quando isso acontecer já terá se passado 1/3 do livro.

Não me entendam mal, gostei muito do estilo narrativo e da escrita do autor Marcos DeBrito. Ele sabe tratar bem a Língua Portuguesa e usa constantemente figuras de linguagem que deixam o conteúdo muito mais rico. Suas analogias, principalmente, fazem muito bem ao livro. Porém, a história, em minha opinião, deixa um pouco a desejar. Apesar de ser um romance psicológico, acredito que dava pra explorar um pouco mais o terror do momento, esse terror psicológico.


Algumas passagens, pra mim, não ficaram claras. Por exemplo, a idade de Thiago. Em alguns momentos o autor se refere a ele como muito próximo da idade adulta, em outros, o chama de jovem e ainda de adolescente.

Voltando a pergunta inicial: Por que eu me decepcionei? Bem... eu me senti enganado! Confesso que o final do livro é surpreendente, nos deixa de boca caída, mas me parece que ele foge da propaganda. Ele fala de medo, de monstro, de terror, mas... a gente fica sabendo do que realmente trata o conteúdo quando estamos nas últimas cinco páginas (literalmente). Daí você pensa: agora tudo faz sentido. Mas até chegar aí, vc se sente enganado (como no meu caso). Então, se pensam em lê-lo, não vão com muita sede ao pote!

Enfim... esse é um dos livros que eu sugiro a leitura para tirarem suas próprias conclusões. Conversei com pessoas que gostaram (justamente das partes que eu não gostei), e as impressões que seguem são bem subjetivas. Sem contar que o exemplar é muito lindo para se manter na prateleira.


Sobre a edição: Um ponto fortíssimo fica por conta da editora. A Faro Editorial fez um trabalho dos mais belos que eu já vi. Os capítulos alternando entre folhas brancas e alaranjadas é a coisa mais linda. As folhas são grossas e fáceis de manusear, o que contrasta com a leveza do livro. Além disso, temos várias ilustrações bem tenebrosas, o que corrobora com as minhas primeiras impressões.

Outras fotos:



 

Título: A casa dos pesadelos (exemplar cedido pela editora)
Autor: Marcos deBrito
Editora: Faro Editorial
Páginas: 144
Ano: 2018

18 comentários

  1. Oi, Marcos.

    É sempre ruim quando um livro nos passa uma impressão totalmente diferente, né?

    Não o li, então não opinar muito, mas acho que se o autor tivesse explorado algo além dos monstros internos do garoto, o livro teria dado uma boa dose de fatores marcantes e trazido um certo mistério em relação à casa. Seria bem intrigante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeitamente, Daiane. Se o terror psicológico fosse mais trabalhado, nos fazendo acreditar que nao se tratava de um monstro propriamente dito, ele teria muito mais livro e não me incomodaria tanto rsrs

      Excluir
  2. Acho muito bom quando o livro vai totalmente ao contrário do que eu achava. A surpresa mesmo quando negativa geralmente é melhor que algo insosso. E justamente por não ser terror, fiquei interessado no livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Santiago. Qualquer coisa é melhor do que um livro insosso. Mas não acredito que as pessoas gostariam de comprar um livro de guerra e ler um Jhon Green, não é? E é isso que eu quis dizer. Não há reviravoltas. Não é um caso em que vc é levado a acreditar que o assassino é um, mas no fim é outro. Ou que uma pessoa é boazinha, mas ela faz tudo assim para fazer o mal depois. O livro inteiro nos faz acreditar que é uma coisa, mas é outra. O final é uma revelação, não uma reviravolta que leitores gostam de ler.

      Excluir
    2. Entendi agora. Obrigado pela resposta.

      Excluir
  3. A edição realmente está linda. Olha, confesso pra você que gosto dos enredos envolvendo casos psicológicos e essa dúvida que pairou sobre você a respeito do que verdadeiramente está acontecendo me atrai muito. Eu gosto de ser surpreendido, muito mais do que acompanhar enredos que de tão óbvios faz com que o próximo passo sempre seja descoberto. Eu fiquei bem afim de conferir o livro. Adorei sua resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Evandro.
      Bom... só posso concluir que leiam para tirarem as próprias conclusões. Mas em mim não ficaram exatamente dúvidas. Eram mais questionamentos sobre o enredo mesmo.
      Como eu disse na resposta do amigo acima, eu tbm prefiro algo que dê uma reviravolta do que algo sem sal. Mas o que é apresentado no livro nao é um caso de reviravolta.

      Excluir
  4. Marcos!
    Assim, Como já li outros livros do autor, no meu entender, o que ele gosta mesmo é de surpreender no final e isso aconteceu.
    Mas concordo que o livro está sendo 'vendido' como uma coisa e na verdade é um thriller psicológico.
    Fato é que como curiosa, quero ler para conferir.
    Desejo um MÊS de sucesso e bençãos!
    “Nunca confunda movimento com ação.” (Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MAIO – 4 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rudynalva!
      Infelizmente essas surpresas nem sempre são boas, né?
      Mas como eu disse são opiniões bem subjetivas e jamais diria para não ler o livro. Seria importante ler o livro e tirar suas próprias conclusões.

      Excluir
  5. Oi, Marcos.
    Que pena que esse livro não traz a trama que promete na sinopse, que por sinal me chamou a atenção. É desanimador se deparar com um livro assim, onde boa parte da leitura é abordado um assunto que no final não tem relevância alguma, trazendo um desfecho totalmente contraditório do que foi proposto no inicio. Uma reviravolta inesperada e decepcionante para o leitor, não é mesmo? Se o terror psicológico fosse bem mais trabalhado acho que eu sairia da minha zona de conforto para ler esse livro.
    Essa diagramação está impecável mesmo! Com essas ilustrações e essas folhas alaranjadas, adorei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Realmente, pelo título, imagens e capa(além da sinopse), concluímos que é um livro de terror. Gosto de livros psicológicos, porém não sei se iria gostar tanto desse. Acho que minhas conclusões seriam bem parecidas com a sua! Confesso que é bem ruim quando você pega um livro, com altas expectativas sobre ele, mas quando vai ler encontra algo totalmente diferente!!!Pelo menos, o final é surpreendente. Acho que eu daria uma chance para ele, sim!

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcos,
    Sei o quanto é ruim a leitura quando esperamos algo e nos deparamos com tudo diferente daquilo, mas nesse caso, se eu realmente entendi o que o autor quis passar, eu gostei do trabalho que ele fez, mas é como você disse, preciso ler para tirar minhas conclusões.
    De fato, que edição incrível, amei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá, Marcos!

    Ao ouvir sobre o livro por aí, sempre pensei que ele fosse um livro mais psicológico do que de terror, já que o protagonista tem que enfrentar a suposta criatura do seu passado e descobrir a verdade sobre ela. Até mesmo a descrição feita da "criatura" oscila entre a descrição de uma pessoa com deficiência vista com uma luz que deixa a sua pele esverdeada e um monstro humanoide.
    Apesar de jovens de hoje oscilarem muito entre uma atitude mais adulta e uma mais infantil e irresponsável, eu não gosto dessa alteração toda no protagonista sem uma noção da sua idade, já que não dá para entender quanto tempo ele era assombrado pela tal "criatura".
    O visual do livro puxa mais para o terror, o que leva sim a uma propaganda enganosa para quem enxegar na sinopse e no início do livro uma história de terror, mas que é bem trabalhada e que agrada a quem quer um livro bonito na estante.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. Gosto do clima de suspense, ficar na expectativa do que vai acontecer!! Fiquei curiosa para conhecer a estória!! Qual será o segredo que a casa carrega? Só pela capa eu já leria o livro!!

    ResponderExcluir
  10. Também tive essa sensação enquanto Lia o livro apesar da história ser boa não foi exatamente isso que a sinopse propunha para a gente gosto de livros de caráter psicológicos mas eu sinceramente não consegui terminar esse livro me senti bem enganada na verdade então sei o que está passando

    ResponderExcluir
  11. É muito ruim quando criamos uma expectativa pela leitura, e ela nos decepciona.
    Eu gostei bastante da premissa do livro e de todo suspense que parece ter, mas é uma pena que ele meio que nos engana.
    A edição está maravilhosa, parabéns pela edição!

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  12. Desde que vi esse livro pela primeira vez tudo nele me interessou, a capa, o título, o genero e principalmente por ser nacional. Levei um tempinho para conseguir comprar e assim que consegui ganhei dois num sorteio ahahahahah, já me achei super sortuda por isso. Digo isso pois tenho uma baita expectativa por essa leitura, já imaginando um lugar sombrio e uma narrativa pesada. A historia em si eu já tinha conhecimento o que me chama atenção é sempre a opinião de vcs. Gostei da tua sinceridade em dizer que o livro te desagradou (ou te "enganou" como tu se refere). Na verdade o livro tinha potencial para bem mais e não foi desenvolvido, certo? Uma pena, mesmo assim é uma leitura obrigatória pra mim, ainda mais se o final é surpreendente. Tuas fotos foram um ponto a mais nesse post, parabens!

    ResponderExcluir
  13. Super entendo seu ponto de vista, achei a premissa muito interessante mas parece que o autor não a desenvolveu para o lado do terror em si e sim mais para o lado psicológico. Creio que ao expor o monstro e a casa mal assombrada o leitor tende a ficar curioso e esperando que o assunto seja bem explorado nas páginas. Mas fora isso parece ser uma boa leitura. Essa edição em? Deu até medo kkk

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.