Manto da Morte

Manto da morte
não cubra meu rosto
quero ver a lua iluminar meu caminho...
A estrada que chegarei ao lúgubre
e tua presença não mais me deixará tétrica.
Deixe-me enxergar...
Necessito ver a imundície deste mundo mórbido
que ainda vivo,
mas almejando o fim.
Não esconda o pouco brilho que ainda resta em minha face
antes de ter perdido tudo que fazia sentido para mim.
Quando fores
Leve junto a ti minha solidão
e os desejos de ir contigo.
Mundo mórbido, vazio e obscuro..
mostre algo que resplandeça em ti
para eu desejar estar contigo.
Vida infame...
arraste-me petrificada
e conduza-me até o mais sublimes céus
para assim poder valorizar novamente o doce aroma,
a grande harmonia
e o esplêndido prazer de viver !!!!

4 Revelaram sentimentos:

  1. Não poderia deixar de comentar um de seus últimos poemas intitulado "manto da morte". É o seu poema que mais gostei, e isso por alguns motivos que direi. Há em ti, Natalia, uma força pujante de vida, sabedoria em vigoroso desenvolvimento. Unido a isso, o seu bom senso para com as coisas humanas é coisa que me agrada e atrai. Humano é a palavra que devemos buscar a todo momento, humano é o nosso desenvolvimento constante. Você afirma com força a primazia da vida sobre a morte, do sentimento contra o tétrico, do humano contra o frio. E é isso que é salutar no que você escreve: a abertura da esfera do sentimento e do afeto. Mesmo quando aparece a morte nos seus temas, ela é sempre posta como um lugar não ideal, lugar no qual, por ventura, se está, mas do qual é necessário que se saia. (Comentário postado agora mas elaborada há mais de um ano atrás).

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ahhh se eu disser vc nem vai acreditar, mas tenho até hj essas palavras aqui no meu pc.
    Quando vc me disse pelo msn, eu copiei e guardei e assim que comecei a ler seu comentário, já sabia que era aquele.
    Obrigada por ter resolvido postá-lo, depois de muito tempo rs.
    Confesso que, ontem, ia tirar este poema daqui, mas pensei melhor e resolvi deixá-lo. Se eu tivesse feito isso, não teria a honra de vê-lo aqui.
    Obrigada por tuas palavras, Mau.
    Me sinto lisonjeada recebendo um elogio de uma pessoa, de peso, como vc.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.