Confissão de uma prisão interior

A carta terminada estava em minhas mãos, percorrendo os sentidos de incertezas se deveria ou não enviá-la. Estava certa que assim o faria. Já estava mais do que na hora de assumir meus atos e então desistir dessa ideia de mentir para quem tanto fez parte da minha vida.
Dobrei-a, com cuidado, e coloquei-a no envelope.

Janny chegou em casa com Mag.
Ao ver o envelope em minhas mãos, perguntou:
-
Para quem é a carta?- Mamãe.
- Ora, você nunca foi de escrever para ela. O que aconteceu?
- Estou confessando tudo, Janny. Não aguento a pressão de conviver com a mentira.
- Seria uma maneira rápida de terminar as coisas, não é? - indagou Mag.
- Não é bem assim, Mag. Estou desistindo. Não dá mais. Melhor confessar e libertar o que está preso dentro de mim, nem que isso custe a minha prisão externa.
- Não diga isso - Janny respondia, tentando consolar-me. - Você precisa de alguém que te defenda, só isso.
- Você não pode desistir. Ela tem razão, você precisa é de uma boa defesa. Pode nos chamar como testemunhas, não é Janny?
- Sim, claro. Provaremos sua inocência. Vai dar tudo certo.
- Obrigada pela ajuda, meninas, mas acho que vocês não sabem muito bem a história verdadeira e disso não há como fugir. Eu matei sim, mas não foi por legítima defesa. Ele não tentou me agredir. Eu só queria matá-lo porque ele tirou uma jóia preciosa de dentro de mim. Ele me deu um remédio para abortar. Não sabia disso, mas fiz um exame e foi diagnosticado. Perdi meu filho.
Ben tirou-o de mim e eu tirei a vida dele por vingança.

22 Revelaram sentimentos:

  1. Cada vez mais me surpreendo ocm suas habilidades textuais
    Muito lindo, Naty (apesar de trágico)
    Beeijos ♥
    Uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  2. Que coisa triste,Naty!
    Realmente ela estava com razão, mas não justifica o erro cometido.
    Apesar de saber que não é todo mundo espera que a justiça cumpra com os seus deveres, antes preferem fazer com suas própria mãos.
    Parabéns pelo texto!
    Ah!Estava sumido mesmo, pois a faculdade está tomando o meu tempo..
    Estou quase sempre online no msn..
    Bjão!Saudades..

    ResponderExcluir
  3. Torcendo por você no OUAT.
    O texto está muito lindo, como sempre.

    Ah, o selo acabou rolando por ai,
    mas tá feio, rs.
    http://yourslovee.blogspot.com/2010/05/selos_22.html
    É esse dai do link.

    www.menina-normal.blogspot.com
    xx

    ResponderExcluir
  4. Eu fiquei me pondo no lugar dela, não sei se teria coragem para matá-lo, mas iria querer que ele morresse. ABSOLUTAMENTE. Amei muito teu blog, já estou seguindo. Bj, bj, bj. Visita?
    http://eraalgumavez.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Nuóóóóóssaaaaaa! Olha, vou revelar meu sentimento: é mouthwatering, astonishing, compelling e um monte de outros adjetivos que já usei para qualificar os seus textos. Ói, deu um arrupio na espinha quando eu terminei, que nem sei. Que poxa! Maravilhoso! Maravilhoso! Até a morte, aqui, tem vida.
    Abraços de duas asas, erguendo do chão

    ResponderExcluir
  6. adorei!
    sempre amo os seus textos, você escreve tão bem!
    Ja percebi uma marca registrada, os nomes americanos, meg, janny..
    amo isso!

    beijos, não vou sumir não, ;P

    http://pulodepipoca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Triste e lindo ao mesmo tempo.

    Boa semana Naty :)

    Bjos.

    ResponderExcluir
  8. Você e suas histórias que surpreendem!

    Beijo,
    Nara

    ResponderExcluir
  9. Naty...
    Obrigada pelos selinhos...
    Amei!!!
    Desculpa minha ausência...
    Ando correndo muito...
    Prometo que voltarei com mais tempo e lerei teus textos...
    Mas por agora...
    Só vim lhe agradecer pelos selinhos...
    Muito obrigada mesmo!!!
    Amei!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Uau, que texto.

    Obrigada por teres ido ao blog do meu sobrinho.
    Bjocas
    Patty

    ResponderExcluir
  11. A vida dá muitas voltas. esta história é exemplo disso...

    ResponderExcluir
  12. Nós mulheres somos leoas quando se tratam de filhos...


    beijos

    ResponderExcluir
  13. Você e esses contos que me deixam tensa.
    Não deve haver jóia mais preciosa do que um filho.
    Não que isso justifique a morte, mas bem feito pra ele =P rs

    Quando ao seu comentário la na minha casa, é meio impossível não criar expectavivas,né? Concordo ctg, as coisas nem sempre vem como esperamos, e as vezes demoram TANTO. Por mais que a gente se decepcione as vezes, esse frio na barriga é até gostoso rs

    Beijo flor ♥

    ResponderExcluir
  14. Cada história! Nunca pensei numa dessas!
    O.O Chocada!

    Amei! =D

    ResponderExcluir
  15. Muito bom. Gosto de começar a ler seus textos porque não consigo parar, é sempre um surpresa no final.

    E, acho que, por mais que o Ben tenha tirado a vida do filho dela, não era certo ela se vingar.

    obrigada pelos parabéns! :D

    ResponderExcluir
  16. isso memo, fez bem em matar esse idiota :@
    um filho nao é como um brinquedo!
    :*

    ResponderExcluir
  17. ai Naty, você sempre com esses finais surpreendentes!
    adoro! mas eu não acho que a vingança é algo bom. guardar rancor no coração é o pior sentimento do mundo.

    beijos, flor!

    ResponderExcluir
  18. obrigado pelo comentário =D

    ResponderExcluir
  19. Sua participação foi OTIMA, não sei porque você não ganhou. Porém, continua sendo um texto ótimo. Eu AMEI *-*

    E, ai obrigada por dizer que vou ganhar no palavras mil. Quem dera, tem tantas meninas boas lá, mas vai participar. Alias, eu estou participando do Bloinques na edição visual porque sou PESSIMA para opiniões IJASPJAOSJAOSIJ qq-

    ResponderExcluir
  20. Nossa, que horrível. Aborto é um dos piores crimes que alguém pode cometer, na minha opinião. Matar um ser que nem pode se defender, tirar a vida de quem ainda nem viveu :/
    Enfim, apesar do texto ser bem triste, eu adorei seu blog. Tá muito lindo. Parabéns :D

    ResponderExcluir
  21. Olá Naty!
    Quer explicar-me o coment. que me deixou sobre "beijo mágico"?!
    Não sei do que fala querida!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  22. Naty...Coisas da Vida, mesmo! Pela lei penal ela está protegida. A sua conduta encontra amparo em motivo nobre que é o relevante valor moral e até mesmo por uma violenta emoção de que foi tomada diante do ato bárbaro praticado pela vítima ao dar causa a um abortamento injusto. Tem defesa hahahahaahahaah


    Beijos, querida.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.