Resenha: Mosquitolândia

Quando li a sinopse de Mosquitolândia, de David Arnold, me interessei de cara. Pensei, ‘rumos inesperados, confronto com os próprios demônios, medicação para alguma possível questão psicológica envolvida, oba, meu tipo de livro’. E é, de verdade, o tipo de leitura que eu gosto. Embora entenda se muitas pessoas se perderem na ‘narrativa caleidoscópica’ da história.

O livro gira em torno de Mary Iris Malone, mais conhecida como MIM. Após a inesperada separação dos pais e uma repentina mudança de cidade, a jovem resolve voltar ao antigo lar em busca da mãe. Consegue algum dinheiro, prepara a mochila (sem esquecer-se do inseparável diário) e toma um ônibus com destino a Cleveland, Ohio. O que vemos a partir daí é uma miscelânea de sentimentos, tanto da personagem principal, quanto os que são despertados no próprio leitor.


MIM é uma garota muito peculiar, por assim dizer, e vive numa confusão mental que vai fazendo sentido aos poucos, e bem devagar. Todos os seus sentimentos, medos e expectativas, são expostos ao leitor através das anotações que a personagem faz no diário. Essas anotações são, na verdade, uma lista de motivos para ela ser do jeito que é, para fazer o que faz e decidir o que decidiu. Porquês por trás dos quês, como ela mesma diz. E então a jornada começa.

Durante a viagem tudo e mais um pouco acontece. Pessoas boas surgem e ganham papel de destaque na vida da personagem.  Pessoas ruins também aparecem e, de alguma forma, deixam sua marca. A gente se depara com câmeras fotográficas, maquiagem de guerra, presunto enlatado, cartas antigas, glutamato monossódico, medicamentos psicotrópicos, vinis e coisas brilhantes. Olhando separadamente nada disso faz sentido, certo? Imagino que essa sensação de confusão e falta de sentido possa desagradar alguns leitores, principalmente os que tendem a ter um pensamento mais retilíneo. Penso também que a confusão pode ser vista como um reflexo da cabeça e coração da personagem. Ela também está confusa.


Acredito que a sacada do livro seja justamente essa. Primeiramente mostrar que um todo é formado por diversas partes, partes essas que sozinhas são insignificantes ou sem sentido. Porém, essas partes juntas se tornam algo inteiro. Tornam-se o lar, a sensação de pertencimento. Tornam-se a possibilidade de se reconhecer enquanto uma pessoa normal, mesmo que o normal seja relativo e supervalorizado. Essas partes malucas, quando juntas, se tornam um livro que toca delicadamente em temas complexos, mas que prefere não se demorar ali, pois, despertar sorrisos e cultivar o amor que brota nos pequenos gestos, é mais importante do que transcorrer páginas e páginas com explicações cientificamente comprovadas sobre transtornos mentais.

Por conta de tudo isso eu gostei do livro. Gostei do ‘todo’ que se mostrou no final. Gostei da maneira como as relações foram estabelecidas e da forma que os sentimentos foram trabalhados. Indico demais a leitura, mas com uma ressalva: pensem no livro como uma colcha de retalhos, daquele tipo que a gente vai costurando os pedaços aos poucos. As cores e os tamanhos podem não combinar muito e nos dar uma sensação de bagunça, mas o resultado costuma ser quentinho, acolhedor.

A edição está super bacana. O livro tem um tamanho menor do que o que costuma ser padrão da Editora Intrínseca, o que facilita na hora de carregá-lo por aí. A capa é muito bonita e tem um tom envelhecido que não entendi a princípio, mas que interpretei o significado durante a leitura. Se está certo ou não, não sei dizer, mas fez sentido pra mim. 

Quotes:
“Uma coisa só tem validade depois que é dita em voz alta. Meu nome é Mary Iris Malone, e eu não estou nada bem”.

“Lá no fundo, um novo ódio começa a destilar uma repugnância profunda, abismal e feroz. Enfio a sexta carta no bolso e pego a maquiagem de guerra. Em geral, esse é um processo sagrado, que querer bastante sutileza. Mas, neste momento, meu nível de sutileza está próximo do de um velociraptor. Estou desprovida de sutileza. Não tenho sutileza alguma.”

"Mas essa é a essência da mudança, não é? Quando é gradual, chama-se crescimento; quando é rápida, mudança. E, meu Deus, como as coisas mudam: algumas coisas, nada, outras coisas, tudo... Todas as coisas mudam."

“- Sabe, quando eu era mais nova, achava que, se vivesse o bastante, entenderia melhor as coisas. Mas agora sou uma senhora, Mim. E juro que, quanto mais vivo, menos as coisas fazem sentido.”

“Escrevo para você com a maior das urgências. Escrevo sobre assuntos pesados e depressivos. Escrevo para ensinar e aprender, para expurgar e preencher. Escrevo para falar e escrevo para ouvir. Escrevo para contar a maldita verdade, Isa.”

Outras fotos:





Título: Mosquitolândia
Autor: David Arnold           
Editora: Intrínseca
Páginas: 352
Ano: 2015
Crédito das fotos: Karolyne  Oliveira

34 Revelaram sentimentos:

  1. Imaginava uma história completamente diferente para o livro, mas não me interessei, não gosto de livros confusos, perco o interesse muito fácil quando não entendo o que estou lendo e acabo demorando meses para ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,Maíra! Tudo bem?

      Este livro pode ser confuso em vários aspectos, principalmente no que diz respeito aos pensamentos da MIM e a narrativa, que viaja entre fatos do presente, relatos no diário para uma pessoa que a gente não sabe quem é e lembranças do passado.


      Bj

      Excluir
  2. Olá Krisna!
    Que capa mais bacana! O livro não faz meu estilo mas gostei de conhece-lo. Já o vi a venda e fiquei me perguntando sobre o que ele se tratava rs
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas - MEGA SORTEIO DE ANIVERSÁRIO! LANÇAMENTO STEPHEN KING + TIMOTHY ZAHN E RENATA VENTURA AUTOGRAFADOS!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Krisna.
    A sua é a primeira resenha que leio desse livro que gostou dele. A maioria que li não achou a história muito boa. Talvez por não terem visto a história como esse todo que você falou. Mas ainda assim acho que é um livro que eu não leria. As fotos ficaram lindas.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sil!

      Sem dúvidas Mosquitolândia é um livro que pode não agradar quem de fato não gosta do estilo. Fico feliz que você tenha lido a resenha, obrigada.

      Bj

      Excluir
  4. Olá, Krisna.
    Sabe que não conhecia "Mosquitolândia", mas também fiquei interessado pelo livro de cara.
    Gostei muito do enredo. Estou precisando ler algo desse tipo, pois ultimamente estou muito no gênero terror.
    Ah, gostei da aparência envelhecida da capa. Já coloquei o livro na minha lista de desejados.

    Abraço!
    http://tudoonlinevirtual.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sávio!

      A nossa lista de desejados se torna mais humanamente impossível a cada dia, não é mesmo? rs

      Bj

      Excluir
  5. Olá,
    Não conhecia o livro e confesso que gostei bastante da premissa dele.
    Só não leria nesse momento, mas não descarto a leitura futuramente.
    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jessica!

      Não descarta não, vale a pensa se vc gosta do estilo ;)

      Bj

      Excluir
  6. Oi :D
    Acho esse livro tão lindo, tenho vontade de ler mas não sei quando haha
    Adorei o tamanho também, é ótimo pra carregar.
    Bj


    IG: @saymybook
    saymybook.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jess!

      É perfeito pra carregar mesmo. Principalmente se a gente vai sair por lugares nos quais colocar a leitura em dia é possível. Recomendo ;P

      Bj

      Excluir
  7. Não conhecia o livro, não faz muito o estilo do que gosto, mas adorei conhecer.

    Beijoos. ❤

    "Amor de Lua Azul" | "Instagram" | "Tumblr"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leticia!

      ´´E sempre bom ficar por dentro do que rola no mundo literário, não é mesmo?

      Abraço

      Excluir
  8. Oii!
    Adorei a sinopse do livro!
    Achei a história mto legal!
    Não vejo a hora de ler!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline.

      Fico contente por você ter gostado. É sempre uma delícia e um desespero aumentar a lista infinita do que queremos ler, não é mesmo?

      Bj

      Excluir
  9. A capa é bonita ,amei os Quotes.Gostei da protagonista e sua coragem de sair de casa sozinha,para ir em busca da mãe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simone, tudo bem?

      A protagonista é muito corajosa mesmo. E essa busca pela mãe acaba sendo uma jornada ao encontro de si mesma, MIM percebe depois.

      Bj

      Excluir
  10. Olá, tudo bom? Confesso que no momento o livro não me chamou atenção, mas quem sabe futuramente eu dê uma chance à ele.... apesar disso sua resenha fiou ótima e suas fotos ficaram lindas <3 Adorei *_*

    Beijos
    http://resenhaatual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sarah, tudo bem?

      Obrigada pelo elogio, gostei bastante de resenhar esse livro, tão diferente. E as fotos também amei, a fotógrafa foi muito diva, né? rs

      Bj

      Excluir
  11. Oi, tudo bem? Adorei a resenha, você me deixou bem curiosa para ler este livro. As fotos ficaram lindas e criativas, parabéns! Adorei os quotes também...

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Larissa!

      Fico contente que você tenha gostado, foi tudo feito com muito carinho.

      Abraço

      Excluir
  12. Adorei o nome do livro, ainda não tinha visto! rs. Achei a história até legal, mas acho que precisamos estar no momento certo pra ler né? Tem livro que logo de cara eu sei que posso pegar e ler que vou gostar, mas tem livro que acho que é de momento... Pra mim acho que seria o caro.
    Beijos e bom fim de semana!
    http://www.rabiskos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, tudo bem?

      Concordo muito com você, tem livro que é mesmo de momento. Este é um exemplo, pra mim, pelo menos. Estava com ele desde o lançamento, gostei da história, da capa e é um tipo de leitura que me agrada. Mas não é em qualquer momento que consigo ler. Não só pela confusão que a leitura pode causar, mas porque mexe mesmo conosco mesmo.

      Bj

      Excluir
  13. Li algumas resenhas e me surpreendi com a protagonista mesmo em seus 16 anos ir em busca de algo e refletir sobre muitas situações. Quando vi a capa do livro, confesso que não chamou minha atenção, mas sua resenha e toda profundidade do livro me fizeram já colocar na lista de leitura. beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lara, tudo bem?

      Contente por ter conseguido tocar você com a resenha. É uma leitura que vale a pena ;)

      Bj

      Excluir
  14. Oii
    Amei a resenha. O livro é completamente diferente do que costumo ler, mas ao mesmo tempo um livro bastante interessante, sabe? Estou escrevendo sobre um jovem depressivo e achei bem legal ver outras histórias assim!
    http://blogmichaelvasconcelos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michel, tudo bem?

      Existe uma questão psicológica por trás da história, se você está escrevendo sobre um jovem com depressão, faz total sentido ler coisas que podem vir a aumentar ter repertório sobre a questão. Pode também procurar alguns artigos sobre a doença, o google academic é super parceiro neste sentido ;)

      Abraço e boa sorte!

      Excluir
  15. Oi, Krisna! Tudo bem? Eu não tinha muito interesse de ler esse livro, mas li algumas resenhas dele (e a sua está incluída nessas) que me fizeram mudar de opinião. Algo me diz que vou amar "Mosquitolândia"! <3 Adorei a resenha! :)

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tony!

      Eu sou suspeita pra falar, pois gosto muito de livros que abordem as relações humanas, que fale sobre vínculo, sobre crescimento pessoal... Independente se essas questões são mostradas através de uma heroína com espadas e arco e flechas ou pelos olhos de uma adolescente confusa sobre si mesma e sobre a vida.

      Se você ler, conta o que achou, ok?

      Bj

      Excluir
  16. Achei a capa do livro bonita, porém, não me despertava o interesse, após sua resenha percebi que ele me lembra um pouco uma história que li quando criança escrita pela minha melhor amiga e isso me deixou com vontade de ler, parece muito bom, espero gostar e que as expectativas que criei não atrapalhe na leitura. ;)

    ResponderExcluir
  17. Ando vendo algumas coisas sobre esse livro e ele acabou me interessando. Acho que a bagunça e coisinhas loucas dele no final tem um propósito interessante e, como disse, no todo é um bom livro. Ele me pareceu bem doido quando vi pela primeira vez e por isso acabei deixando de lado. Mas até que agora ele me chamou mais atenção.

    ResponderExcluir
  18. Acredita que eu tive o mesmo pensamento que você em relação ao livro? Eu amo quando tem algo relacionado a psicologia, principalmente por ser a área da qual estou me formando. Parece ser uma história simples que vai nos conquistando aos poucos, mas tem um enredo bem diferente do que eu costumo ler. Gostei bastante.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.