Resenha: Assassinato na Torre Eiffel


Assassinato na Torre Eiffel é o quarto livro que leio da editora Vestígio e, a cada livro lido, a minha vontade só aumenta em continuar a leitura por essa fascinante coleção. Essa trama é um pouco diferente por não termos um detetive profissional. Somos apresentados ao personagem Victor Legris, um livreiro de Saints-Pères que atuará como detetive.

O protagonista fica totalmente inconformado com a maneira como as mortes acontecem e resolve investigar os casos. Porém, ele não sabe que essa investigação pode colocar em xeque a sua liberdade, sua dignidade e o mais importante: sua vida.

Logo no início da obra, conhecemos Jean Méring. Ele está na estação dos Batignolles e falece por uma picada de abelha. Contudo, esse não é a primeira morte presente no livro e o que mais assusta Victor é que existe algo em comum: todas as pessoas morreram da mesma maneira.

A dúvida que permeia no decorrer da trama é: será que seriam meras picadas de abelhas ou uma série de mortes premeditadas? É impossível descobrir os seus motivos sem ficar vidrado na história e esperando esse desfecho que nos tira o sono.


Todo acontecimento gira em torno do ano de 1889, na querida e amada Paris, palco de uma série de acontecimentos intrigantes e horripilantes. Todavia, a história não é apenas uma trama policial, ela nos dá uma excelente aula de História de Artes e mensagens bastante filosóficas através tanto das palavras quanto das pinturas descritas.

Embora o leitor fique vidrado para ler o livro rapidamente, a leitura não é veloz quanto as outras obras da editora Vestígio que tive a oportunidade de conhecer. Não por ser ruim, mas porque requer certo cuidado pela quantidade de elementos detalhados na trama.

Victor e seu sócio, Kenji, marcam um encontro no primeiro andar da torre, juntamente com Marius Bonnet a fim de lançarem um novo jornal. Porém, o encontro dos três é interrompido. Para surpresa de uns e ansiedade de outros, Eugénie Patinot é encontrada morta, vítima de uma picada de abelha.

Os acontecimentos não param, as mortes surgem de maneira misteriosa e só nos resta finalizar o livro para sairmos satisfeitos em descobrir os reais motivos de tanto suspense. É impossível não se surpreender com o desenrolar da trama.


Embora a obra tenha tido um enredo totalmente criativo, com uma história inusitada, penso que poderia ter sido mais elaborada a descoberta de tudo. Tendo em vista que Victor não era um detetive, as pistas desvendadas por ele foram um pouco previsíveis. Porém, mesmo com esse ponto a ser abordado, não o chamo de negativo, já que Victor nos é apresentado como um homem bastante inteligente e esperto, o que torna qualquer descoberta esperada e adorada, independente de tudo.

O jovem livreiro, além de ser astuto e sagaz para o lado do crime, é um homem austero em todas as suas áreas. Contudo, mesmo buscando a perfeição em sentidos diversos de sua vida, ele é dotado de sentimentos. Podemos notar a sua fragilidade e seu jeito amável quando está perto de Tasha. Ele é um bobo apaixonado que deseja, de forma ardente, conquistar aquela incrível artista que a atraiu completamente.

O nome da obra é sugestivo e chamativo; a capa não fica atrás, dotada de designs e muito criativa. A revisão é tão bem feita que fica difícil notar algum erro. As folhas são amareladas, o que proporciona uma leitura agradável, como em todas as obras que li da Vestígio. Certamente, os apaixonados por romance policial irão se deliciar nessa envolvente história.

Quotes:
“- [...] Não sei se tenho talento, não sei se o que faço tem a chance de tocar alguém, mas não posso deixar de pintar, tanto quanto um alcoólatra não pode deixar de beber. É isso que me interessa, o objetivo é secundário” (p. 30).

“- [...] Pode tocar a campainha, a governanta está lá, vai recebê-lo. Fique alerta, é uma raposa, tinha antipatia pela pobre Eugénie. Chama-se senhorita Rose. Pra cima de mim? Da rosa ela só tem os espinhos!” (p. 116).

“- [...] Vou lhe dizer uma coisa, senhor, prefiro a companhia dos animais de pequeno porte à de certos imbecis” (p. 145).



Livro: Assassinato na Torre Eiffel (exemplar cedido pela editora)
Autora: Claude Izner
Editora: Vestígio
Páginas: 256
Ano: 2014

17 Revelaram sentimentos:

  1. Adoro livros policiais! Claro que já anotei esse livro na minha wishlist! A história parece ser super interessante e bem diferente das histórias do gênero (morte por picada de abelha). Fiquei curiosa sobre o desfecho!
    Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  2. Oi Natalia, tudo bem?
    Sou muito fã de romances policiais. Admito que adoro um mistério aparentemente sem solução ou um suspense que te deixa tenso e curioso até o fim do livro.
    Se possível, irei ler essa obra com muito bom gosto, pois adorei a premissa e a sua resenha.

    Abraços!

    -Ricardo, Blog Lapso de Leitura

    ResponderExcluir
  3. Oi, Naty
    Sou muito curiosa para ler outros livro da Vestígio, pois o primeiro que li amei.
    Apesar de gostar de leituras mais fluídas, ainda gostaria de ler esse obra, mesmo parecendo mais lenta.
    Apesar das pequenas ressalvas fiquei curiosa para saber o que está por trás das mortes.

    ResponderExcluir
  4. Já gostei desse livro. Investigação, um detetive improvável e ainda em Paris? Fiquei meio que imaginando um daqueles filmes policiais antigos em preto e branco. Sei lá, deu um clima assim ao pensar na história. E mesmo que possa ter alguma falhazinha na elaboração acho que isso não me afetaria muito, acho que iria gostar. Boa dica.

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    Já fiquei encantada com a premissa do livro. Amo um bom suspense, mistérios e muita investigação. Esse gênero é um dos meus preferidos. Não conhecia a obra, mas lendo sua ótima resenha, fiquei muito curiosa. Claro que vou querer conferir essa leitura! Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Já conhecia o livro, mas nunca ti há lido resenhas da obra, achei mto bacana, qro conferir com toda ctz! Parabéns pela resenha, tá excelente!
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Oi Natalia,
    Não conhecia esse livro, mas adorei o que li na resenha e já adicionei na lista de desejados, uma ótima oportunidade de ler um livro da editora Vestígio.
    Adoro romance policial, é um dos gêneros que mais gosto de ler, e sendo que os acontecimentos ocorrem no ano de 1889 em Paris? Certamente vou me deliciar com essa história envolvente. Pelo jeito é um livro para ser lido sem interrupções, pois fiquei curiosa para conferir o desfecho dessa trama.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Eu li alguns livros da editora e me apaixonei por todos agora já quer esse também. A editora me fez virar uma apaixonada por livros policiais e o ano em que a história se passa também me encantou muito.

    ResponderExcluir
  9. Então, eu não conhecia esse livro mas realmente me chamou a atenção e vou ver se leio.Me deu vontade de me aventurar pelo suspense!

    ResponderExcluir
  10. Olá, Naty.
    Eu tenho muita curiosidade em conhecer os livros da editora. Eu amo romances policiais e sempre vejo elogios as obras deles. Que pena que a elucidação do crime não foi tanto do seu agrado, mas que bom que mesmo assim ainda não o considerou um ponto negativo. Assim que der eu vou ler com certeza.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o livro mas com certeza leria, adoro histórias policiais com mistérios a serem descobertos!

    ResponderExcluir
  12. Nossa, que livro bacana!
    Nunca tinha lido sobre ele, mas achei muito interessante e instigante, já quero!!
    Faz tempo que não leio romances policiais, achei uma boa dica, anotado aqui, vou procurar para lê-lo logo logo!
    bjão
    Ana,
    elvisgatao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Adoro quando o livro tem como cenário Paris. Já me ganhou ai :)
    Fiquei curiosa para saber como as picadas de abelha esta relacionado com as mortes. Apesar de ser um gênero que não leio frequentemente, leria este livro;

    ResponderExcluir
  14. Eu gosto desses personagens que são digamos "amadores" e não profissionais. Acredito que mais facilmente nos identificamos com eles. Eu adorei o enredo e a edição ser primorosa quanto aos cuidados gráficos e de revisão é um ponto importante no livro.

    ResponderExcluir
  15. Nunca fui muito de ler romances policiais, mas tenho começado a pouco tempo. O suspense me deixa ansiosa, por isso evito. De qualquer maneira, eu tenho adorado tudo isso. De fato, a capa e o título dessa obra são muito chamativos e instigantes, melhor aind ao enredo. As vezes acontece do livro não ser explorado ao máximo, e mesmo sendo previsível, acaba sendo uma leitura agradável para aqueles momentos de ressaca literária.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Adorei sua resenha, você acredita que ainda não tinha ouvido falar sobre o livro? Mas adorei a história, e achei uma pena que ela não tenha sido tão elaborada.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  17. Gostei muito da história do livro!!
    Bjoss

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.