Resenha: Me ajude a chorar


Me ajude a chorar é uma obra que pode ser lida de diversas formas e acredito que a melhor seja aos poucos, absorvendo uma crônica por dia, mergulhando nas palavras do autor de forma moderada, pois o desejo é que elas não acabem.

Carpinejar tem um dom, aquele de tocar sem usar as mãos, de derramar lágrimas sem nos magoar e, de brotar sorrisos, ainda que nosso corpo queira chorar. Ele consegue mudar nossa forma de ver as coisas quando lidamos com as suas.


“Todo filho é pai da morte de seu pai.” (p. 14)

A primeira crônica já é um baque e não consegui achar outra para superá-la. Algumas são tristes e outras são capazes de nos fazer sorrir ainda que seja da tristeza, mas nenhuma é capaz de nos deixar vazios, algum sentimento é passado. Esse é o dom de Carpinejar. Não precisa de palavras difíceis, de joguinhos com termos rebuscados, nem tampouco enrolações. O livro é curto, os textos são curtos; a leitura acaba, mas o sentimento não.

Esse livro é diferente dos outros que ele já escreveu. Não estamos diante de uma obra que reflete seus momentos pessoais; o objetivo do autor é unir textos sem que haja um tema, e isso torna a leitura gostosa, despretensiosa e surpreendente.


“E feliz do filho que é pai de seu pai antes da morte, e triste do filho que aparece somente no enterro e não se despede um pouco por dia.” (p. 15)

Na obra, constam dois textos que ficaram famosos quando publicados: o escrito em homenagem às vítimas de Santa Maria, acidente ocorrido no Rio Grande do Sul, que inclusive foi capa em diversos jornais, como O Estado de S. Paulo, e aquele sobre o acidente aéreo de 2007 em Congonhas – São Paulo.

Para quem não está acostumado a esse tipo de leitura, é melhor seguir o meu conselho lá do início. Não porque o livro é ruim, mas degustar aos poucos é o melhor a ser feito, seja um leitor ávido pelo gênero ou não. A diagramação é bem simples e confortável.

Quotes:
“Os opostos não se atraem. Os opostos disputam quem tem razão. Não dará certo juntar aquele que é travado para o relacionamento com aquele que é intenso, aquele que pretende controlar os fatos e o que pretende inventar seus próprios fatos.” (p. 31)

“Quando o amor para de um dos lados, o relógio intelectual morre. Não se vive desprovido de gentileza. A gentileza é o amor em movimento.” (p. 51).

“Desse tempo, compreendi que adulto não soluciona o medo de criança, por querer terminar logo com o susto, dizer que não é nada, que é uma bobagem, que não vale sofrer à toa. Pai e mãe apenas aumentam o terror desprezando as perguntas e a cumplicidade.” (p. 100).

Outras fotos:



Título: Me ajude a chorar
Autor: Fabrício Carpinejar
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 156
Ano: 2014

21 Revelaram sentimentos:

  1. Nunca imaginei que eu pudesse me interessar tanto pelo livro desse autor, já o conhecia por causa dos programas de TV, nas quais eles compareceu, e sempre falava palavras bonitas, e árduas sem rodeio para realmente tocar quem esteja ouvindo, ele sempre me pareceu usar das melhores palavras. Por isso durante a leitura de sua resenha da para notar que ele segue a mesma linha em seu livro. Vou adquiri-lo e lê-lo aos poucos, cada dia uma crônica, acho que vou amar.

    ResponderExcluir
  2. Oi Natalia, não leio livros de crônicas com frequência e acho que o conselho que você deu no inicio da resenha é muito bom, ler aos poucos vai ajudar a absorver melhor as crônicas e assimilar a mensagem do autor. Sobre o livro, apesar de não conhecer o autor percebi com a sua resenha e os quotes que ele escreve muito bem e vou anotar a dica do livro ;)

    ResponderExcluir
  3. Carpinejar é um mestre <3 Adoro ele, nunca cheguei a ler seus livros, mas o pouco que leio do que ele divulga nos jornais ou nas redes sociais eu já me encanto!

    Blog aboutbooksandmore.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Naty
    Não conhecia esse livro de Carpinejar, mas já li uma obra dele e adorei. Acho que os textos dele podem ser lidos aos poucos mesmo. Admiro a maneira que ele escreve e concordo que ele nos toca e consegue mexer com algo dentro da gente.

    ResponderExcluir
  5. Ah esse livro! Vi umas coisas bem legais dele e o que me chamou atenção foi a coisa do acidente em Congonhas. Era pequena quando aconteceu, mas lembro até hoje da comoção que foi. Isso me chamou atenção no livro.
    Mas ele parece ser bem interessante, uma leitura diferente até. É uma boa dica pra quem busca algo que faça pensar.

    ResponderExcluir
  6. Eu não conhecia o autor e achei o título do livro bem forte. Imaginei que não fosse gostar do livro mas gostei muito dos quotes e vou procurar ler.

    ResponderExcluir
  7. Carpinejar é um dos melhores que já li até hj.
    Curto mto sua escrita e a forma que transmite as palavras aos leitores.
    Com toda ctz vai pra lista.


    ResponderExcluir
  8. Natália!
    Não tem como ler um livro do Carpinejar e não se emocionar, embora algumas coisas que ele diga, não concorde plenamente, ainda assim, é como falou, para ser degustado aos poucos, assimilando o significado das palavras e os sentimentos expostos em suas observações.
    “O saber se aprende com os mestres. A sabedoria, só com o corriqueiro da vida.” (Cora Coralina)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  9. Olá, Natalia.
    Como sempre as fotos estão lindas. Já ouvi muitos comentários positivos sobre o autor, mas infelizmente não é o tipo de livro que eu gosto de ler, prefiro ficção. E essa frase do pai e filho, não é que é muito verdade? pelo menos aconteceu aqui em casa comigo e com meus irmãos e meu pai.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li nenhum livro do autor e acho que pra mim ler esse teria que seguir seu conselho e ler aos poucos, é muito bom quando um livro mexe com a gente esse parece que toca no fundo da alma e faz com que ficamos com as palavras na mente depois de ler.

    ResponderExcluir
  11. Oi Natália! Eu nunca li um livro do Carpinejar, mas já tive a oportunidade de me deliciar com suas crônicas e suas escrita sensacional publicadas em jornais e na web! Fiquei com muita vontade de adquirir esse livro, pela sua resenha pude perceber o quanto se trata de uma obra tocante. A capa também é super bonita e as fotos ficaram lindas! Bjos!

    ResponderExcluir
  12. É bem importante sabe que a obra é melhor degustada lida aos poucos. Eu gosto de ler crônicas e textos que sejam carregas de sentimentos. Não tive a oportunidade de ler nada do autor ainda, mas esse é uma boa dica para começar!

    ResponderExcluir
  13. Muito interessante o intuito de o autor juntar textos que se referem a tratam a um mesmo tema. Eu não fiquei muito animada pra ler porque não sou muito de ler crônicas. Mas devem ter textos bem tocantes, principalmente os que são em homenagem às vítimas de Santa Maria.

    ResponderExcluir
  14. Natália,achei interessante a capa desse livro haha
    Então,acho que já mencionei em alguma resenha que não curto poemas,e crônicas acabam entrando no mesmo patamar..Lembro de ler algumas quando eu estava no ensino médio mais não é um gênero de leitura que me interesse. Mas enfim,entre tantos assuntos que poderiam ser tratados,adorei a ideia de crônicas em relação á fatos trágicos e notórios que aconteceram no nosso país,o autor deve ter sido usado de muita sensibilidade,pois não é um tema fácil. Gostei que você menciona que é impossível ficar indiferente ao ler alguma crônica do livro,seja um aperto no coração ou um sorriso,alguma emoção você irá sentir. No fim,essa é uma das principais funções da leitura né,passar sentimentos,e que bom que o autor conseguiu transmitir isto.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Oi, Natália!!
    Não leio muito livros de cronicas, poesias e poemas. Mas até que achei bem interessante!!
    Nunca li nada desse autor, mas é bem curioso o tema que ele aborda nesse livro.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  16. Eu não sou muito de cronicas e contos, mas devo dizer q fiquei curiosa quanto a que é em memória do desastre de Santa maria. Estudo em uma cidade do lado e muitos colegas morreram. Foi bem triste.

    bjbj

    ResponderExcluir
  17. nunca li nada do Carpinejar, mas já li vários elogios sobre a escrita dele
    eu adoro livro de crônicas/contos e te entendo quando vc diz que é bom ler um de cada vez, ainda por cima nesse caso que trata de uma tragédia. vc tem que dar tempo de digerir a história.
    achei a capa bem diferente
    por na minha lista

    ResponderExcluir
  18. O livro parece ser bem interessante, mas eu confesso que não gosto muito de crônicas não. Mas achei legal ter um texto em homenagem as vitimas do acidente. E gostei bastante dos quotes. Eu vou tentar ler, mas provavelmente será aos poucos mesmo :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Oi Natalia...
    Ainda não tive a oportunidade de ler o livro, mas se for lê-lo em algum momento, com certeza será aos poucos... Afinal ele traz a tona momentos tristes e marcantes por se tratar de homenagem às vítimas de alguns acidentes... É um livro pra realmente se digerir aos poucos...
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  20. Não gosto muito de poesia, mas essa obra parece realmente linda. Talvez um dia confira e com certeza vou seguir sua dica, ler aos poucos e refletir sobre o que leio.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não são poesias não, são apenas crônicas e vale muito a pena :D

      Excluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.