Resenha: Um ano na vida de um gênio


Quando vi o lançamento, imaginei que seria um livro totalmente diferente do que de fato é. Um ano na vida de um gênio possui uma pitada de humor e uma dosagem extra de lição para a vida. No entanto, não é só isso...

Existem personagens que são chatos, outros que são péssimos e existe o desse livro que vai além disso. Arthur A. Bean é um garoto que se acha o maior gênio da face da Terra e de outros planetas que existem (ou possam existir). Ele acredita ser um grande escritor de sucesso e que consegue tudo o quer, até mesmo ficar em primeiro lugar no concurso de contos.


Ele deseja ser famoso, namorar Kennedy e mostrar a todos que ele é o maior gênio criativo. Acontece que nem sempre é como a gente quer e Arthur precisa aceitar isso. Kennedy tem namorado e mal nota nosso personagem principal; sua professora, a sra. Whitehead, exige bastante do garoto e o critica em sua forma de escrever e de tratar as pessoas, já que ele parece um mal-educado e fica zombando dos amigos não saberem escrever corretamente. E, como diria a sra. Whitehead, Agatha Christie não era boa em ortografia, mas seus livros são famosos até hoje. Porém, o gênio da criatividade, Arthur Bean, desconhece quem é Agatha.

O garoto está na sétima série, mas seu achismo que é um gênio me faz parecer que está no doutorado e suas atitudes me levam a crer que não chegou ao ensino fundamental. Acompanhamos seu ano através de seu diário, dos e-mails trocados entre os alunos e as mensagens trocadas com a sra. Whitehead.


A história tinha tudo para envolver e prender o leitor, ocorre que comigo não foi bem assim. Enquanto conhecia o personagem, desejava ainda mais que ele perdesse o concurso ou que algo desse muito errado e ele parasse de se gabar. É inconcebível imaginar a capacidade que uma pessoa tem para fazer de tudo para ter o desejado. E não falo isso de um jeito positivo, mas do jeito mais ridículo possível.

É certo que Arthur passa por um processo difícil ao perder a sua mãe e, desde então, sente necessidade de ser o melhor filho. Mas é preciso pesar os fatos e ver que nem sempre o poder é o necessário para chamar a atenção.


Não é em vão que Bean não é muito querido por Robbie, que, se suas ameaças se cumprirem, o protagonista estará prestes a ter a cabeça enfiada no vaso sanitário. Embora seja péssimo na ortografia, Robbie Zack tem um lado criativo que pode chamar a atenção de outras pessoas do colégio, para inveja de Bean, é claro.

A história nos passa uma boa lição sobre humildade, perseverança, amor ao próximo e diversos sentimentos que deveríamos ter, refletir, mas nem sempre fazemos. O protagonista não passa de um garoto chato que tenta a todo custo ser o melhor em tudo, ter a melhor namorada do mundo e ser o maior gênio que já existiu (e existirá). Parece uma utopia, mas é isso que Arthur tanto almeja.


Ainda que contenha bons ensinamentos, o livro, para mim, não passa disso e não me senti confortável enquanto lia e me deparava com uma criatura tão chata e sem graça. Claro que você pode gostar do personagem ou gostar da obra por odiar esse garoto, o fato é que a história não funcionou para mim, isso não quer dizer que você não goste. 

Um detalhe muito importante que merece ser destacado é o trabalho estético da editora. A capa é bem feita e chamativa; a diagramação não deixa a desejar e possui diversas imagens para atrair a atenção de qualquer um.

Outras fotos:




Título: Um ano na vida de um gênio (exemplar cedido pela editora)
Autora: Stacey Matson
Editora: Geração Editorial
Páginas: 264
Ano: 2016

22 Revelaram sentimentos:

  1. Natália!
    Ruim demais quando nos deparamos com um personagem como o Arthur, pessoas prepotentes são horríveis, se acham sempre superiores e olha que ele é apenas um adolescente, imagina quando chegar a fase adulta...
    Ainda assim se o livro traz lição sobre humildade, perseverança, amor ao próximo e diversos sentimentos que deveríamos ter, refletir, deve ter algum aprendizado.
    “Qualquer situação na qual você se encontre é um reflexo exterior do seu estado interior de existência.” (El Morya)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Com certeza se o personagem não e cativante, muito pelo contrário, e chato e se gaba o tempo todo, dessa forma a leitura vai se arrastar, e não vai ser um livro bom. Pela premissa do livro imaginava outra coisa, completamente diferente, mas e bom saber que no decorrer a trama a história da uma revira volta, e acaba passando uma reflexão de tudo que aconteceu. Ainda tenho minhas dúvidas se darei ou não uma chance a esse livro.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Naty
    Ainda não conhecia, mas achei uma leitura leve e válida para um momento de descontração. Mas é uma pena que não gostado muito. Quando o personagem não agrada, fica difícil gostar do livro como um todo.
    Quem sabe um dia me anime mais a ler.

    ResponderExcluir
  4. Oi Natalia, esse protagonista parece ser bem antipático mesmo e apesar de conter muitas lições e aprendizado sobre humildade e outros, não consegui me interessar pela história. Contudo, o livro pode ser uma boa pedida para jovens em formação, justamente por conter muitas lições que devem ser levadas para vida ;)

    ResponderExcluir
  5. Oii Naty!
    Uma graça esse livro, estou bastante ansiosa pra ler, enredo está excelente, assim como a resenha...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Oi Naty...
    Confesso que se fosse escolher um livro pela capa, com certeza esse seria um deles, pois as ilustrações são uma graça... Agora lendo sua resenha e descobrindo que o protagonista 'se acha a última bolacha do pacote', tornando-o um tanto quanto chato e inconveniente, preciso dizer que não fiquei com a mínima vontade de ler esse livro... Pelo menos não nesse momento...
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  7. Achei um livro interessante, mas não muito pra mim. Ele parece legal, só não senti grande vontade de ler. É diferente do que tinha achado também. Mas uma boa dica porque acaba passando umas lições legais e só isso já deve valer a pena a leitura. No momento não acho que leio, mas quem sabe algum dia né...

    ResponderExcluir
  8. Acho que esse livro funcionaria bem se fosse feito para crianças, dá toda uma lição de moral e etc, talvez a editora tenha errado o público/formato, ninguém consegue ler um livro com um personagem tão chato e se apegar a história. Já sei de um livro que não vou ler esse ano.

    ResponderExcluir
  9. Não me interessou odeio pessoas que se acham, querem ser melhores que os outros e põe defeito nas outras pessoas, conheço umas assim que não são nada humildes, lendo a resenha lembrei delas rs. O bom é que tem humor e passa uma lição de vida.

    ResponderExcluir
  10. Oi!!

    Acho que esse livro pode ser um tapa na cara de algumas pessoas hahahaha
    E acho que é bem essa a coisa: a gente querer matar o personagem pq ele é tão pedante e chato..>Como todas as pessoas q se acham melhores q alguem hahaha

    bj
    Lá...E de volta outra vez

    ResponderExcluir
  11. Olá, Natalia.
    Eu li uma resenha desse livro ontem e a opinião sobre ele foi bem parecida com a sua. Eu leria esse livro antes de ler as resenhas, porque imaginava algo completamente diferente. Mas depois das resenhas não quero ler mais não. Odeio protagonistas assim e não vou conseguir nem terminar ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  12. No decorrer da resenha alguns aspectos do livro chamaram minha atenção, no entanto o fato do personagem ser extremamente chato/entediante me deixou um pouco insegura com relação a leitura do livro.

    ResponderExcluir
  13. A capa é uma graça, mas deve ser muito chato ler um livro com um protagonista tão irritante como Arthur! Adorei sua resenha, mas depois dela confesso que eu não leria o livro e ainda estou torcendo para que esse garoto presunçoso e pedante se ferre no final da trama! #aloka.

    ResponderExcluir
  14. Pelas fotos da pra perceber mesmo o trabalho estético que a editora teve com o livro, ele está muito fofo!
    Não achei a história muito agradável para ler. Apesar de trazer reflexões, coisa que eu gosto, eu não fiquei com um gostinho de que quero conhecer mais do Arthur :/

    ResponderExcluir
  15. Apesar dos dramas que o Arthur passou, o que me deixa um pouco com vontade de ler o livro, eu achei a descrição dele como um menino desagradável e um pouco chato, me deixando ai sem vontade de ler a história. Esse achismo de que é um gênio não me agrada nada.

    ResponderExcluir
  16. Como gosto livros com humor, e que além disto, a história passe uma lição, fiquei bem interessada em ler este livro, além de que, a capa me chamou a atenção e acredito que irei gostar da história.

    ResponderExcluir
  17. Eu confesso que não tenho nenhum pouco de vontade de ler esse livro. Ele até parece ser bem interessante, e passa uma lição bem legal. Mas não é o tipo de livro que eu costumo gostar :/

    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Natalia,não tinha ouvido falar desse livro,e adorei sua resenha,apesar de você não ter gostado do livro,foi interessante saber mais do livro,por que ao ver a capa eu imaginava uma coisa totalmenteeee diferente,não vou nem comentar,mas estava redondamente enganada rs'
    Olha,poucos livros que não são do estilo romance fazem meu estilo,e esse com certeza também não se encaixa,pois nossa,como criaram um personagem tãooo egocêntrico assim,e ainda criança kkk Achei confusa bem dizer a proposta do livro,por que se o protagonista quer sempre ser notado,ser o melhor,é arrogante e tudo mais,creio que a história deveria se encaminhar p/ algumas situações em mostrasse p/ ele a realidade,e o fizesse mudar de concepção e atitude,pois até posso aguentar um personagem assim,contanto que ele mude de verdade kkk por que se não,não tenho paciência :/
    Achei ele meio rebelde sem causa,e como você cita que ele perdeu a mãe dele,bom,pelo visto nem esse argumento serve p/ embasar o fato de ele querer ser superior.
    Uma pena o livro não ter agradado,pois achei lindo também o trabalho estético.
    PS: Gosto que nas fotos além das capas dos livro,vocês mostram outros detalhes da obra ;)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Oi, Natália!!
    Gostei muito da sua sinceridade na resenha!! Eu não senti em momento algum vontade de ler esse livro!! O que mais gostei dele foi a capa e só!! Adorei as fotos!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  20. naty!
    adorei sua sinceridade! e sua perseverança pois se fosse eu com um personagem chato como ele acho que eu largava o livro (ou torcer para o personagem morrer de uma forma lenta e dolorosa...
    na verdade eu já tinha desistido desse livro quando eu li a sinopse dele no lançamento, não me cativou... e depois da sua resenha, apesar das lições de humildade acho que não é para mim...
    ah as fotos estão lindas!

    ResponderExcluir
  21. Se tem uma coisa que não gosto são pessoas que se acham "gênias" então é claro que este personagem não me conquistou, ainda mais por ele sentir inveja e se achar melhor que os outros. O enredo realmente não convence muito, então não tenho muita vontade de conhecer o livro. A diagramação é realmente bonita e a capa chama a atenção, embora sua premissa não.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    ResponderExcluir
  22. Posso dizer que fiquei bem decepcionada pois estava esperando um livro com toque de humor, como você esperou, e encontrar uma leitura com um protagonista que não chegou nem na puberdade mas já se acha o dono do mundo não está exatamente na minha meta de leituras desse ano. Vou passar essa leitura, a editora teve um trabalho com a capa que ficou boa mas alguém tinha que conversar com a escritora.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.