Resenha: Mentiras como o amor


Olá amores, tudo bem com vocês?

Eu estou com medo de não conseguir transmitir em palavras quão incrível e quão chocante esse livro é. Primeiro, não posso falar o porquê de eu ter ficado tão atônita e com o estômago revirado, se eu dissesse estaria dando spoiler da única coisa que não pode ser revelada sem estragar a descoberta que aos poucos vai deixando  nós, leitores, estarrecidos. De início nos perguntamos “será que é possível?”, daí pensamos “não, não pode ser”... Até que nos deparamos com a verdade e ficamos alguns minutos sem fôlego e quando voltamos ao normal corremos para o Google porque precisamos pesquisar para comprovar se aquilo é mesmo real e se verdadeiramente acontece fora das páginas de um livro. E sim, acontece. Sim, é real. Choquei!

Mentiras como o amor nos apresenta uma família que acaba de se mudar após perder tudo que tinham em um incêndio e se mudam para a Granja, uma propriedade antiga, afastada e de aspecto abandonado em busca de um recomeço. Audrey é uma garota extremamente carinhosa e que mesmo enfrentando uma depressão grave, se mantém forte para não preocupar nem desestabilizar o irmão Peter de cinco anos, para ela não existe nada mais importante do que mantê-lo em uma bolha feliz e para isso ela se esforça em parecer normal e finge gostar da mudança mesmo que por dentro ela esteja uma verdadeira bagunça e tudo que mais deseja é sair correndo da Granja, mesmo que sua mãe insista que ali eles irão encontrar a felicidade.

Leo é um garoto prodígio que mora com a tia na propriedade vizinha, ele é muito inteligente e sabe tudo sobre qualquer coisa que lhe perguntam graças a pressão que sofreu dos pais durante toda a vida para que fosse o melhor em tudo. Quando os pais exigiram mais do que ele podia suportar, a pressão resultou em um colapso nervoso, e só depois desse episódio é que ele conseguiu que os pais freassem um pouco esses ideais de perfeição e o enviassem para morar com a tia que o deixa levar a vida de uma forma mais relaxada e sem grandes exigências.


Logo que conhece Audrey, Leo sente uma atração esquisita por ela, tão esquisita que de início ele não entende o que o faz pensar nela o tempo todo. O primeiro encontro entre eles foi desconfortável, com nenhum deles disposto a representar o “bom vizinho” para o outro e foi justamente esse desinteresse que acabou fazendo com que ficassem pensando no outro até que eles se encontram estudando na mesma escola. Escola essa que passa a ser o inferno pessoal de Aud quando Lizzy, uma ex-paquera de Leo resolve perturbá-la por sentir-se ameaçada, a perseguição sem motivo promovida pela garota beira o ridículo, mas nada que não aconteça real oficial todos os dias por aí.

Aos poucos vamos entendendo a doença de Audrey quando pequenos machucados surgem em sua pele, cortes pelos braços e pernas e até mesmo agressões mais graves acontecem. Quando viu Aud pela primeira vez, Leo viu ferimentos nos braços dela, ele não entende mas suspeita que a garota se mutila e oferece conforto quando ela precisa sem saber que o que a atormenta é muito pior, a Coisa que a visita toda noite a machuca e ela não pode contar a ninguém porque irritar a Coisa pode ser muito perigoso e, afinal, quem iria acreditar nela?

Conforme eles vão se aproximando Audrey começa a sentir que o recomeço é mesmo possível e que ela pode ser normal, mas a mãe insiste em afastá-los alegando que um relacionamento pode agravar a doença de Aud e isso somado a outras atitudes de Lorraine começa a nos irritar pela forma como ela sufoca Audrey, como se ela fosse uma incapaz e como na maioria das vezes ao tentar protegê-la ela consegue apenas piorar a situação e envergonhar a filha. Nunca uma frase de capa fez tanto sentido, “nem sempre aqueles que mais nos amam são aqueles que nos fazem bem.”


Mentiras como o amor me deixou estarrecida por apresentar uma narrativa de tirar o fôlego, perturbadora e cruel ao mesmo tempo em que nos presenteia com uma história linda. É lindo ver que pode existir amor em meio a tamanha infelicidade, é lindo ver que existem pessoas puras de bom coração dispostas a ajudar sem receber nada em troca e é lindo ver que família e até mesmo a apoio de um mero conhecido tem potencial para curar e também dar forças para seguir em frente e suportar ainda mais sofrimento.
“Ter coragem tem a ver com ser forte. E ser forte, bem... a força surge quando alguém é amado [...] se você sabe que é amado, então isso é tudo de que precisa. O amor lhe dá pernas de aço.”

Digo, sem medo de exageros, que essa foi minha melhor leitura do ano e que a autora Louisa Reid acaba de ganhar uma fã incondicional. Recomendadíssimo.

"[...] a felicidade é ser amada por quem você é sem nenhuma reserva ou hesitação, sem retroceder ou se importar com o que qualquer pessoa venha a pensar. Era confiança; era fé; era saber que o amor que você dá fica seguro no coração de outra pessoa."


Título: Mentiras como o amor (exemplar cedido pela editora)
Autora: Louisa Reid
Editora: Novo Conceito
Páginas: 432
Ano: 2017

14 Revelaram sentimentos:

  1. Recentemente li uma resenha bastante parecida com a sua a respeito de tantos elogios em relação a estória, que apesar de tanta infelicidade, e tristeza, ainda sim podemos ver uma luz no fim do túnel capaz de lê salvar, e neste livro a luz no fim do túnel e o amor, que a personagem vai receber e doar, para outra pessoa que vai lhe apoiar e te tirar desta doença que aflige tantas pessoas. Quero muito este livro, e tenho certeza que vou me emocionar muito durante esta leitura, e querer vestir a camisa desta personagem, e ajuda-la.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Lana! É difícil ler esse livro sem sentir ele tocando a gente bem lá no fundo <3
    Espero que você possa ler ele muito em breve e desejo que tenha uma ótima leitura, assim como eu. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Humm, mas o livro parece bom heim. Não tinha me chamado muita atenção ainda mas gostei de ver o que falou. Se a história for linda assim mesmo deve valer a pena arriscar e ler então. Adoro tramas que conseguem tocar a gente assim, que faça a gente ver que o amor surge em meio a dificuldades, que existem pessoas boas e como o apoio da família faz diferença... parece bem bonito.
    Me deixou curiosa agora ^^

    ResponderExcluir
  4. Esse livro parece ser incrível, Vou dar um jeito de comprar ele o mais rápido o possível. Gostei do tema do livro sabe? disso que sempre a uma luz no fim do túnel, independente da bagunça que esta no seu interior, você pode encontrar a pessoa certa, como segundo o que eu entendi da sua resenha Leo é a pessoa da Audrey.
    Estou muito curiosa pra saber o significado dessa parte aqui:" a Coisa que a visita toda noite a machuca e ela não pode contar a ninguém porque irritar a Coisa pode ser muito perigoso e afinal, quem iria acreditar nela?" só lendo o livro para poder saber que coisa é essa.

    ResponderExcluir
  5. Simplesmente fiquei muito curiosa para saber o mistério deste livro, a história parece ser muito boa, uma história linda mas também com seus poréns, os problemas e conflitos dos personagens, fiquei curiosa para saber o que é a "Coisa", e saber o desfecho dessa história, sem dúvidas se eu tivesse este livro eu o leria imediatamente, mas como não tenho só me resta ficar na curiosidade e aguardar.

    ResponderExcluir
  6. Jéssica!
    Como deve ser um livro doloroso, porque uma pessoa que se mutila, deve ter o estado psicológico bem abalado e deve mesmo fazer tratamento.
    E como é bom ver que o amor de alguma forma pode curar e melhorar o ser humano.
    Gostaria de poder ler.
    “Bendito seja eu por tudo o que não sei, gozo tudo isso como quem sabe que há o sol” (Fernando Pessoa)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. A capa é linda e a historia muito interessante. Com certeza eu um dia vou ler, amei a resenha e a ideia do livro, aliais é uma historia real. Acho legal a ideia de que as vezes quem ama é o que nos faz bem, pode parecer confuso, mas é real. Já vai para a minha lista de livros.

    Visitem meu blog!
    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Jéssica
    Uau! Já me deixou curiosa no primeiro parágrafo da resenha. Ainda não tinha parado para ver a premissa desse livro. Já amei a dica e quero ler. Parece passar uma mensagem muito linda, mas ao mesmo tempo chocar. A frase da capa realmente faz sentido. Obrigada por sua opinião.

    ResponderExcluir
  9. Nossa Jéssica, que resenha estupenda *-*
    Fui fisgada pela premissa desse livro quando vi o lançamento, mas confesso que não esperava tanto assim do livro. Ledo engano. Que livro maravilhoso! Amo livros que trazem histórias que abordam temas fortes de uma forma extremamente realista e cruel, com uma narrativa nua e crua, sem contos de fadas ou romantização. Essa leitura promete ser angustiante e perturbadora, com uma carga emocional dramática intensa, não há como não ficar interessada em ler, pois amo livros desse estilo. Fiquei completamente curiosa para saber que doença é essa que aflige a Audrey.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Jéssica!
    To aqui super curiosa pra saber o que é essa "Coisa", que doença a Aud tem e o que aconteceu que te fez ir no google pesquisar se era real hahaha Preciso ler o livro pra ontem! Beijoss

    ResponderExcluir
  11. Fiquei muito curiosa com esse livro que doença será essa e que coisa é essa nossa me deixou com a pulga atrás da orelha (rs) que mistério gira em torno da garota e que mãe que ela tem. Sem falar na crueldade que tem na historia me deixou intrigada em saber mais.

    ResponderExcluir
  12. CARAMBA!
    Que resenha incrível!!
    É a primeira que leio sobre esse livro, confesso que comecei sem saber exatamente nada sobre ele e vou sair daqui querendo pra ontem. Amei cada detalhe velado que tu nos conta, já me apaixonei pelos personagens sem nem ter lido uma linha e a curiosidade pra saber o que tanto acontece na vida desses dois está a mil.
    Resumindo: sua resenha me ganhou totalmente, preciso desse livro!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia o livro e o título não me interessou, mas depois de ler a resenha eu fiquei muito intrigada.
    Já imaginei mil coisas aqui e mil desfechos, agora estou louca para ler.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Jessica!

    Comecei a ter uma teoria sobre a Coisa e considerando que a Granja só está a Audrey, a mãe e o irmão, ela pode ser quem normalmente não é imaginado como esse tipo de pessoa.
    Aliás, a Lorraine sufoca a filha pensando que vai ajudar a salva-la, mas acaba a maltratando mais do que a Coisa, afastando de um rapaz que a ama de verdade e que a ajuda a superar a depressão.

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.