Resenha: Um menino em um milhão


Olá amigos,
Recentemente recebi um livro lindo da Arqueiro, juntamente com um conto muito fofo. Um menino em um milhão e Uma em um milhão, respectivamente. Um menino em um milhão é um livro sensível e muito bem humorado.

O livro conta a história de Ona Vitkus, uma senhorita de 104 anos (sim! ela se auto denomina senhorita, então não vamos mudar isso, okay?), que está precisando de um pouco de emoção em sua vida. Mas ela na verdade não sabe disso. Ela descobre isso quando aquele menino de olhos assustados e que conta tudo nos dedos, aparece na sua casa oferecendo ajuda doméstica em nome dos escoteiros.

Ona, sem paciência para choramingos, não coloca muita fé no garoto, mas logo percebe que ele é duro na queda, e com o tempo se afeiçoa ao menino.

Metido e curioso, o menino grava uma entrevista com a centenária para um trabalho de escola, onde fica a par do passado dessa mulher forte e decidida. Infelizmente, ele vem a falecer, e, o coração de Ona, há muito tempo batendo no mesmo ritmo, bate forte pela tristeza e pelo sofrimento. 

Certo dia, o pai do menino aparece para concluir as tarefas que este deixou pendente na casa de Ona. Novamente a idosa não coloca muita fé no adulto, pois todos parecem ser muito preguiçosos. 
O pai do garoto é Quinn Porter, um guitarrista muito bom, mas que nunca deslanchou na carreira, pois apesar de ser incrível com a guitarra, lhe falta o essencial para ser um grande guitarrista: criatividade. A arte de criar alguma coisa do zero é para poucos. 


Quinn foi um péssimo pai, ele nunca entendia o jeito de ser do menino, nunca se deu ao trabalho de tentar entender, estava ocupado demais perseguindo seu sonho, fazendo mais shows. Aos poucos, ele vê em Ona uma grande amiga, e então este pai, que sempre foi distante e ausente da vida do seu filho, irá saber como ele era, através dos olhos de uma estranha centenária, que decidiu querer entrar no livro dos recordes.

Já no início podemos ver o humor inegável de Ona, que sem papas na língua é super sincera e não deixa ninguém fazer pouco caso com ela. Ona não é do tipo idosa reclamona, apesar dos seus visíveis e inegáveis problemas de saúde.
Este livro é um retrato muito claro de que envelhecer é um privilégio de poucos. Mas que envelhecer também pode vir a ser algo cruel.

Durante a leitura deste livro, me flagrei em vários momentos pensando em como seria conviver com este garoto peculiar, pois sim, ao ler este livro você percebe que ele é diferente. Um fato engraçado é que nós não sabemos o nome desse menino, pois ele morre logo no início do livro (e isso não é spoiler, pois está na contra capa), e durante a narrativa a autora se refere a ele apenas como "menino". Outra coisa maravilhosa de se ler foram os capítulos onde o menino entrevistava Ona, pois ela não foi uma mulher dentro dos padrões para a sua época. Além disso, podemos perceber que ela deve ter sido uma jovem temperamental, mas que agora, com idade avançada, era uma pessoa muito agradável e bem humorada. Os capítulos onde conhecemos a história de Quinn - pai do menino, são capítulos um pouco mais lentos, porém necessários para se entender todo o contexto. Sem falar que expõe algumas coisas que podem pegar em certas feridas - pelo menos pegou em algumas das minhas. Por todos esses motivos, este foi um dos livros mais lindos que li este ano.

No conto Uma em um milhão (que tem aproximadamente 13 páginas) temos o episódio em que Ona não passa no exame de renovação de carteira de motorista, e onde temos um vislumbre da pessoa que nos espera no livro Um menino em um milhão. Dei muita risada com o conto, pois imaginar essa cena na vida real seria definitivamente hilário.

Abraços

PS: A autora Mônica Wood adora observar pássaros, exatamente como nossa querida centenária Ona. Pois é, eu não falei sobre os pássaros na resenha ne? É porque eu quero que você leia o livro e descubra e se encante com a coisas sem saber de muitos detalhes.


Quotes:
“Ginger, uma vira-lata de pelagem ruiva, hvia sido a primeira a morrer. Kit morrera algum tempo depois, e Ona nem cogitara colocar outra em seu lugar: não queria deixar nenhum bicho abandonado no mundo depois que partisse. Isso havia sido na época em que ainda tinha cabelo que crescia. Poderia ter tido mais uma gata e meia desde então.”

“Dievas Dave dantis, Dievas duos duonos. Deus nos deu dentes. Deus nos dará o pão.”

“As plantas devem facilitar a partida, não acha? Imagina só, um canteiro todinho de cenouras dizendo: 'Não tenha medo! Aqui embaixo é ótimo.'”








Título: Um menino em um milhão (exemplar cedido pela editora)
Autor: Monica Wood
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Ano: 2017

21 Revelaram sentimentos:

  1. Awnt... Esse livro parece ser um amor.
    Adorei a premissa e sua resenha, que por sinal está maravilhosa, me deixou com água na boca.
    Parabéns pelo post!
    ateoriadaslaranjas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. A história já parece um tanto triste só de saber que o menino morre. Só que tem muita coisa legal pelo visto.
    Gostei do jeito que se refere ao menino e como ele parece especial, diferente. Do pai que não fez o melhor papel de pai que podia e todas essas coisas que a história parece explorar. Triste ver que o pai dele acaba conhecendo o filho através de uma estranha. Mas é até bonito porque a gente percebe como o garoto era especial por isso. Acho né.
    A trama tem um jeito sensível, que encanta, que emociona e bons personagens.
    Eu gostei e queria ler.

    ResponderExcluir
  3. Que história mais encantadora *-*
    Não entendi muito bem por que o pai do menino foi concluir a tarefa da escola depois que ele morreu.
    A Ona parece ser um ótima senhorita *-*
    Não sabia que Uma em Um Milhão era um conto e agora estou curiosa!
    Obrigada pela indicação ^^
    Abc

    ResponderExcluir
  4. Silvana!
    rimeiro achei fantástico o contraste entre as personagens de Ona e o menino. Difícil ver hoje em dia crianças que se interessam por ouvir ao menos, as histórias das pessoas mais velhas.
    Gostei de ver também que Ona vai tentar renovar a carteira, deve ser uma situação até hilária.
    Desejo uma semana de luz e paz!
    “Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes.” (Paulo Freire)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá Silvana!!!
    Esse livro tem me intrigado desde de que vi sua capa e o pequeno conto, mas não sabia muito bem o que pensar e mesmo agora ainda fico na dúvida.
    A história é intrigante e desperta na gente simpatia e ao mesmo tempo vários sentimentos que fico imaginando: "O que eu sentiria ao lê-lo??"
    Amei as fotos estão tão lindas que você fica com vontade de tê-lo apenas pra está entre seus livros e amei a resenha ^^

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Desde que li a primeira resenha a respeito deste livro fiquei super curiosa por esta estória, já que o personagem morre já nas primeiras páginas, e o que era para ser um drama, acaba se tornando algo divertido, pois vamos conhecendo, e acompanhando toda uma trajetória da vida do personagem antes do falecimento, e em como seu pai lida com esta situação. Acredito que esta seja uma leitura gostosa, e envolvente.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que livro precioso! Já tenho uma simpatia enorme por Ona, ela parece ser uma senhorita (como ela gosta de ser chamada, né? hahaha) muiiitíssimo querida, divertida e especial. Fiquei curiosa, ela não tem netos ou filhos? Se tem ou não, de qualquer forma a relação dela com o menino com certeza é como se ambos fizessem parte de uma família. Uma coisa que fico me perguntando é que se ela não sabia o nome do menino e só o chamava de "menino", depois de conhecer o pai ela descobre o nome dele? Só curiosidade mesmo ahahaha
    A carga emocional desse livro deve ser muito grande, devido todo o contexto e além disso o pai que era muito ausente e que só após a morte do menino conhece Ona e através dela, também o filho. Com certeza, um livro cheio de lições de vida!
    Ótimas leituras pra você!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Joice,
      Não, durante o livro todo o menino é somente o menino. Em nenhum momento eles falam o nome dele, acho que é pra gente se apegar menos a ele, ja que todo o livro gira em torno dele e de Ona.
      Beijos

      Excluir
  8. Simplesmente muito bonito este livre, e a diagramação bem caprichada, a história parece ser muito boa, e nos faz refletir, e fiquei muito ansiosa para ler este livro após ler que você denominou ele com um dos livros mais lindos lidos por você este ano, muito bonitas suas fotos e estou muito ansiosa para ler este livro.

    ResponderExcluir
  9. Parece ser una historia muito linda apesar de triste também e com grandes ensinamentos. Gostei da senhorita um exemplo de vida. Uma pena o pai não ter se interessado pela vida do filho antes dele ter ido.

    ResponderExcluir
  10. Oi! Eu adorei essa resenha! O livro deve ser muito gostosinho de ler. Com certeza vou adorar a Ona! To super curiosa pra saber o que ela conta para o menino sobre sua vida! Também quero muito saber o que Ona vai contar ao pai como o menino era (acredito que vou chorar nessa parte, já que ele morreu). Enfim, o livro deve ser muito bom. Pretendo ler, e adorei as tuas fotos!! Beijoss

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Já tinha ouvido falarem deste livro mas esta é a primeira resenha que leio sobre ele. Confesso que fiquei curiosa, apesar de não ser uma leitura que costumo fazer, esse tem algo que me chama, ainda não sei o que é, espero descobrir com a leitura.
    Gostei muito da resenha *-*
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Olá, Silvana!

    Como falei no Instagram do blog, esse livro é uma verdadeira lição de vida!
    Ver uma senhora como a Omã, que graças ao garoto, consegue voltar a ter força de vontade para ir atrás de seus sonhos.
    E Quinn, que começa a enxergar e amar esse seu filho tarde demais para possa ser retribuido, encontra em Ona uma amiga e uma lição para toda a vida: A de que o amor vale mais do que qualquer tipo de sucesso.
    Vale a pena ser lido para ser emocionar e refletir sobre o amor e a vida.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  13. Olá Silvana ;)
    Conhecia o livro de vista e depois de ver umas resenhas positivas me interessei demais em ler!
    Adorei a premissa e acho que vou gostar dos personagens, principalmente da Ona, que parece ser engraçada demais!
    Já estou ansiosa pra ler *-* obrigada pela indicação.
    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Oi Silvana, tudo bem?
    Esse livro deve ser mesmo a coisa mais linda do mundo. Já li esta premissa em outros lugares e fiquei morrendo de vontade de conhecer esta estória. A edição está maravilhosa *--*
    Uma dúvida, ele é em capa dura?
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Eu já tinha visto esse título por ai mas imaginei uma história completamente diferente. O livro apesar de ter pontos muito tristes parece ser uma lição de vida, fiquei bem curiosa para conhecer melhor.

    ResponderExcluir
  16. OI Silvana.
    Que história mais linda, eu estou encantada com essa premissa, é uma pena que seu pai não soube aproveitar os momentos que tinha com ele, mas acontece é aquela coisa de só dar valor quando perde né, mas enfim eu gostei e não vejo a hora de ler.
    P.S adorei essas fotos.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  17. Que livro mais incrível, amei a resenha serio mesmo, preciso deste livro, já está na minha lista de leitura. Amo livros com lições de vida e que falam sobre o valor da família. Já quero o livro.

    Visitem meu blog!
    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  18. Oi, Silvana
    Esse livro parece proporcionar uma leitura e tanto. Gosto de personagens que são senhoras, desculpe, senhoritas haha Acho que ia gostar muito de conhecer ela. Adorei a premissa e saber que você gostou tanto. Com certeza dica anotada.

    PS: Também adoro observar aves, fiquei curiosa.

    ResponderExcluir
  19. Oi Silvana,
    Estou bem curiosa pra ler esse livro e o conto, me encantei com a sinopse, tem tudo para ser uma emocionante história que conquista pela simplicidade e pelas lições de perda e luto.
    Já gostei da senhorita Ona, a personalidade dessa centenária me fez lembrar da minha nona (já falecida), que era super sincera e sem papas na língua também, era impossível não gargalhar com o seu jeitinho e suas histórias nada convencionais para a sua época.
    Espero me surpreender com esse livro e me encantar com as lições e reflexão que a história traz.
    Beijos
    P.S.: Amos as fotos da equipe do blog!

    ResponderExcluir
  20. Oi Silvana,
    fiquei curiosa sobre esse livro, fiquei encantada com a sua resenha,com a sinopse desse livro, eu preciso dizer que me simpatizei com a senhorita Ona, quero comprar esse livro para conhecer mais sobre ela.
    Pelo que eu entendi esse livro é uma lição de vida para nós leitores e posso dizer que para o pai do menino também.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.