Resenha: Não me abandone jamais


Olá,

Recentemente tive o prazer de receber da Companhia das letras um exemplar do autor vencedor do prêmio Nobel, Kazuo Ishiguro. Há tempos estava interessada em ler O gigante enterrado, então, quando recebemos o Não me abandone jamais, decidi que era um bom livro para começar a conhecer a escrita do autor.

Na história, temos Kath, Ruth e Tommy. Se você não ler a sinopse antes de começar a ler, não vai entender muito bem o que está acontecendo com eles, nem onde exatamente eles estão. Mas, caso você leia, saberá que nossos três personagens são clones. São pessoas clonadas e criadas com a finalidade de doação de órgãos para que os humanos doentes e convalescentes possam viver mais. Esses clones são chamados de doadores. Nossa narradora é Kath, e logo de início descobrimos que ela atualmente é cuidadora de outros doadores. Você não sabe o que a levou a ser cuidadora, não sabe o que aconteceu com seus amigos, mas descobre tudo quando ela conta sua história através de suas memórias.


As lembranças começam cedo, na escola Hailsham. Kath conta como foi que virou amiga de Ruth, a garota mais mandona do colégio. Fala também sobre Tommy, um garoto genioso que sempre foi hostilizado pelos outros alunos pelo fato de ter chiliques inexplicáveis. Você também logo percebe que essas são crianças sem pais, são crianças emocionalmente carentes, que secretamente lutam para ter a atenção do seu guardião (professor), para se sentirem especiais. Sobre esse assunto, elas crescem ouvindo que são especiais, que tem um propósito honroso a cumprir quando chegarem à vida adulta, porém, o assunto nunca é deixado totalmente às claras.

As crianças têm uma rotina bem organizada na escola: praticam esportes, tem aulas de arte onde são fortemente estimuladas a serem criativas, possuem aulas de sexo, de geografia e história. Mas elas também são muito vigiadas; as portas, por exemplo, são fechadas somente na hora de dormir. Quando querem fofocar, falar de algum tema mais “proibido”, elas precisam ir a um local mais escondido, do contrário, a escola inteira se reúne ao redor para ouvir o que está sendo conversado, descaradamente.


De tempos em tempos, é organizado um bazar. Esse bazar é motivo de grande euforia para os alunos, pois é onde eles tem a chance de trocar suas artes (poesias, pinturas), por outros objetos: fitas cassete, estojos de lápis, objetos que eventualmente tenham algum valor emocional para o aluno. Esses objetos, ao longo dos anos, formam a coleção pessoal de cada aluno, e essa coleção é de grande estima para cada um. Kath pessoalmente, tem uma fita com uma capa um tanto quanto proibida, pois mostra uma mulher fumando (coisa que é altamente proibida na escola). Aliás, qualquer tipo de droga ou vício é totalmente proibido, pois os futuros doadores precisam ser saudáveis. Mas eu estava falando da fita da Kath: essa fita não possui um repertório muito interessante, mas existe uma faixa específica, muito ouvida por nossa protagonista. O nome da música que ela ouve sem parar é Não me abandone jamais, e existe toda uma cena que acontece em cima dessa faixa musical.

Como mencionei acima, as crianças são altamente estimuladas a serem criativas, e suas criações são apresentadas para a Madame. Essa mulher misteriosa recolhe as melhores criações e as leva embora. Os alunos não sabem para qual finalidade as criações são recolhidas, mas começam a dizer que elas são levadas para a Galeria de Madame. Tommy tem seus chiliques constantes por não ser criativo: ele simplesmente não consegue criar nada bom ou interessante para ir para o Bazar, ou para a Galeria.

Então, algum tempo passa, e você descobre que eles cresceram e não estão mais em Hailsham. Foram separados em grupos e levados para o Casario. Nossos três protagonistas foram enviados juntos para essa casa, onde acabam passando por algumas privações. Lá eles conhecem outros como eles, vindos de outras escolas como Hailsham, porém, não exatamente como Hailsham. Conforme nos é narrado a convivência dessas pessoas dentro daquela casa, você percebe que nossos três amigos tiveram privilégios que os alunos de outras escolas não tiveram, e por esse motivo são vistos como diferentes, são vistos como muito especiais.

Paramos por aqui, tem muito pano pra manga ainda nessa história e vou me limitar a falar somente isso. A narrativa é feita pela Kath de uma forma totalmente normal, esperançosa até, como se ela não soubesse que dentro de alguns anos ela irá doar seus órgãos vitais e morrer, para que outra pessoa possa viver, e acho que é isso que faz esse livro ter uma atmosfera tão triste. Você sente que a situação toda é muito injusta, pois, afinal, são seres humanos sendo criados para morrerem precocemente e de formas não naturais. Por outro lado, nos faz pensar na seguinte situação: se essa solução nos fosse apresentada nos dias atuais? Se existisse a possibilidade de termos um clone nosso em algum lugar, onde os órgãos dele estariam disponíveis para utilizarmos quando necessário? Nós iríamos nos importar com esse clone? Nós iríamos pensar no fato de que aquele também é um ser humano (apesar de criado de forma não natural), com sentimentos e emoções?

Se isso de fato fosse colocado em prática, seria a solução para as doenças como o câncer, para aqueles órgãos perdidos em acidentes, mas a que custo? Conseguiríamos dormir, sabendo que alguém morreu para podermos viver?

A narrativa é mais lenta, a escrita é bem elaborada e nós não temos ação alguma no livro. Se você está pensando que teremos a revolta dos clones contra o programa do governo, você está enganado. Porém, é um livro maravilhoso mesmo assim, e entrou para a minha lista dos favoritos de 2017 com certeza. Cinco estrelas bem merecidas.

Abraços.




Título: Não me abandone jamais (exemplar cedido pela editora)
Autor: Kazuo Ishiguro
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 344
Ano: 2016

15 Revelaram sentimentos:

  1. Oi, Silvana. Quando li sua resenha comecei a perceber que já tinha visto um filme assim, e percebi que é do mesmo título haha eu não curti o filme justamente porque ele tem uma vibe melancólica, do fato de você ver pessoas que nasceram apenas para morrer ajudando outras. Eu chorei horrores no final, isso porque fiquei com aquela dó imensa dos personagens, perguntando-me o quanto o mundo era injusto com eles. Foi um filme lindo, que me fez refletir muito mas que provavelmente não veria outra vez.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiee, eu ainda nao vi o filme por saber que vou chorar, to adiando isso porque agora to com o emocional abalado. Mas mais para frente eu vou ver com certeza!! Beijoo

      Excluir
  2. Silvana, não é meu gênero preferido de leitura. Mas sabe que pela sua resenha, fiquei bem curiosa com esse livro? Agora quero!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dê uma chance, quem sabe você gosta? Abraço

      Excluir
  3. Achei muito interessante, mas eu sou daquelas que adora uma revolta, uma justiça, quero ver o "mocinho" brigando e vencendo. Gostei do tema, mas por ser algo mais lento não sei se iria gostar do livro. Amei sua resenha. bEIJOS
    Charme-se

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Simone,
      Entao talvez você nao goste, porque o mocinho nao vence :(
      Obrigadaa
      Abraço

      Excluir
  4. Oi, Sil!
    Eu não fazia muita ideia sobre o livro, mas acabei gostando do que você apresentou. Só essa narração lenta que me deixa com um pé atrás... tem vezes que me atrapalha e me dá vontade de abandonar o livro.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar de lenta, achei bem interessante. Talvez você goste, um abraço

      Excluir
  5. Gostei muito da resenha, não conhecia o livro mas ele me pareceu bem reflexivo. Achei genial toda a ideia dele e parece ser algo bem melancólico, costumo gostar de livros com mais ação mas acho que esse merece uma chance.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maíra,
      Esse livro é incrível, estou torcendo pra você gostar. Abraços

      Excluir
  6. Ainda não conhecia o livro, mas só a resenha já me deixou com muita vontade de ler! Uma pena não ter ação, eu já tava esperando uma reviravolta hahah mas mesmo assim parece ser uma leitura muito interessante!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabriela, tem reviravolta nao hehe mas é um livro bom mesmo assim :) abraços

      Excluir
  7. Oi, não conhecia sobre o livro, mais gostei muito de sua resenha e da forma que você abordou. Abraços!

    www.historiasdaiza.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Silvana!
    Gosto dos livros no estilo, onde podemos repensar uma sociedade tão cruel como a nossa, mas ainda assim, saber que algumas pessoas, mesmo que de forma ficcional, conseguem superar seus problemas e s tornam adultos equilibrados e produtivos.
    Não li nada do autor ainda, mas preciso.
    Bom domingo!
    “A melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.