Resenha: Desintegrados



Olá pessoal, tudo bem com vocês?

A Trilogia Fragmentados retrata um universo distópico onde, para evitar a guerra entre os pró-vida e os pró-aborto, a sociedade permite que os pais fragmentem seus filhos dos treze anos até os dezessete, basicamente se o filho é desajustado, rebelde, sem talento ou simplesmente indesejado pelos pais por qualquer motivo estes podem enviá-los para o processo de fragmentação onde são divididos e tem suas partes vendidas para quem puder pagar mais. Assim, eles acreditam que os jovens fragmentados continuam vivos no estado dividido contribuindo para “salvar” a vida de alguém e deixam de representar um risco para a sociedade. Em Fragmentados Connor, Risa e Lev são jovens que conseguem escapar da fragmentação, as ações do trio durante a fuga acabam transformando os garotos em símbolos da resistência anti-divisional, o que inicia protestos e debates contra a fragmentação e seus ideais se fortalecem como um incêndio que não pode mais ser controlado. Vocês podem ler a resenha do primeiro livro AQUI.


Em Desintegrados vemos Connor assumir a liderança do Cemitério e garantir o alimento e a sobrevivência dos setecentos jovens se torna o objetivo de vida dele até que estes conquistem o direito a viver integralmente. Como líder, o desertor de Akron toma uma decisão que acaba irritando uma classe dos desertores – aqueles abandonados pelos pais e entregues pela cegonha – e, com um sussurro aqui e outro ali, um inimigo se fortalece entre os descontentes e, sem o conhecimento de Connor, entra na briga pela liderança do refúgio através de manipulações sutis.
“A raiva só é uma boa arma quando sabemos qual é seu calibre e para onde aponta-la.”
Quando a Cidadãos Proativos, uma poderosa patrocinadora do sistema de fragmentação, dá vida a Cammus, um ser humano perfeitamente composto das melhores partes de diferentes fragmentários e investe em publicidade massiva tentando a todo custo influenciar as pessoas a favor da fragmentação, os desertores percebem que precisam tomar uma atitude antes que a autoridade juvenil decida capturá-los e nesse momento os descontentes "da cegonha" podem representar um risco enorme a sobrevivência de todos.


Longe do Cemitério, Lev e Risa tem seus próprios desafios a cumprir. Enquanto o garoto serve de inspiração a jovens dízimos resgatados por uma organização secreta, Risa se torna uma peça importante no plano da Cidadãos Proativos e conhece alguém que pode fazer a garota refletir suas crenças quanto a fragmentação.

Em Desintegrados a popularidade do trio se torna maior do que se podia imaginar, e como símbolos da resistência eles ganham poder e responsabilidades que pesam nos ombros e faz com que precisem sacrificar partes de si mesmos. Connor, Lev e Risa enfrentaram batalhas difíceis onde nos mostraram mais uma vez o porquê de sempre atraírem a confiança dos íntegros por onde quer que passem e frente aos desafios nenhum deles decepciona e demonstram uma maturidade maior do que a esperada pela idade deles.
“Uma sociedade doente fica tão acostumada à doença que não consegue lembrar como era ser saudável?”
Por mais absurdo que essa trama seja, nossa geração é tão egoísta e fechada a pluralidade que nos possibilita conceber a humanidade seguindo por um caminho parecido ao retratado pelo autor e também nos faz refletir sobre assuntos polêmicos como doação de órgãos, aborto, a criação da vida e tantos outros assuntos carentes de um debate aberto e receptivo.
“Cego demais para ver, surdo demais para ouvir.”
A capa e diagramação condizem com o que é retratado no livro e não tenho reclamações quanto à tradução. A história segue sendo contada por diferentes narradores e nesse livro o autor pecou na quantidade a ponto de tornar longa demais à espera por algumas explicações, mas isso não conseguiu abalar a qualidade da narrativa do autor que é excelente. Desde Fragmentados eu já sabia que essa seria uma das minhas distopias favoritas e Desintegrados veio apenas para confirmar isso. Depois de um final cheio de mistério e reviravoltas, sigo ansiosa pelo terceiro livro ainda sem data de publicação definida. Editora Novo Conceito, eu te imploro, libera aí! <3

Recomendo essa leitura de olhos fechados e sem medo algum de decepcionar.

Abraços!



Título: Desintegrados (exemplar cedido pela editora)
Autora: Neal Shustermann
Editora: Novo Conceito
Páginas: 416
Ano: 2017

14 Revelaram sentimentos:

  1. Oi, Jéssica!!
    Adoro livros com estórias distópicas, e essa trilogia e uma das minha metas de livros para ler em 2018!! Acho interessante a premissa do livro onde a sociedade permite que os pais fragmentem seus filhos, a estória chamou minha atenção a partir dai!! Espero ansiosa para fazer essa leitura!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marta! É sim muito interessante e surpreendente esse universo criado pelo autor. Tão chocante e ao mesmo tempo tão cheio de lições a serem aprendidas.

      Boa leitura pra você, abraços!

      Excluir
  2. Oi Jessica, tudo bem? Eu que nem curto distopias amei os dois livros e estou muito curiosa para saber o final dessa história que eu espero que seja um bom final feliz, o trio merece! rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi, e como merecem né haha <3
      Tenho medo do que pode sair da cabeça do Neal, confesso! Mas só lendo pra saber não é mesmo? Torcendo para que a editora publique no início do ano.

      Até mais.

      Excluir
  3. Olá, Jessica!

    Espero que a Novo Conceito seja rápida e realmente lance logo a continuação de Desintegrados. Sabemos que não está sendo fácil para a Novo Conceito esses últimos anos, com perdas de nomes importantes no catálogo como o do Nicholas Sparks e Lucinda Riley e não lançando tantos livros como antes, mas depois que ouvi esses dias que fãs da série de livros A Roda do Tempo ficaram diminuindo a nota da Intrínseca (que publica a série no Brasil) no Facebook para ver se lançam rápido os livros da série, eu penso que se há muitos fãs para Fragmentados, a mesma coisa poderia acontecer! Ok, só espero que seja só com a parte de encher a editora de mensagens sobre a série, mas nada de abaixar as notas no Facebook! Quem sabe dá certo de novo (já que no caso da Intrínseca, anunciaram o novo livro para abril do ano que vem)?
    Sobre a serie em sim, o questionamento maior que ela levanta é a obrigação que ainda existe de se encaixar em algum padrão da sociedade, como se quem não se encaixadas fosse descartado do mesmo modo que os jovens nessa série. Vejam que os pais no livro julgam se querem ou não o filho, na maioria dos casos, só pelo fato de encaixar ou não nas suas expectativas, sendo extremamente egoístas e voltados para os seus ideais. A única exceção são os dizimistas, mas mesmo assim não se justifica tirar uma vida para salvar vidas, só mesmo após a morte e de acordo com a vontade do doador, como é regulamentado na doação de órgãos.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Leti, você está por dentro dos babados heim... Acho que por enquanto não temos razão para pressionar a editora pelo terceiro livro, afinal, o segundo saiu ha pouco tempo. Os questionamentos morais que essa serie levanta são realmente muito interessantes, é uma leitura que gostaria que pelo menos meus amigos todos lessem.

      Até mais!

      Excluir
  4. Jéssica!
    Acredito que esse aquele tal exemplar que serve apenas de ligação entre o primeiro e o último, onde as expectativas baixam e não esperamos muito do próximo, mas ainda assim quero ler, porque tenho esperança que o terceiro livro seja como o primeiro: perfeito! Se não fosse pelo fato da fragmentação.
    Que dezembro seja repleto de realizações e o final de semana cheio de luz e paz!
    “Dentre os mais dignos predicados de um homem está o de saber dizer a verdade.” (Renato Kehl)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy, pois vai se surpreender. Esse livro não teve tanta emoção quanto o primeiro mas foi sim muito bom e aconteceu muita coisa que me deixou de cabelo em pé hahaha.

      Sempre bom ver você por aqui, abraços!

      Excluir
  5. Tenho muita vontade de ler a trilogia, mas se tratando de Novo Conceito não tenho paciência para esperar os lançamentos. Eles me mandaram o segundo livro e ainda nem li o primeiro rs..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Clacy, bom te ver por aqui meu bem!

      Então, super te entendo, esperar por uma serie ser completada é uma tortura. Quando sair o terceiro e você ler verá que a espera é sofrida mesmo mas que vale a pena. História topissima!

      Abraços!

      Excluir
  6. Eu li a resenha do primeiro livro e lembro que a história não me interessou. E a resenha desse segundo me lembrou Jogos Vorazes (não me pergunte a razão), tive a impressão desse livro ter mais ação que o anterior mas ainda assim não é uma história que vou ler.

    ResponderExcluir
  7. Tenho curiosidade em ler esse livros, fiquei indignada com essa historia de fragmentação, até propaganda estão fazendo é impressionante do que as pessoas são capazes para atingir seus objetivos e me leva a questionar sobre a nossa realidade que fazem tantas coisas não duvido tentarem isso um dia rs.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.