Resenha: Um legado de espiões


Um legado de espiões e um legado de páginas chatas.

John Le Carré não é lá um escritor muito cativante. Ou o seu público é bem seleto.
Em Um legado de espiões conhecemos Peter Guillam, espião da MI6, aposentado. Desfrutando da paz e do sossego de sua aposentadoria na França, Peter recebe uma carta inesperadamente, convocando-o o mais depressa possível para a Inglaterra. O motivo de tal urgência é que parentes de vítimas da Guerra Fria, época em que ele esteve em campo junto de seu mestre George Smiley, estão a ponto de mover um processo civil contra o governo britânico a fim de receberem uma polpuda indenização. Velho e longe de lembrar de todos acontecimentos, Peter é rememorado de suas antigas atividades através de documentos antigos extremamente valiosos e confidenciais, confiscados pelos advogados do governo britânico.

E é aí que mora o perigo.
O livro é um eterno e constante fluxo de pensamento entre a atualidade e os anos da Guerra Fria. E claramente você não consegue definir quem é o bonzinho e quem é o mau da história. A advocacia britânica quer informações que possam auxiliar na defesa dos réus contra as acusações de crime de guerra. Porém, a história é narrada em primeira pessoa por Peter Guillam, que possivelmente é esse criminoso, mas faz parecer que os advogados é que são os chatinhos da história.
Em quem você vai confiar?


Então, ao invés de fazer um romance mais inteiriço, John Le Carré busca orientar o leitor a acompanhar Peter pela Guerra Fria através daqueles documentos aos quais já houve menção. Dessa forma, a leitura fica extremamente cansativa e enjoativa, uma vez que a linguagem do autor é muito complexa e, cáspita!, estamos falando de um livro sobre espionagem, então ele é cheio de abreviações, personagens que têm de dois a três codinomes, que uma hora é chamado de um, outra hora é chamado de outro, e vira um balaio de gato que você não entende bulhufas nenhumas.
Mas você vai levando.

Em determinada parte do livro você vai se dar conta de uma coisa: a informação essencial que os advogados procuram é se Peter Guillam “fodeu ou não fodeu com a informante?”. É sério! Eles querem porque querem saber se houve troca de saliva ali entre o espião e a informante. Isso porque é extremamente proibido, mas aí você se pergunta: e se? Que diferença isso faria no processo? Então, meu, para de chatice e vamos ao que interessa. Só que o que interessa está bem longe, lá pela página 150, que é quando você começa a entender alguma coisa, se localiza no tempo e espaço e o autor para de inventar documentos. Nesse ponto, nós já temos as informações das quais precisamos para definir quem é o lado bom e quem é o lado mau. E você vai se surpreender quando descobrir.


A história em si é boa. O livro tinha tudo para ser um romance cinco estrelas, mas Le Carré dá uma forçada e fica complicado. Os documentos inseridos dentro da narrativa são, na sua grande maioria, desnecessários, irrelevantes, o que prejudica o desenvolvimento da leitura. Uma das personagens tem um vício de linguagem extremamente irritante que quando ela começa a falar dá vontade de jogar o livro no ventilador de teto e o final também é meio de torcer o nariz, deixa bem a desejar. A literatura de Le Carré é forte, pesada, linguagem difícil e bem elaborada, por isso que eu disse que sua obra é destinada para um público mais seleto.

Uma vez eu li, e desde então sempre disse para meus alunos, que você deve saber exatamente o que está falando numa resenha, pois você pode condenar um livro a passar o resto da existência pegando pó na prateleira. Portanto, vos digo aqui: dou três estrelas e meia pelo motivo de não ter me sido uma leitura prazerosa. Porém, isso não quer dizer que o autor seja ruim ou que você, caro leitor, não possa gostar da literatura e do formato desse livro. Ok?


 

Título: Um legado de espiões (exemplar cedido pela editora)
Autor: John Le Carré
Editora: Record
Páginas: 252
Ano: 2017

7 Revelaram sentimentos:

  1. É, não sei se iria gostar muito desse livro. Achei interessante pelo gênero e por essa coisa da Guerra Fria na história, coisa de informantes, de não saber em quem confiar e todos esses negócios. O clima da história me chamou atenção. Mas não sei se seria fácil de ler, se iria envolver. Gostei mas nem tanto assim pra ler =/

    ResponderExcluir
  2. Olá, sua resenha está excelente, bem clara! Não gosto muito desse tema, mas vou anotar aqui para comprar para dar de presente para um amigo que gosta haha.
    Beijos ❤

    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcos, eu ri com a questão de troca de saliva, hehehehehe não acho que iria gostar do livro, tenho mega dificuldades com narrativas com fluxo de pensamentos.... melhor evitar esse rsrsrs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Marcos!
    Terei de discordar de você. Sou bem fã do Le Carré, acho as histórias dele bem construídas e baseadas realmente nos espiões durante o período da Guerra Fria. Na verdade, acho os livros dele uma verdadeira aula de história e por vezes pode até parecer mesmo um tano enfadonho, porque é como uma aula que 'assistimos' dentro da cabeça do protagonista, mas é de uma inteligência incontestável.
    Desejo uma ótima semana, cheia de luz e paz!
    “Que o novo ano que se inicia seja repleto de felicidades e conquistas. Feliz ano novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. Parece ser uma historia confusa e complicada rs. gostei dessa parte de não sabermos quem é o mocinho e quem não é, deixa a trama intrigante, mas de resto parece ser uma leitura bem cansativa não fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Marcos!!
    Para falar a verdade nunca li nada de John Le Carré, e também achei a história bem confusa. Então no momento não leria esse livro não.
    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Eu confesso que nunca tive contato com um livro que fosse essencialmente de espionagem, mas imagino que quanto menos personagens eles tiverem, mais fácil seria do leitor acompanhar a história, o que é um ponto fundamental pra qualquer livro. Até acho interessante essa proposta de flashbacks pra unir alguns fatos da história, mas eles são válidos apenas se influenciam de forma direta no decorrer do enredo. Com relação à linguagem rebuscada, eu não confesso que, apesar de estudar Literatura há algum tempo, ainda me falta paciência pra esse tipo de leitura. Na minha opinião, a literatura foi feita pra entreter e ensinar algo ao leitor, e não para deixá-lo confuso ou irritado por não conseguir compreender o livro em sua totalidade.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.