11 julho 2018

Resenha: O Colecionador de Memórias


E lá vamos nós para mais uma resenha! Dessa vez estamos na companhia de O Colecionador de Memórias que foi um livro que me deu bastante trabalho até o fim da leitura.

Para entrar no clima do livro, vamos lá: pense na pessoa que você mais ama. Até que ponto você a conhece?

Sabrina Boggs é uma mulher que, aparentemente, tem uma vida estável e segura. Entretanto, encara sua existência no automático. Mãe de três garotos e salva-vidas em uma casa de repouso, nossa protagonista não tem real conhecimento de si mesma, até que, por alguns conflitos, é, atipicamente, dispensada do serviço por um dia. Sendo obrigada a lidar com a saída da rotina, eis que Sabrina recebe uma ligação telefônica da clínica em que seu pai está internado (desde que teve um ataque cardíaco) informando que alguns pertences chegaram e estão constando o nome do pai da nossa protagonista. A questão é que ao descobrir o que havia nas caixas destinadas à Fergus, mais precisamente uma coleção de bolinhas de gude, a protagonista percebe que há muito mais sobre ele, mas principalmente, sobre si mesma que precisa conhecer. 


Devo admitir que eu não consegui me conectar totalmente com a escrita da Cecelia e até parei e deixei o livro de lado por duas vezes, para enfim retornar e terminar. De fato, isso aconteceu porque algumas partes eram, apesar de necessárias, massantes demais. 

De todo modo, as passagens ambientadas no passados, narrando a vida de Fergus, conseguiram reanimar um pouco mais a leitura.

Se vocês me perguntarem se a minha experiência com o livro teve um ápice, eu devo responder que não. Realmente, o livro permaneceu linear do início ao fim e isso colaborou para deixar a leitura ainda mais arrastada – e, pasmem, a história se passa em apenas 24 horas.


Mas não posso deixar de falar que a leitura foi muito reflexiva. Eu andei pesquisando e vi que isso é uma característica bem legal nas obras da autora, afinal, ela sempre busca envolver o psicológico do leitor em suas tramas. Aqui nós somos levados ao autoconhecimento junto com a protagonista. Cecelia foca muito na importância de valorizar a vida, explicita também a relevância da memória e da construção de lembranças memoráveis, bem como em viver um dia, intensamente, de cada vez. Sobretudo, a autora trabalhou na questão do reconhecimento, perdão e do amor.

Foi a minha primeira experiência com os livros da autora e eu não digo que foi positiva, mas ainda não desisti da escrita da Cecelia

Sobre a edição: A capa é simples, mas bonita. Além disso, traduz o sentido do livro. A diagramação é básica e a fonte é confortável para a leitura. As folhas são amareladas.



Título: O colecionador de memórias (exemplar cedido pela editora)
Autora: Cecelia Ahern
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272
Ano: 2018

13 comentários

  1. Oi Mari.
    Já li dois livros da autora, P.S Eu te amo e Presente o primeiro eu gostei bastante já o segundo também não tive uma experiência muito boa. Acredito que está no mesmo nível desse...
    Beijos

    Divagando Palavras
    www.divagandopalavras.com

    ResponderExcluir
  2. Ta essa autora da tiro para todos os lados quando o assunto é colocar os leitores para chorar.

    http://dosedeestrela.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu estou doida para ler esse livro! Até hoje só li um da autora e curti, embora tenha achado a escrita meio arrastada, rs. Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  4. Oi Mariana!
    Caramba, eu cheguei a vê algumas resenhas dos livros dessa autora, e eu acho que o unico que se salva mais é Simplesmente Acontece. E o unico que eu li e que gostei. Mas também tem seus momentos de arrastado. Eu acho a Cecelia muito enrrolona. Tem umas partes que ela alonga mais do que deveria. Mas é uma pena que o livro tenha sido tão raso :(

    Abraços
    David

    ResponderExcluir
  5. Me encantei pela capa desse livro, pelo contexto era para essa história ser incrível. Uma pena a autora ter deixado o livro vago!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Mariana.
    Eu já gostei muito do livro. Tenho uma relação de amor e ódio com a autora, mas esse eu gostei e me emocionei muito no final. Amei as partes do Fergus, principalmente de quando ele era criança.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Tenho uma amiga que é fã da autora compra todos os livros dela, não imaginava que esse livro se passava em 24 horas! (Isso me deixou curiosa)
    Bjs
    https://eternamente-princesa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oie Mariana =)

    Eu tenho uma relação de amor e ódio com a Cecelia rs... Tem livros dela que li e amo, já outros infelizmente não curti tanto assim.

    Tenho curiosidade de ler esse livro da autora, pois parece que ela traz um proposta diferente do habitual dela. Quem sabe mais para frente eu dê uma chance ^^

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  9. Mariana!
    Ansiosa por saber do que se tratava, já que li vários livros da autora e gosto muito, inclusive a forma como escreve, de fácil entendimento, porém sempre trazendo algo inovador.
    Mesmo o final não sendo estarrecedor, sempre traz boas mensagens.
    Uma pena que esperava algo mais sentimental.
    A consciência é o melhor livro de moral e o que menos se consulta.” (Blaise Pascal)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JULHO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  10. Olá, Mari

    Eu li apenas um livro da autora e a experiência não foi muito boa. Por isso a vontade de ler outra coisa dela ainda não pintou, e confesso que esse enredo não me chama a atenção.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  11. Eu já me interessei por esse livro só de ver essa capa que, na minha opinião é muito linda. Depois de ler sua resenha fiquei com mais vontade ainda. Gosto muito de livros que mesclam passado e presente e que se passam em um espaço bem curto de tempo. Quero saber que segredo é esse que o pai esconde..

    bjoxx

    ResponderExcluir
  12. Olá Mari,
    A autora tem mesmo isso em seus livros, sempre buscar fazer com que seus personagens se tornem reflexivos. Gostei da ligação das bolinhas de gude com o passado do pai de Sabrina, gosto quando a narração intercala presente e passado!
    Uma pena ter sido cansativo, apesar de indicar os livros da Cecelia sempre digo como eles são grandes e descritivos o que para algumas pessoas é complicado, espero que leia outros!
    Ele já consta na minha lista de desejados, sou fã da autora.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Oi Mari
    Que pena que não se conectou muito com o livro. É tão triste quando não conseguimos nos conectar. Eu acho que gostaria do livro por ser refletivo e tals, mas também acho que demoraria bastante para ler ele por conta da escrita mais arrastada.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.