10 janeiro 2019

Resenha: Dragões do Éter


Meus queridos, vocês lembram quando eu disse que "Corações-de-Neve" quase nada tinha de fantástico? (Se não lembram ou se chegaram recentemente por aqui, clique aqui, deem uma olhada lá e depois voltem).

Pois bem... Este livro é totalmente o contrário. E Raphael Draccon (quase) fecha a trilogia com chave de ouro.

A estrutura continua a mesma: histórias paralelas, secundárias, que podem ou não ter alguma conexão com a trama central.

Nova Ether tem três grandes árvores. Mas uma delas se destaca por ser a maior. Começa no fundo do mar e sobe aos reinos superiores. O reino dos gigantes. Um tratado, porém, impede que qualquer ser suba ou desça por essa árvore, e para se fazer valer a lei, sete dragões fazem a guarda da árvore, pronto para devorar quem tentar quebrar o tratado. Acontece que uma briga entre marido e mulher coloca tudo a perder. E, na ânsia de ter o filho por perto, a mãe lança sobre uma criança de cinco anos uma forte magia negra que o faz subir a árvore, sem o impedimento dos dragões. Consciente do seu dever e querendo o filho de volta, o pai procura o rei para informar que o tratado havia sido quebrado. Em posse de todas as informações, o rei busca em seus conselheiros ajuda para decidir declarar ou não guerra contra os gigantes. Analisando prós e contras, e tendo uma informação importantíssima, eles estão dispostos a iniciar a primeira guerra mundial de Nova Ether, em nome da honra de Arzallum.

Raphael Draccon continua seu passeio pelo mundo fantástico dos contos de fadas e mais uma vez explora esses bonitinhos dando asas a uma imaginação recheada de fantasia.

Inserindo novos personagens, fica clara a referência a "João e o pé de feijão" e os gigantes que habitam os reinos superiores. Entre eles, o gigante mais famoso de todos, Polifemo. Além deles, há uma forte referência a Peter Pan e o Reino do Nunca. "Bela Adormecida" e "A Bela e a Fera" também são contos citados no livro.


Os capítulos do livro são, em sua grande maioria, bem curtos, e Draccon, sempre que possível, termina-os de forma a instigar a continuidade da leitura. Nem toda a ambientação é desenvolvida de forma rápida, mas tudo é inserido cirurgicamente, de modo a não deixar a monotonia elevar-se. Com uma linguagem bastante próxima do popular, excetuando-se os diálogos entre reis, contemplamos uma leitura agradável, de fácil acesso e fluída. Além disso, Draccon tem a mania de conversar com leitor dando opiniões às vezes ou tentando nos explicar algumas coisas.

As histórias desenvolvidas à margem da trama principal seguem o mesmo ritmo. São interessantes, inteligentes e você se pergunta o tempo todo se elas farão ligação com o conteúdo principal. Porém, o mais marcante desse terceiro livro, sem dúvida alguma, é a Grande Guerra.

Meus queridos, Raphael Draccon recebeu o espírito do Stephen King de um futuro em que ele já está morto (quem dera ele fosse eterno, mas tudo bem) e decidiu banhar suas páginas de sangue, deixando aquele tal Casamento Vermelho no chinelo. Ele deixa um pouco de lado o tom fantasioso de sua obra e descreve cruelmente vários tipos de mortes e ferimentos. Coisa linda de se ver!

Ainda, aqui temos pela primeira vez referências diretas aos Dragões de Éter. Aqui sim nós vemos (nem que seja só um pouquinho) dragões voando e atacando os inimigos.

Em tons sutis, ele dá o protagonismo a outros personagens e aqueles com os quais nos acostumamos no segundo livro são quase tratados como coadjuvantes.


Bom... É aí que o "quase com chave de ouro" vai fazer sentido.

Descobri que esse é um livro que diverge muito de opiniões e o mais criticado é o final. Muita gente não se dá conta de todo o trabalho e foca só no final. Eu, particularmente, não sou assim. Porém, verdade seja dita: o final ficou meio cagado. Draccon deu uma vacilada e pelo menos dois acontecimentos bem importantes ficaram sem desfecho. Além disso, muita gente acha que alguns personagens não tiveram finais adequados.

Segundo as línguas, Draccon pode explicar tudo em um quarto livro que está para ser lançado. Quando é esse "está pra ser lançado" eu não sei, mas enquanto esse livro não sai, temos que nos contentar com o final desse.

Por que eu continuo com cinco estrelas mesmo com esses finais? Porque eu não sou todo mundo e não os considero tão ruins, à exceção daqueles dois acontecimentos que eu citei.


Título: Dragões de Éter - Círculos de Chuva
Autor: Raphael Draccon
Editora: Leya
Páginas: 534
Ano: 2010

27 comentários

  1. Oi, que resenha maravilhosa, ficou perfeita! Estou ansiosa para conhecer a escrita dele.
    Sempre vejo esse livro no meu colégio e não dou uma chance pra ele, quem sabe depois dessa fantástica resenha eu o leia. Foi uma leitura demorada?

    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Melissa! Olha, o primeiro livro é muito chato. Tanto que na resenha anterior eu me questionei pq comprei os outros dois. Quando começar o primeiro, você deve ter uma paciência de Jó para terminar e passar para o segundo. Fazendo isso, o segundo e o terceiro são excelentes, a leitura é muito facifacife a história é boa!

      Excluir
  2. Oi, Marcos
    Ainda não li nada do autor apenas acompanho seus livros pelas resenhas.
    Gostei muito da trama desse livro, dos personagens que cresceram durante a trilogia, dos contos de fadas que são citados.
    Espero que esse quarto livro saia para explicar tudo que ficou em aberto.
    Quero ter oportunidade para ler, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, Luana! Também espero que esse quarto livro saia logo, viu? Mas, sinceramente, não acredito que isso vá acontecer tão cedo.

      Excluir
  3. Hahahahah sem sombra de dúvidas, o final da trilogia foi u oh! rs Não agradou de jeito nenhum, mas a maioria de nós tem essa mania besta de julgar um trabalho inteiro apenas pelo final e não, não é assim que tudo deve funcionar.
    Li esta trilogia tem um tempão, aliás, até as capas são em outra versão e pode não ser assim, um Guerra dos Tronos, mas o autor é maravilhoso, isso não dá para negar.
    A gente consegue passear fácil pelas páginas e criar todo o cenário fantástico.
    Este quarto livro faz tempo que tá pra ser lançado hein??rs
    Super recomendo!!!
    Nossa literatura tem letras de primeira.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Angela!! "A caça às bruxas" eu também li quando lançou, naquela primeira capa (bem feia, né? rsrs) Mas eu concordo com você, a fantasia do Draccon é muito boa e dá pra perder muito tempo nas páginas desses livros.
      Será que um dia sai o quarto livro?

      Excluir
  4. Olá, Marcos!

    Sempre ouvi falarem de Raphael Draccun muito bem, mas infelizmente ainda não li nenhum livro de sua autoria. Sendo sincera, sempre tive curiosidade nessa saga. Tudo o que envolva fantasia e seres místicos são dignos da minha atenção. Além que essas capas são fantásticas, elas são tão lindas! Estou muito curiosa ara saber como é sua escrita e como seria ler os livros de Raphael Draccun.

    Parabéns pela leitura! Tanto as cinco estrelas e o que falou sobre o livro, ele deve ser muito bom.

    Abraços.

    R.W.

    newsfallenbooks.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabrielle! Se você gosta do gênero, não sei pq ainda não leu Draccon está Sério, dá uma chance pra ele que eu tenho certeza que você vai gostar.
      Obs.: Tenha paciência no primeiro livro, os outros vão compensar!

      Excluir
  5. Olá Marcos, tudo bem?
    Ainda não conhecia a série, apenas de vista por ver as capas dos livros por aí, mas não sabia do que se tratava.
    Confesso que eu tenho um pouco de dificuldade com o gênero fantasia, ainda mais quando existem tantos elementos a serem explorados. Uma meta para este ano é ler mais fantasia e deixar minha imaginação viajar. Quem sabe não posso começar por esta série?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lara!! Tudo ótimo aqui, e por aí? Olha, eu tambem não sou muito fã de fantasias, então se você quiser umas dicas, é só falar com o nosso companheiro Fábio aqui no blog. Ele é o mestre da fantasia rsrs Mas, como eu disse para as outras amiguinhas, se for começar por essa trilogia, tenha paciência no primeiro livro, os outros vão compensar!

      Excluir
  6. Eu tenho esse box. Tenho muita vontade de ler os livros, e ainda não consegui parar para ler. Adorei suas considerações.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Monique! Ja abriu o box? Esse tem que ser o primeiro passo rsrs Vai lendo aos pouquinhos, algumas páginas por dia. Quando ficar bom, você não vai mais querer largar!!

      Excluir
  7. Oi Marcos,
    Eu gosto bastante de fantasia, principalmente quando essa consegue moldar um universo original, e que dá asas a imaginação, acabei pegando os livos emprestados com uma amiga, que inclusive me indicou eles, maaaas, li nem metade do primeiro kkk Desisti! Achei bem lento...
    Lendo a resenha desse, vejo vários elementos que gosto, como as referências aos contos de fada, principalmente ao conto "João e o pé de feijão", que inclusive eu havia notado a semelhança antes de você citar, rs. Mesmo assim, não tenho vontade de voltar a leitura, mas fico feliz que o autor conseguiu conquistar com sua história!
    Beijos

    PS: Olhando a primeira foto parece que você 'roubou' meu exemplar de "Christine" kkkk Está no mesmo estado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vitória, o primeiro livro é mesmo muito chato. Eu disse isso quando fiz a resenha do segundo. Mas tente terminar o primeiro, que eu tenho certeza que vc vai gostar dos próximos.

      (Aquele exemplar de Christine é minha relíquia do King rsrs)

      Excluir
  8. Marcos!
    Tenho muita curiosidade de ler um livro do autor, pois dizem que ele é fenomenal e por sua resenha, parece que além das referências literárias no conteúdo do livro, ele inovou e fez escorrer sangue das páginas, legal!
    Pena que o final não foi tão, embora o livro em si tenha sido.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rudy!
      Dá uma chance pra ele. O universo que ele criou é enorme e de fazer brilhar os olhos mesmo.

      Excluir
  9. Sempre vi esses livros mas nunca me interessei realmente em ler. Acho que faltava alguém com tanta animação para falar dele.
    Esse negócio de terminar cada capítulo com "um gostinho de quero mais" nos faz querer devorar o livro. Adoro quando o autor faz isso, a leitura flui bem demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu, particulmente, adoro a literatura do Draccon, então sou meio suspeito rsrs mas, como eu disse, ele diverge opiniões. Acho melhor você ler por conta própria, mas tenho certeza de que vai gostar rsrs

      Excluir
  10. Eu sempre tive curiosidade para ler algo do Raphael Draccon, desde que comecei a acompanhar Game of Thrones e gostaria de buscar histórias parecidas, mas o tempo foi passando e eu fui deixando pra lá. Lendo sua resenha vejo que fiz a decisão certa. Só pelo trabalho de ter que passar por um primeiro livro hiper chato e outro sem sal seria agoniante pra mim. Gosto bastante da ideia do livro, de como o autor explora a fantasia e as várias referências presentes no livro, mas a narrativa parece super arrastada durante toda a série. Não compensa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ycaro! Na verdade, apenas o primeiro livro deixa a desejar. O segundo e o terceiro são muito bons, a leitura não é arrastada e ele sempre faz aguçar a nossa curiosidade.

      Excluir
  11. Adorei as referências no meio da trama. Já tem um jeito da história que chama atenção e com umas coisas e misturas que a gente já conhece tudo fica melhor. Me deixou curiosa com isso do casamento vermelho ficar no chinelo. Mas Gente, tá bem forte isso aí então. Capítulos curtos e a vontade de ver mais é uma coisa muito boa também. Tá parecendo bem legal, uma leitura pra se jogar.

    ResponderExcluir
  12. A série inteira é recheada de referências, desde o primeiro livro até as últimas páginas do último livro, que inclusive é um pouco mais pesado que os outros.

    ResponderExcluir
  13. Ainda não li essa série, mas estou com muita vontade de conhecer esses livros, quem sabe nesse ano eu consigo, gostei do autor ter posto várias referências dos clássicos contos infantis no decorror da história.

    ResponderExcluir
  14. Nossa, eu não conhecia essa série, mas gostei da resenha nesse primeiro contato. A capa é muito bonita e elegante. Quero conhecer um pouco mais antes de iniciar a leitura.

    ResponderExcluir
  15. Eu já tinha ouvido falar muito nesse livro do Rafael e eu fiquei feliz em saber que um livro de fantasia Nacional tinha repercutido tanto com seu lançamento mas infelizmente eu ainda não pude ler o livro eu te mamente tem um procurador autores nacionais para ler mas em outros géneros literários pretendo conhecer o trabalho do Rafael melhor mas por enquanto vou ficar na expectativa

    ResponderExcluir
  16. Não conhecia a série, entrei no mundo da fantasia a pouco tempo e gostei bastante dessa premissa. Adorei a ideia de inspiração em outros contos, acho que deixa a leitura até mais fluida. Fiquei curiosa para saber se vão declarar guerra ou não e o que aconteceu com a criança que burlou os dragões.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Marcos!!
    Ainda não conhecia essa série do Raphael Draccon!! Adoro um bom livro de fantasia e sempre e bom ver que temos bons autores nacionais!!

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.