04 fevereiro 2019

Resenha: Stalker


Stalker
é uma palavra inglesa que significa "perseguidor".
É aplicada a alguém que importuna de forma insistente e obsessiva, 
uma outra pessoa que, em muitos casos, é uma celebridade. 
A perseguição persistente pode levar a ataques e agressões.

Hoje vamos falar sobre Stalker, o novo livro da Tarryn Fisher publicado pela Faro Editorial. 

Quem me conhece sabe o quanto eu sou apaixonada pela escrita da Tarryn Fisher desde que meus olhos bateram pela primeira vez em Fuck Love. Ela tem um jeito de escrever personagens tão reais e plausíveis que isso pode, inclusive, fazer com que você acabe odiando o livro.

E eu digo isso de coração limpo, pois teve muita gente que, depois de ler a resenha de Fuck Love, veio me contar que não gostou do livro. Que odiou cada pedacinho dele e que não teve nenhuma empatia pela Helena. Meu conselho foi: guarde o livro pois ainda não é o seu momento.


Algumas dessas pessoas voltaram depois a me contactar para agradecer e dizer que, depois de algum tempo, deram uma segunda chance ao livro e entenderam tudo. E é isso que a Tarryn faz com a gente. Ela tira você da sua zona de conforto e pode destruir várias ilusões e conceitos que você elaborou no decorrer da vida. 

O uso da palavra STALKER já é comum entre os brasileiros, e a gente sempre está "stalkeando" alguém em algum momento, não é mesmo?

Mas a perseguidora do livro não é apenas uma inocente expectadora da vida alheia, cheia de curiosidade e roendo as unhas por uma fofoquinha. Nada disso! Aqui ela criou uma obsessão pela nossa personagem principal.

Stalker vai contar a história da Fig Coxburry e ela é uma mulher com um objetivo traçado: perseguir, copiar e roubar tudo que a Jolene tem. Que a Fig é uma psicopata, não resta nenhuma dúvida! E, vejam bem, o livro é dividido em três partes: a psicopata, o sociopata e a escritora. Pode parecer bem esquisito, mas acontece que esse livro foi baseado em fatos reais, logo tudo que parece esquisito é na realidade bem próximo da vida real.


A Fig perdeu um bebê, e isso mexeu com o psicológico dela. No momento em que ela coloca os olhos em Jolene e em sua filha, Fig passa a sonhar que a alma do seu bebê está naquela criança, e que ela precisa tirar Jolene do caminho para poder ficar com sua filha, sua casa, seu marido. Com tudo que ela tem.

Dos bilhões de pessoas no planeta, lá estava ela, a apenas cinco quarteirões de distância. Parecia bom demais para ser verdade.

A partir daí, ela passa a julgar a Jolene como uma péssima mãe, dizendo para si mesma que uma mulher que se veste com camiseta do Nirvana e é cheia de tatuagens não pode ser um bom exemplo para uma criança. (!)

No início, ela passa a perseguir disfarçadamente a Jolene, até que, inesperadamente, a casa vizinha fica vaga e Fig compra o imóvel. A partir daí, ela consegue se infiltrar na vida dela e se tornar sua "amiga", ficando muito tempo dentro da casa da nossa protagonista, se inserindo na vida do Darius - o marido - e da Mercy Moon - a filha.


A primeira parte é toda pela perspectiva da Fig, sobre como foi difícil para ela ser abandonada pelo marido, como ela se sentia, que porcaria era a sua vida. E pode acreditar, você vai - por vezes - se solidarizar com ela.
"Coloquei mais produtos diet no carrinho e então, num ímpeto, dei uma passada no corredor de produtos de beleza e escolhi três tipos diferentes de máscara facial e um brilho labial vegano. Tinha esquecido de cuidar de mim mesma. Isso é o que acontece quando a gente fica triste. Tudo o que é preciso é alguém enxergar a gente de verdade para despertarmos para a vida outra vez."
Já a segunda parte é totalmente narrada pelo ponto de vista do Darius, e vamos acrescentando alguns pontos que a Fig falhou em nos contar. E seguimos nesse mesmo ritmo durante a última parte do livro, quando Jolene nos brinda com o seu modo de enxergar a vida, com sua alma de escritora e o coração cheio de sentimentos.

Atenção! Importante avisar que muitas pessoas vão achar que algumas coisas estão jogadas no texto, mas isso é uma tática da Tarryn Fisher para nos fazer pensar e prestar atenção. E sim, o final pode te deixar um pouco insatisfeito. Mas, quando você parar para pensar, vai entender que o livro é como a vida real - sempre deixando pontas soltas que devem ser amarradas no decorrer do caminho.

Dá uma passadinha lá no canal para saber mais sobre Stalker.


Sobre a edição: A Faro Editorial já é conhecida pelo seu capricho nas edições, e Stalker não deixa nada a dever. Desde as divisões de narrativas até os títulos dos capítulos. A capa não agradou a todos, mas eu fiquei satisfeita com ela.

Quotes:
"A Tessa o aceitaria de volta, mas iria passar o resto da vida jogando aquela pisada de bola na cara dele. Essa é a natureza do perdão. Sempre implicava um preço a pagar." 

"Eu observava as pessoas e passava a querer aquilo que elas queriam. Faz algum sentido? Eu queria tudo, todas as viagens, todos os homens, toda a atenção. Era uma gulosa por vida. Uma leviana em busca de aventura."

"Amar gente fodida, sempre implica a gente se foder..."

"Eu não precisava me esforçar para conseguir as palavras, elas simplesmente jorravam aos borbotões de uma fonte inesgotável de criatividade. A tristeza é lucrativa, amigos."

"Ninguém escolhe por quem se apaixona. A coisa acontece e a gente arca com as consequências."


Título: Stalker (exemplar cedido pela editora)
Autora: Tarryn Fisher
Editora: Faro Editorial
Páginas: 256
Ano: 2018

9 comentários

  1. Olá,
    já ouvi falar do livro, e parece ser uma leitura interessante. Não é exatamente a que procuro no momento, mas talvez em outra hora, ele seja perfeito.

    Parabéns pela leitura.

    Abraços.

    Ruby W.

    newsfallenbooks.com
    Instagram: @Blogfallenbooks

    ResponderExcluir
  2. Sou apaixonada por enredos assim!
    Li recentemente O Colecionador, que fala e com maestria deste assunto: perseguição doentia e amei!
    Por isso, desde que este livro foi lançado, quero muito conferir ele.
    Claro, foram sim, muitas resenhas não tão positivas dele. Falando da falta de aprofundamento, dos personagens que não conquistaram.
    Mas mesmo assim, eu quero muito conferir!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá! Que jogue a primeira pedra, quem nunca deu uma stalkeada, por aí! Confesso que não estava animada com esse livro, mas sua resenha me deixou bem curiosa em relação à história, eita que a Fig já me deixou chocada com suas ações, imagina lendo o livro hein.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha ninguém vai poder tacar pedras, não é mesmo??? A Fig vai te chocar em DIVERSOS níveis, caso vc decida embarcar nessa leitura!

      Excluir
  4. Oii Sissi

    Ja vi resenhas de muita gente que não gostou muito da narrativa justamente por essa sensação de coisas jogadas no texto, mas como é uma tatica da autora mesmo que após determinado ponto adquire sentido, acho que vale a pena ler e a premissa é tãoooooooo legal. Consegui esse livro numa troca e estou ansiosa.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  5. Sissi,
    Eu fui uma das que não curtiu "Fuck Love", não diria odiar, mas achei a protagonista meio mimada, o jeito é seguir seu conselho, rs.
    Sobre Stalker, eu tenho o livro, mas ainda não li, minha maior curiosidade é na verdade pela autora, porque o enredo em si é bem parecido com outro do gênero que já li (se me lembro bem do nome "Até você ser minha"). sobre a protagonista, doidinha gente, adoro personagens que tentam nos enganar, é um estilo de narrativa bacana, mudar a perspectiva do leitor.
    Vou ler em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Já tenho os dois livros na lista de desejados, pois ainda não tive a oportunidade de ler nada do autor, e sempre li resenhas bem controversas sobre o primeiro livro citado e isso sempre me gerou aquela curiosidade sobre a escrita dele, pois sempre bom a gente ler algo que não estamos habituadas para conhecer coisas diferentes e este livro é algo bem assim, ter a oportunidade de "entrar" na cabeça conturbada de três personagens! Adorei conferir a resenha e fiquei ainda mais ansiosa para poder realizar a leitura!

    ResponderExcluir
  7. Livro intenso, bem intenso. E eu acho interessante as histórias onde existem várias perspetivas. Não li nada da autora, mas pelas resenhas que acompanho sempre são positivas. Esse é um livro que quero ler em breve.

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Adorei o livro! Eu gosto de histórias assim, e gosto do livro ter perspectivas diferentes, isso nos ajuda a entender melhor os lados da mesma história.

    Bjão ♥
    Início de Conversa

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.