19 outubro 2019

Resenha: Jack, o Estripador em Nova York


Tudo é bem-vindo quando o assunto diz respeito à história do tão conhecido “Jack, o estripador”. Li a obra há quatro anos, pois estava bem ansiosa para ler e conhecer mais sobre o livro. O resultado não poderia ser diferente: entusiasmante!

Petrucha é autor de quadrinhos e trabalha com obras ligadas à ficção científica, além, claro, do terror. A obra faz uma reaparição do grande assassino e que jamais foi pego pela Scotland Yard: Jack. Ele é um serial killer que mata diversas mulheres em Nova York. O que mais intriga as pessoas é a maneira de como ele age e assusta a todos. Jack mata as mulheres, deixa os corpos pela cidade e ainda tem a ousadia de avisar a mídia.

Ele é o primeiro serial killer mundialmente famoso e que de fato existiu, porém, sua identidade continua sendo um mistério que alimenta inúmeros livros, romances e filmes. Os homicídios em Nova York são totalmente fictícios, todavia, em 1895, ele ainda permanecia na memória da população. 


Numa busca incessante de tentar pegá-lo, Albert Hawking (fundador de uma Agência de investigações) juntamente com Carver Young (um jovem que sonha em tornar-se detetive) resolvem buscar meios para descobrir quem é esse serial killer que tem assassinado tantas mulheres. Young vê a oportunidade de seu sonho se realizar com essa investigação, além de aprender com o fundador de uma famosa Agência. 

A obra é recheada de ação e deixa-nos afoitos para saber cada detalhe. Se Jack será pego é um mistério que o leitor se desespera para descobrir, além de envolver diversos elementos eletrizantes. As poucas páginas proporcionam uma leitura rápida, o que favorece para quem está ansioso de saber o desfecho.

Young é um aprendiz astuto e muito inteligente, apaixonado por Sherlock Holmes, Neverseen e Quatermain, com isso, acaba tendo um resultado rápido e surpreso nas pistas deixadas. A maneira como ele descobre as charadas é bem criada. O garoto faz de tudo para mostrar um bom trabalho para Hawking, como poderia prever.


No fim do livro, o autor cria um glossário de personagens e invenções. Assim, é possível saber o que de fato existe e o que de fato foi pura invenção para tornar a história mais interessante do que já é. 

Sobre a edição:
A diagramação é muito bem feita e a página chama bastante a atenção. Porém, apenas o título do livro já seria o suficiente para ser destaque em qualquer livraria que eu fosse.

Quotes:
“- Pobres em mais de um sentido – respondeu ele, folheando o livro. – Elas viviam em péssimas condições e mal conseguiam se alimentar à custa dos outros. Ele nunca tocou numa mulher rica” (p.08).
“- Se eu responder a essa pergunta, você vai querer saber mais e nós dois vamos ficar parados aqui a noite toda. Se você quiser virar um detetive, volte ao que estava fazendo. Investigue!” (p.36).
“- Sou eu mesmo quem está fazendo papel de bobo aqui, Albert? – provocou Tudd. – Foi você quem nunca acreditou que a minha teoria era possível. Mesmo agora, em vez de me ajudar, fica me julgando. Você nunca se recuperou daquele tiroteio. Admita, você ficou para trás” (p.155).


Título: Jack, o Estripador em Nova York
Autor: Stefan Petrucha
Editora: Vestígio
Páginas: 288
Ano: 2015

14 comentários

  1. Nat!
    Acho o glossário importante para um melhor entendimento dos termos.
    Gosto do gênero também e Jack, mesmo sendo uma releitura, é sempre interessante de se ler.
    Como gosto dos detalhes, acredito que não me incomodaria com a forma mais descritiva do autor.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Que fotos maravilhosas! rs
    Jack sempre será um assunto que não cansa e que por mais que já tenha se falado ou escrito muita coisa, parece que sempre tem um elemento novo.
    O cara deixou realmente sua marca até hoje!!!
    Ainda não tinha lido nada sobre esta obra, mas parece que a diagramação é bem bonita e por ser uma releitura, certamente há elementos e situações novas!!!
    Lista de desejados!!!
    Beijo

    Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Angela. Adoro fotos assim hahahaha.
      Esse cara é eterno. Incrível.

      Beijos

      Excluir
  3. Oláa
    gosto de historias que envolvam serial killer e com referencias reais, é sempre bom.
    Este porém não me chamou tanto a atenção. Minha impressão é de que é uma mistura de suspense com comédia e sei lá, parece que não combina. De todo o mais é muito bom o autor nos dar as informações reais no livro pois isso instiga a curiosidade para sabermos mais sobre o assassino.

    Silviane, blog Memento MoriParticipe do Top Comentarista de Outubro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem comédia assim não, Sil.
      É algo bem diferente

      Excluir
  4. Olá!
    Gosto das diferentes abordagens que são feitas com “Jack, o estripador”, seja em livros, filmes ou séries. Confesso que gosto ainda mais quando se passa na Londres Vitoriana mesmo. É a primeira resenha que leio desse livro, adorei a premissa. Será que podemos esperar as personagens principais em um segundo livro, com outro caso?
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também, Sam.
      Acho isso o diferencial das obras.
      Tem uma que se passa em Londres, mas não é sobre ele, é o Sherlock. Tbm recomendo.
      Espero que sim, viu?! Mas até agora não saiu, então acho meio difícil

      Excluir
  5. Oi!
    Fiquei muito curiosa quanto ao glossário, acredita?!
    Apesar de ser um assunto bem pesado, sempre gostei de saber sobre a história dos tão famosos serial killers. Nunca cheguei a ir mais a fundo quanto ao Jack, mas não vejo a hora de conhecê-lo (bem longe de mim, nos livros/documentários, amém).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Gio. E espero que você leia e goste.
      Siiiiiiiim, também só quero conhecer dessa forma kkkkkkkkkkk

      Excluir
  6. Olá!
    Um livro assim já me fez ficar bastante curiosa por ela. Adorei a trama, tem uma ótima premissa e adorei ver que o personagem adora o Sherlock Holmes, pois eu amo. Espero ler logo!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eeeeba, espero que leia, Lily
      Certeza que vai curtir

      Excluir
  7. Oi, Naty
    Adorei as fotos, você capricha muito.
    Gosto muito de ler livros com serial killers.
    No começo do ano li Rastro de sangue - Jack, o estripador gostei muito tem cenas bem fortes sobre os corpos.
    Nesse Jack, o estripador em Nova York o autor teve todo um cuidado em colocar um glossário para nós meros leitores saber o que é real e fictício.
    Preciso ler esse livro o quanto antes, beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lu.
      Tem o segundo volume do Rastro de Sangue, estou com ele em mãos, mas ainda não li.
      Gosto de glossário, acho bem essencial em obras assim.

      Beijos

      Excluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.