Resenha: Noites Brancas

Por Naty Araújo •
13 março 2020

Quem foi Dostoiévski? Durante muito tempo quis ler suas obras. Enquanto estudei, no curso de Direito, li parte de Crime e Castigo e já sabia que num futuro bem próximo eu leria muito mais. E, após 5 anos, não tão perto quanto imaginei, aqui estou cumprindo o meu objetivo: ler um livro do autor por mês.

Iniciei por Noites Brancas e não me perguntem o motivo pois não sei. Acredito que seja em virtude de o personagem sonhador deste livro ter relação com outros personagens das obras do autor. A minha intenção era começar por “Gente pobre”, primeiro livro publicado, mas acabei selecionando este e posso afirmar que ele me surpreendeu.

Respondendo a minha pergunta, para quem não sabe, ele foi um escritor russo considerado um dos maiores romancistas e fundador do existencialismo. Se você não conhece as obras do autor, através de uma rápida pesquisa, você descobrirá que a obra dostoievskiana explora a autodestruição, a humilhação e o assassinato, além de analisar estados patológicos que levam ao suicídio, à loucura e ao homicídio: seus escritos são chamados por isso de "romances de ideias", pela retratação filosófica e atemporal dessas situações.


A história se passa em São Petersburgo, numa das singulares “noites brancas”, já que o sol praticamente não se põe, e no cenário temos dois jovens, um homem e uma mulher, numa ponte sobre o rio Nievá. Ela está chorando e isso comove o rapaz e ambos começam o diálogo. Não acredito que falar o que acontece naquela cena irá dar spoilers, mas sinto que embarcar no romance sem saber de muita coisa é um grande passo para se surpreender, neste em especial. O livro é tão curtinho, possui apenas 96 páginas, e você entender o motivo de ela estar chorando, o que acontecerá depois e depois não seria uma leitura tão prazerosa. 

Não vou contar da história em si, até porque nem a sinopse faz isso, ela é bem fiel a não contar detalhes, nem mesmo o que eles estão fazendo ali. Apenas peguem o livro e leiam, será rápido, questão de 2h no máximo vocês já terão terminado. E posso dizer que a experiência foi bem diferente. 

Não há complexidade nas entrelinhas, se é que vocês estejam preocupados com isso, imaginando que a leitura será chata, que será arrastada, que haverá expressões bem rebuscadas. Não! É doce, é sutil e é perturbador. Porque a gente fica chocado com a inocência de algumas pessoas, com a burrice de outras e com a forma que tudo se desenrola.


Claramente eu não esperava esse final. Aliás, a gente cria umas teorias doidas, mas no final não deseja alguns desfechos. Dosto é performático em sua escrita e ainda que seja uma obra pequena, consegue ser detalhista e nos transmitir exatamente as emoções daqueles jovens, principalmente do rapaz, que a sua simplicidade e sinceridade chega a cortar nossos corações. Queria falar tanto dele, da vontade que senti de abraçá-lo. Ele nunca teve ninguém ao seu lado, mesmo tendo quase 30 anos de idade. Nunca teve uma namorada, nem sequer uma amiga com quem pudesse contar. Esse jeito dele foi tão puro, o autor conseguiu nos transmitir com tanta realidade que refleti por alguns dias essa obra e já indiquei para várias pessoas.

Agora, indico para vocês. Leiam! Apenas leiam, não vão atrás de outras resenhas, pois vocês podem acabar lendo coisas que não são necessárias. O livro é bem baratinho, podem confiar. Pelo menos hoje, sexta-feira, 13 de março de 2020, ainda está por causa de uma promoção (rsrs).

Vocês confiam em mim? Se sim, apenas cliquem aqui e adquiram. Caso vocês não tenham a assinatura do frete grátis, me procurem por e-mail (na aba contatos) ou no meu IG, faço questão de gerar o boleto e encaminhar para o seu endereço. Sério! Esse livro é tão pequeno, mas me marcou bastante. Pode marcar vocês também.
"Escute, por que nós todos não somos como irmãos? Por que parece sempre que até o melhor dos homens esconde algo do outro e se cala diante dele? Por que não dizer logo, diretamente, o que está no coração, se sabemos que não serão palavras ao vento? Mas todos aparentam ser mais duros do que realmente são, é como se todos temessem ofender seus sentimentos ao expressá-los muito depressa..." (p. 64)

Título: Noites brancas
Autor: Fiódor Dostoiévski
Editora: 34
Páginas: 96
Ano: 2009
Compre: aqui

Comentários via Facebook

13 Revelaram sentimentos:

  1. Nossa que artigo fantástico, por isso que estou quase todos os dias visitando e lendo seus artigos. Porque sempre tem conteúdos interessantes e de qualidade.

    Beijos !!

    Meu Blog: Loterias

    ResponderExcluir
  2. Oi nossa que legal esses artigos sempre que posso venho aqui pra ver as coisas novas do blog sempre acompanhando beijos

    ResponderExcluir
  3. É engraçado e triste que muitas pessoas ainda leiam o nome Dotoiévski e imaginem isso: a leitura maçante, repleta de palavras que não entendemos. Mas no fundo, ele é um autor que fala da vida, da alma e das situações vividas por todos nós.
    Mesmo depois de tantos anos de seus livros, é uma leitura constante e atual!!!
    Esse eu nunca li, mas claro que já quero!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  4. Naty!
    Pois é... as vezes temos a impressão que alguns clássicos podem ser enfadonhos e com linguagem rebuscada, mas é apenas um romance doce e de fácil entendimento onde devemos embarcar na história e nos divertirmos.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Olá! Muito bacana a resenha, ajuda a percebemos que esses grandes autores possuem livros que podem ser lidos de maneira fácil e fluída, sem aquele pavor de encontrar uma obra enfadonha, (#culpada), acredito que essa seja uma ótima opção para conhecer a escrita deste autor tão prestigiado.

    ResponderExcluir
  6. ola
    parabens pela resenha
    Ainda não li nenhum livro de escritores russos
    acredito que esse livro será um bom começo pois a sua resenha me deixou intrigada
    dica anotada

    ResponderExcluir
  7. Oi Naty,
    96 páginas? Nunca li nada do Dostoiévski justamente por sempre ouvir da complexidade das suas obras, mas agora sei por onde começar, já que esse é um livro menos denso será ele hahaha. Por você não contar os detalhes, fiquei ainda mais instigada a lê-lo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Típico livro bom, bonito e barato... e curtinho, o que me atrai mais ainda. Com um pouco de psicologia então... perfeito para se ler em uma tarde! Obrigada pela recomendação.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Naty
    Nossa, adorei sua resenha!
    Me deu vontade de correr e lê-lo agora mesmo.
    A história parece ser bem simples e bonita, com um final que surpreende.
    Quero muito ler Crime e castigo também.
    Logp lerei!
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Não conheci o autor mas adorei ter conhecido por aqui. A trama é bem interessante, apesar de ser curtinho com certeza já chama atenção. Fiquei curiosa pelo desfecho!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  11. A trama é bem instigante e é impossivel não saber quem é o Dostoievski. Mas eu não me surpreendi muito com o final. Tive mais expectativas

    ResponderExcluir
  12. Adorei a forma que você expressou esse livro. Conheço o autor, porém numca li nada por achar que fosse uma ecrita difícil e cansativa. Mas a resenha me animou,e vou dar uma chance a esse livro.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Naty
    Ainda não li nada do autor, obrigada pela dica agora sei por qual livro começar.
    O romance parece ser encantador que envolve o leitor por completo.
    O fenômeno de noite branca deve ser um espetáculo maravilhoso de ver.
    Beijos

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.

Editoras parceiras

Instagram

© Revelando Sentimentos | Resenhas de livros – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in