Os riscos de uma aventura

- Não sei porque você me trouxe aqui, amiga – falou Liza, enquanto pegava impulso para sentar-se numa suposta janela, de uma casa abandonada e destruída por alguns frequentadores.
- Ué, Liza... Cada semana visitamos algo inusitado e foi a minha de escolher dessa vez. Tantas e tantas aventuras, essa aqui é a mais simples - respondi, certa do que dizia.
- É meio sinistro isso aqui. Não tem nada para fazermos – respondeu, no mesmo instante em que acendia um cigarro.
- Liza, fizemos um acordo e você... – calei-me, sendo interrompida por algo que olhava do outro lado da parede, por um buraco.
- O que foi, Mag? Parece até que viu gente morta. Termine de falar.
Meu sinal sumiu no ar, andou para longe e jamais encontrou ouvidos. Nada do que ela falava, eu conseguia captar. Minhas pernas bambearam, minhas mãos estremeceram e perdi a pequena coragem que restava.
- Para de onda. Você não vai conseguir me assustar como eu fiz com você na semana passada. Foi tão engraçado – terminou Liza dando uma gargalhada.
Fiquei estática. Nenhuma palavra. Nenhum som eu conseguia ouvir. Aquilo me causava medo. Pavor.
- Você não vai me...
Ela desistiu de terminar a fala e desceu. Olhou pelo pequeno buraco e colocou a mão na boca. O cigarro, na mão esquerda, caíra no chão e só notava-se o cheiro da fumaça, embriagando o lugar.
- Precisamos sair daqui – respondeu Liza, aflita. – Este lugar é perigoso demais. Estamos correndo perigo. Como não pensamos nisso antes?
Um cara apontou a arma na cabeça de um adolescente, enquanto o outro arrancava-lhe as calças. Abaixou as suas e empurrou o corpo do menino, jogando-o no chão. As mãos do garoto, estavam postas nos restos de vidro que haviam. As feridas, imediatamente, começaram a surgir. Um dos caras segurou, com toda força, no quadril dele e começou a fazer movimentos bruscos. O sangue escorria entre suas pernas e o choro silencioso, começava a aparecer, na janela de sua face, desesperadora.
Ouviu-se um tiro. Os olhares foram trocados. Cavaram um buraco e enterraram-no.
Eles se comunicavam entre si, mas o barulho dos ventos impedia-lhes a audição.
Depois só ouviu-se o som do motor sendo ligado e cantando pneu.
Chegou ao fim o medo daquela aventura, que poderia ter acabado em mais duas mortes, antecipada de dores e arrependimentos.

Natalia Araújo - Para OUAT - Edição da gincana

24 Revelaram sentimentos:

  1. Caramba, que terrível! Mas temos que ficar muito atentos, mesmo. Tem muitas pessoas ruins nesse mundo...
    Parabéns, Naty! Mais um texto maravilhoso e surpreendente.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. credoo! nunca mais entro em casas vazias! eu hein!!!!! nossa! ui, ui! beijao prima!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Vou revelar meu sentimento: medo! Rsrs. Fiquei com a respiração presa! Aff, maria!

    Beijão querida.

    ResponderExcluir
  4. NOSSA que medo! oo'
    vs gosta de assuntos, macabras ne?
    HUAHUAUHAUHAUHAUH brinks.
    então, não sei ainda. a história tá no começo ainda, pretendo ir até o capitulo 18 mais ou menos. HUAHUAUHAUHUHA :XX
    dai eu melhoro e quem sabe lanço um livro G_G' ne? UHAUHAUHAUHA Q :*

    ResponderExcluir
  5. aaaaaaaaaaa e ps, augusto é um ótimo ótimo ótimo escritor!

    ResponderExcluir
  6. Ai Naty, isso deu medo! Não sou fã de aventuras assim não, na vida real..rs
    Um beijo da Ju

    ResponderExcluir
  7. UUUU ! linda, mais um texto divino... Parabéns apreensivo, inusitado e inconsequente ehehehe beijos Naty...
    mais uma vez agradeço o imenso carinho e suas visitas esperas, sempre. beijos querida. Se gostou do "Casa aos Pedaços" verá o próximo a ser postado no domingo, na sequencia da poesia de amanhã... Ah, não será outra crônica hehehe, o miniconto vem na terça... beijos bela ótimo fim de semana

    ResponderExcluir
  8. Ah, me fale destes teus concurso vencidos... me add no msn rbjornalist@hotmail.com beijos

    ResponderExcluir
  9. Pois é,triste!No mundo há tantas pessoas sem afeto,uma frieza absoluta, um desprezo com a vida do outro ser humano..
    Que Deus nos livre de tudo que aparenta ser o mal e o mal em sí.
    Parabéns pelo texto!Sirvou de alerta!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  10. Ai, me lembrou uma parte de O caçador de pipas :'(
    Emocionante, supreendente.
    Parabeens pelo texto
    Beeijos

    ResponderExcluir
  11. Boa noite Naty,
    este texto mete mesmo medo, dá até para imaginar o local e as cenas... Muito bem escrito, parabéns!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderExcluir
  12. Que triste... óo

    Isso me fez lembrar o livro "O caçador de pipas". Não terminei de ler nem vi o filme.. achei triste demais a história. óo

    Voltei! =)

    ResponderExcluir
  13. Caraca, arrepiei... tadinho do garoto...
    Mas no geral, o texto tá ótimo. Boa sorte =)
    Bjs...

    ResponderExcluir
  14. oi prima!!!! tem selo pra ti la no extase! beijao!!

    ResponderExcluir
  15. Bom dia florzinha!
    Não gostei :/
    Melhor, eu gostei pq você escreve bem *-*.
    Mas coitado do menino =/
    Huum, eu acho que você deveria escrever um conto.. e ir dando continuação
    assim, só uma sugestão :x rs
    Beijo amor, bom fds

    ResponderExcluir
  16. Acho que vale a pena morrer para TENTAR salvar alguém. Adorei esse texto, MESMO. Tanto que me coloquei no lugar, com um pedaço de pau voador e uma bota-míssil.

    ResponderExcluir
  17. :O
    Caramba... que triste. Se você eu tinha desmaiado..
    Detesto lugares abandonados :P


    Bjkas

    ResponderExcluir
  18. Naty, nao canso de ficar boquiaberta com seus contos.
    Seja qual for o estilo, você o executa muito bem.
    Gostei muito desse também.

    Beijinhos...Bom final de semana.

    ResponderExcluir
  19. uaaau! texto maravilhoso, como sempre!
    tem um selo pra você no meu blog, vai la ver :D
    beijos e sucesso com seu blog que está cada dia melhor.
    http://bruworldoutside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. senti muito minha amiga Giulia ali,ela me arrasta pras piores enrascadas,todo mundo condena ela,até eu,mas no fundo eu amo !

    ResponderExcluir
  21. A sorte certamente acompanhou Mag e Liza... ou haveriam mais duas mortes antecipadas mesmo.
    Gostei muito da última frase de seu texto.
    Beeijos ♥

    ResponderExcluir
  22. o.o

    Imaginar essa cena me deu arrepios...


    Beijo,
    Nara

    ResponderExcluir
  23. Wow!!!
    Forte, mas realista...
    Gostei!!!

    Bjs

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.