Resenha: Pai rico, pai pobre



Pai rico, pai pobre, de Robert Kiyosaki, com colaboração de Sarah L. Lechter, não é nenhum lançamento, inclusive já atingiu a maioridade, mas inegável estar-se falando de um sucesso mundial, com mais de 9 milhões de exemplares vendidos pelo mundo.

Nele, Robert Kiyosaki, um bem-sucedido investidor, que pode se dar ao luxo de aposentar-se aos 47 anos, traça um paralelo entre as duas formas de pensar que calcaram seu sucesso: a do seu pai rico, um empreendedor, dono de muitos negócios, e a de seu pai pobre, um professor extremamente qualificado que foi diretor de ensino do Havaí. O primeiro, na verdade, não era seu pai biológico, era o genitor de seu amigo Mike, com o qual começou a instruir-se financeiramente.

Um ponto basilar do livro é a crítica ao sistema de ensino que não prepara as pessoas para lidarem com dinheiro, apenas para estudarem e conseguirem bons empregos. Mas – você já observou isto? – elas conseguem bons empregos, trabalham, estudam para conseguirem empregos melhores, acabam trabalhando mais ainda e, no fim, dependem de aposentadorias do governo para se sustentarem. A isso o autor denomina “corrida de ratos” e busca demonstrar, através dos conhecimentos que obteve, como sair dela, tornando-se um investidor, aumentando a sua cadeia de ativos.

O autor não propõe uma fórmula mágica de enriquecimento, não é isso. Ele apresenta uma visão de relação – capitalista, claro – com o dinheiro, pela qual não se trabalhe para obtê-lo, mas que se faça com que ele trabalhe a seu favor, proporcionando-lhe a realização de desejos. Ou seja, propõe uma lógica deveras contrária ao que comumente se faz: primeiro consome-se e depois afoga-se em trabalho e contas para pagar.



Não se trata de um manual dizendo “faça isso, faça aquilo”. É um compilado de lições e situações exemplificativas experimentadas pelo próprio autor, demonstrando de forma prática os conceitos que defende, as atitudes e os valores nos quais acredita, de modo a motivar o leitor.

A leitura é leve, tranquila, mas em alguns momentos me vi um pouco cansado, porque me parecia que eu já havia aprendido aquele ensinamento. A melhor parte é quando Robert e seu amigo, ambos ainda com cerca de 9 anos, resolvem que queriam enriquecer e começam a tomar lições com pai rico, que os lembra da dificuldade do caminho e da necessidade de não apenas reclamar do quanto ganham e de buscar conhecimento.

A edição é bem sóbria, a capa da versão que li tem uma imagem que me agrada, porém a considero muito poluída, com muitas informações, o que, pelo que vi, continua na versão mais atual.

Enfim, recomendo o livro a quem se questiona sobre sua situação financeira, a quem queira analisar e aprender a enxergar de forma diferente a relação com o dinheiro. Mas, nada impede, você pode estar no caminho da inteligência financeira.

Quotes:
“Uma das razões pelas quais os ricos ficam mais ricos, os pobres, mais pobres e a classe média luta com as dívidas é que o assunto dinheiro não é ensinado nem em casa nem na escola” (p. 22)

É melhor que você mude seu ponto de vista. Pare de culpar-me pensando que eu sou o problema. Se você pensa que eu sou o problema, então terá que me modificar. Se perceber que você é o problema, então poderá modificar a si mesmo, aprender alguma coisa e tornar-se mais sábio. A maioria das pessoas quer que todos no mundo mudem, menos elas próprias. Mas eu lhe digo: é mais fácil mudar a si próprio que a todos os demais” (Pai rico, p. 40)

“Pai rico continuou explicando que os ricos sabiam que o dinheiro era uma ilusão, como a cenoura era para o burro. É em virtude do medo e da ambição que milhões de pessoas aceitam a ilusão de que o dinheiro é real. O dinheiro é uma ficção. Somente a ilusão de confiança e a ignorância das massas permitem que o castelo de cartas fique em pé. ‘De fato’, disse ele, ‘de várias maneiras a cenoura do burro é mais valiosa do que o dinheiro’” (p. 55)

“(...) como professor, reconheço que são o medo excessivo e a falta de autoconfiança os grandes empecilhos à manifestação do gênio pessoal” (p. 104)

“O fracasso inspira os vencedores. E o fracasso derrota os perdedores. É o maior segredo dos ganhadores. É o segredo que os perdedores não conhecem. O maior segredo dos vencedores é que o fracasso inspira a vitória; por isso eles não têm medo de perder” (p. 140)

“Quanto mais cedo você se disciplinar e àqueles que ama para dominar o dinheiro, tanto melhor. O dinheiro é uma força poderosa. Infelizmente, as pessoas usam esse poder contra elas mesmas. Se sua inteligência financeira for pouca, o dinheiro escorrerá de suas mãos, será mais esperto que você. Se o dinheiro for mais esperto, você trabalhará toda sua vida” (p. 170)

Outras fotos:


Título: Pai rico, pai pobre
Autor: Robert T. Kiyosaki
Editora: Elsevier
Páginas: 186
Ano: 2000

17 Revelaram sentimentos:

  1. Parabéns pela resenha!
    Li esse livro há alguns anos e fiquei surpresa com a visão do autor.
    Sua resenha captou totalmente a essência do livro.

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Já conhecia o livro, claro, mas não li. Meus amigos, na época da faculdade, sempre falavam bem do livro. Mas não sou muito chegada nessas leituras. Meu marido gosta! Temos alguns nesse estilo, na estante, mas esse ainda não. Sempre são livros bem reflexivos. Ótima resenha. Obrigada pela dica. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Alisson
    Apesar do livro ser tão conhecido, eu ainda não tinha escutado falar dele.
    Não é uma obra que me chamou muita atenção, ainda mais por ter alguns trechos cansativos. Mas o assunto tratado é realmente interessante, nunca tinha parado para pensar que vivemos para trabalhar em lugares melhores e no fim não temos tudo aquilo que almejamos.

    ResponderExcluir
  4. preciso ler esse livro. Mas não é o tipo de leitura que me agrada, vou passar a vez para meu marido :)

    ResponderExcluir
  5. Não é o tipo de leitura que pegaria normalmente, mas achei legal. Parece bem interessante e achei curiosa essa ideia de uma "corrida de ratos", de trabalhar e estudar feito doido pra no final depender do governo. Fez pensar...
    E ele pode acabar dando umas boas dicas e visões de como lidar com seu dinheiro, fugir dessas enrascadas. Legal.

    ResponderExcluir
  6. Nossa emocionada aqui com sua resenha...que livro lindo...
    Nunca li livros parecidos, qro ler com toda ctz!
    Parabéns pela resenha!
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Olá, Alisson.
    Infelizmente eu não leria esse livro por preferir ler ficção. Mas acho que para quem gosta é um assunto bem interessante, mesmo você dizendo ser um pouco cansativo em algumas partes. Infelizmente depender do governo é o destino de quase todo mundo. Mas se dá para fugir disso, vamos tentar hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Já tinha visto o título desse livro por ai mas nunca me interessei muito e nunca tinha lido nada a respeito. Parece ser bem interessante, educação financeira é uma coisa tão importante mas nenhum lugar se propõe a ensinar, acho que envolve tantas coisas/pessoas que lucram com isso que o assunto acaba morrendo. O livro parece ajudar de verdade e fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  9. Oi Alisson
    Ainda não li esse livro, mas um professor o citou na época da faculdade. Não tenho o costume de ler livros desse tipo, mas esse é uma ótima opção para variar minhas leituras, afinal, nunca é demais quando se trata de lições para a questão financeira. Realmente, é um critica e tanto ao sistema de ensino, que incentivam as pessoas para estudarem cada vez mais e conseguirem os melhores empregos, mas a grande maioria não tem uma base de educação financeira e lidam com dinheiro com pouco ou nenhum planejamento. Por enquanto não pretendo ler, mas vou anotar essa dica e vou passar o titulo para uma pessoa que gosta desse assunto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Já ouvi muito falar nesse livro que é um clássico, mas ainda me falta um estímulo para querer lê-lo. Adorei a resenha, e apesar de ser positiva, não sei se seria uma leitura muito fluida para mim.

    ResponderExcluir
  11. Já ouvi muito falar desse clássico, mas nunca o li. Adorei sua resenha e apesar do livro ser bom e a avaliação favorável, ainda não sei se leria pois acho que a leitura não seria muito fluida para mim.

    ResponderExcluir
  12. Ainda não conhecia esse livro, mas achei curioso, e importante de ler e até por em práticas seus aprendizados e exemplos.
    Anotado aqui, vou procurar no sebo!!
    bjs

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia o livro e pelos quotes parece uma leitura interessante. Adorei conhecer o termo Corrida de ratos. Com certeza um livro que leria. Dica anotada!

    ResponderExcluir
  14. Eu ouvi falar muito desse livro quando estava na faculdade, mas não tive a oportunidade de ler. Com a resenha reacendeu a vontade de ler e, talvez, aprender um pouco mais sobre o papel do dinheiro na vida.

    ResponderExcluir
  15. Acredita que nunca ouvi falar desse livro? É clássico? Se sim, acho que eu deveria ler, mesmo que a premissa não tenha me chamado a atenção. Ler esse tipo de clássico é bem legal, pois sempre tem algo a acrescentar na nossa cultura, principalmente por se tratar de problemas financeiros. Gostei muito da sua resenha como de costume.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Já tinha ouvido falar deste livro, mas não tinha lido nenhuma resenha sobre ele rsrsr
    Confesso que este tipo de livro não me chama a atenção, mas gostei da sua resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Nunca li nenhum tipo de livro desse jeito mais gostei muito!! E também do quote “Uma das razões pelas quais os ricos ficam mais ricos, os pobres, mais pobres e a classe média luta com as dívidas é que o assunto dinheiro não é ensinado nem em casa nem na escola” (p. 22)

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.