Resenha: Fragmentados


Olá amores e amoras!

O autor Neal Shusterman nos mostra em Fragmentados que a criatividade do ser humano não tem limite, assim como a sua maldade e o egoísmo. Imaginem só uma sociedade em que a lei maior é a “Lei da Vida”, daí você pensa, “nossa, que bom! Uma sociedade distópica que valoriza a vida”, só que não meus irmãos. A Lei da Vida surgiu após uma guerra estourar entre os que defendiam a vida eos que defendiam o aborto e quando a guerra se estendeu a um nível insuportavelmente destrutivo eis que alguém surge com a solução que, PASMEM, foi aceita por ambos os lados.

A partir dali ninguém mais abortaria durante a gestação. Os pais ganharam o poder de decidir abortar os filhos quando eles estiverem na idade entre treze e dezoito anos. Confuso? Eu explico. Se nesse meio tempo os pais decidem que não querem mais os filhos eles os enviam para um processo de fragmentação (do dicionário: divisão; ação de fragmentar, de quebrar, de reduzir a fragmentos, a pequenos pedaços) e nesse processo o filho será dividido em várias partes e essas partes poderão ser vendidas, comercializadas por Campos de Colheita e vendidas para quem puder pagar mais. Assim, a pessoa fragmentada continuaria viva ao se tornar parte de outra pessoa. A Lei da Vida também permitiu que filhos indesejados possam ser abandonados pelas mães após o nascimento desde que essas não fossem pegas no ato e quem encontrar a criança torna-se responsável por ela, és eternamente responsável por aquilo que encontras. Sim, parece mesmo uma piada.


‘‘Só porque a lei diz, não significa que é verdade.’’

E é nessa sociedade cruel que nascem Connor, Lev e Risa. Connor tem um temperamento que o mete em várias brigas e por isso decepciona os pais o bastante para que eles o enviem para ser fragmentado enquanto que Risa foi uma criança abandonada e entregue aos cuidados do estado, e este permite que apenas os tutelados que mais se destacam em alguma área em especial sobrevivam e digamos que a garota é uma grande pianista mas não é a melhor, já Lev sempre soube qual seria seu destino pois os pais o tiveram como um dizimo a ser entregue ao Senhor na forma da fragmentação para que sua boa alma alcance e ajude pessoas por toda a parte.

Quando o destino coloca esses três jovens no mesmo caminho eles iniciam uma fuga com potencial catastrófico e que nos deixa alertas e a espera de que tudo dê errado e eles sejam capturados a qualquer momento e claro, torcendo para que isso não aconteça. Na estrada eles percebem o real valor de suas vidas e o quão errado é essa instituição que marginaliza pequenas falhas tão comuns a jovens da idade deles, antes de serem enviados para a fragmentação eles nunca se perguntaram ou se preocuparam o bastante o suficiente para questionar o sistema, mas agora que suas vidas são um bem do estado e estão sendo procurados eles começam a fazer questionamentos tardios, mas que podem levar a uma revolução.


A narrativa é intercalada principalmente entre os três jovens mas ao longo da história também temos alguns capítulos narrados sob o ponto de vista de outros personagens importantes e não vou entrar em detalhes mas há um capítulo em que um jovem é fragmentado e até ali ninguém sabia como funcionava o processo de fragmentação, e quando finalmente temos acesso a essa informação é chocante, cruel e abusivo, é dolorido. Impossível não sentir e sofrer a perda de cada parte fragmentada junto com o personagem.

Fiquei impressionada com a forma como o autor Neal Shustermann conseguiu transformar uma trama tão absurda em algo tão real e arrebatador que causa no leitor um sentimento de revolta tão grande quase como se acreditássemos que tudo que lemos realmente aconteceu. Que tipo de sociedade é essa que aceita que crianças tenham suas vidas destruídas apenas para que possam se manter sempre saudáveis e até mesmo por pura vaidade? Que tipo de pais são esses que sob as justificativas mais ridículas enviam seus filhos para serem cortados e vendidos como se não fossem nada?

O mais assustador de toda essa trama é que quase podemos imaginar nossa sociedade aceitando esse tipo de bizarrice. Alarmante né? Mas foi com essas bases que foi construída a melhor e mais reflexiva distopia que já li. Recomendo que leiam e que estejam preparados para uma leitura que irá causar impacto em sua vida e se tornar um grande favorito.

Abraços.

Fragmentados é o primeiro livro de uma quadrilogia homônima.

Título: Fragmentados
Autora: Neal Shusterman
Editora: Novo Conceito
Páginas: 320
Ano: 2015

32 Revelaram sentimentos:

  1. Adoro distopias e quando soube do que o livro abordava, já adicionei na minha meta. Acho que o autor foi bem criativo de inventar essa futuro, porque realmente pode acontecer. Estamos caminhando para um futuro incerto, infelizmente. Fiquei ansiosa pra acompanhar esses três meninos nessa aventura de burlar o sistema e de saber como é ser um fragmentado. Não sei pq me lembrei da deep web, onde tem pessoas que são comercializadas.
    Não vejo a hora de ler essa distopia *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nayane! Exatamente. Por mais absurdo que possa parecer essa narrativa conseguimos enchergar nossa sociedade chegando a esse nível de bizarrice.

      Boa leitura!

      Excluir
  2. Não dei muita atenção pra esse livro quando ele foi lançado e agora tô é com uma curiosidade enorme pra ler essa história. É bizarro esse negócio da fragmentação e de comercializar as partes...ai credo. Muito louco.
    Gostei de ver que essa ideia do autor acaba criando uma trama real e forte assim, mesmo com todas as crueldades e a sociedade bizarra que ele fez. Adoro ficar fula da vida com umas coisas assim xD
    Sabe, que dê essa revolta e uma vontade de justiça para todo mundo? É o tipo de leitura que dá vontade de devorar e se o livro consegue despertar umas coisas assim é muito bom. Deu vontade de ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cris! Também amo isso em um livro. Quanto mais me atingir (chocar, emocionar, enfurecer, etc) melhor <3

      Não foi atoa que se tornou favorito.

      Abraços!

      Excluir
  3. Realmente esta estória me pareceu mexer bastante com o leitor gerando uma revolta, pelo menos eu fiquei bastante revoltada com o tema abordado nesta trama distópica. Principalmente pelo país terem a decisão de desistir dos filhos, e poderem lhe enviar para fragmentação, por simplesmente seguir fora do padrão. Enfim, pela sua resenha e possível perceber que o autor conseguiu desenvolver muito bem todo este conteúdo por isso fiquei bastante interessada.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lana! É bastante revoltante mesmo esses pais egoístas que buscam os motivos mais idiotas para se livrarem dos filhos. Lei o livro e venha aqui me contar o que achou ;)

      Excluir
  4. Jéssica!
    Já tive oportunidade de ler esse livro logo que foi lançado e apesar de não aceitar muito bem a ideia da fragmentação, é uma das melhores e mais bem escritas séries de distopia que já li.
    Agora quero ler o segundo volume que já saiu.
    Desejo uma ótima semana!
    “Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada.” (Immanuel Kant)
    Cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy! Muito bom receber um feedback de alguém que já conhece a história.
      Vamos ler juntas rss vou ler "Desintegrados" neste mês <3

      Beijos querida!

      Excluir
  5. Oi, eu morro de vontade de ler, mas ainda não tenho.
    Já tinha lido a sinopse e resenhas várias vezes, mas o que me fez desejar ler foi o Book trailer que assiti, é incrível, triste e dá raiva ao mesmo tempo.
    Eu já tenho uma distopia favorita, mas quero ver onde vai dar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Serio Malu, não vi o booktrailer mas vou procurar então e quem sabe colocar no fim da próxima resenha para que outros possam ver também.

      Beijos.

      Excluir
  6. Olá, Jéssica!

    Recentemente o Fábio resenhou outro livro do Neil, O Ceifador, e já notei que seus livros pegam algo que parece impossível mas que nos faz refletir sobre o valor da vida, da diferença entre ética e moral e como nós distorcemos valores para atender nossas vontades sem pensar no outro. O modo como ele escreve faz todas essas ideias da "Lei da Vida", a principio bem absurdas, se tornarem muito reais, e assim começar a reflexão que o Neil quer propor.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Leti, pois bem menina! Depois de conhecer a escrita do Neil já fiquei louca pra ler O ceifador, esperando pra ver se ganho de aníver caso contrário irei comprar assim que der <3

      Abraços garota :*

      Excluir
  7. Eu geralmente gosto muito de distopias mas não explicar exatamente o que me incomodou nessa. Parece ser um livro que te prende e te faz refletir muito mas mesmo assim a história dele me deu um pouco de "preguiça".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maíra! Que pena que te causou esse sentimento, espero que um dia possa ler e ver que a "preguiça" passa rapidinho quando se está lendo esse livro que apresenta uma narrativa tão viciante <3

      Abraços!

      Excluir
  8. oi Jéssica,
    eu comprei esse livro hoje e estou contando os dias pra ele chegar!.
    Eu só tenho lido resenhas bastante positivas dele, estou com uma expectativa enorme para ler fragmentados.
    Amo distopia, e amei ver sobre o que se trata esse livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Hannah! Que bacana <3
      Depois vem aqui nos dizer o que achou, tenho certeza de que irá gostar bastante também.

      Beijos!

      Excluir
  9. Que ler esse livro, mas que coisa de louco essa historia de fragmentar os filhos se os pais quiserem abortar eles, muito estranho, achei deferente e deve ser muito angustiante essas cenas de fragmentação, e o fato de deixar o bebê abandonado e quem encontra é responsável, foi bem ousado e criativo o autor com tudo isso, fiquei imaginando se a nossa realidade fosse assim embora não estamos muito longe rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha Oi Maria, infelizmente estamos né!
      O autor foi bem ousado mesmo mas já percebi que se não for pra causar ele nem escreve rss

      Amei o livro e espero que se puder ler, goste tanto quanto eu. Abraços bonita ;)

      Excluir
  10. Oi, Jéssica!
    Não curto distopia por isso dificilmente eu leria Fragmentados, mas concordo plenamente com você, é revoltante as atitudes dos pais em relação aos seus filhos, enviando-os para serem cortados e vendidos como se não fossem nada, só de imaginar isso que com o estômago embrulhado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. *fico com o estômago embrulhado!

      Excluir
    3. Oi Anny, eu não me considero fã de distopias, só li duas antes dessa sendo uma delas Divergente que foi bastante decepcionante mas essa aqui vale a pena a leitura, é fantástica. Muito boa mesmo, se ler irá mudar sua opnião rss

      Abraços querida!

      Excluir
  11. A Novo Conceito tem uma grande diversidade de títulos seguindo mais ou menos por este mesmo gênero. Acho válido a editora publicar livros que tragam essa literatura pois já conquistou um bom público. Eu ainda não me encantei, mas fica a dica da resenha mesmo assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Georgia, obrigada pelo feedback meu bem. Espero trazer algo do seu agrado na próxima ou quem sabe te convencer a dar uma chance para "Fragmentados" quando trouxer a resenha de Desintegrados.

      Beijos!

      Excluir
  12. Oi Jéssica!
    Quero muito ler esse livro, a premissa me fisgou completamente e, de uns tempos pra cá fiquei ainda mais interessada em ler após ver tantos comentários positivos a respeito dessa trama absurda e cruel.
    Adoro distopia e achei essa muito intrigante e impactante por trazer um enredo que trabalha polêmicas sociais tão revoltantes e cruéis. Que absurdo a seleção e rejeição dos jovens pelos próprios pais! Essa trama tem potencial, acredito que será uma leitura bem angustiante ao acompanhar a luta desses três personagens principais.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Micheli!

      Sim! Muito absurdo não é mesmo?! Angustiante é pouco para descrever, o Neil nos deixou com o coração na mão várias vezes durante a narrativa haha ele foi meio sádico rss

      Abraços!

      Excluir
  13. Oi, Jéssica
    Sempre quis ler esse livro. Dizem que é mesmo perturbador. Só o booktrailer é assim.
    É fácil imaginar mesmo que a nossa sociedade criasse tais leis. Sou doida para ler esse livro, espero não demorar. Que bom que gostou tanto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Letícia!
      Espero que possa ler muito em breve e que curta a leitura.

      Beijos!

      Excluir
  14. Oi! Nossa, essa história parece mesmo bizarra kkk e é realmente alarmante pensar que a nossa sociedade pode aceitar esse tipo de coisa! Fiquei curiosa para saber mais sobre a história, então pretendo ler! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabriela, espero que seja uma leitura proveitosa e que possa voltar aqui pra nos dizer o que achou! Beijos ;)

      Excluir
  15. Oi, Jéssica!!
    Gosto bastante de distopias e fiquei bem curiosa com essa estória do livro!! Nunca li nada do autor mais quero muito!! Amei a indicação!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marta, fico feliz! Boa leitura amora :*

      Excluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.