Resenha: 1922


"Escuridão total sem estrelas" é um livro que reúne quatro contos do mestre Stephen King, onde ele explora o psicológico das pessoas que são submetidas a fortíssimas emoções e se veem sem rumo para buscar uma saída.

O primeiro conto, maior e melhor, o qual também trata essa resenha, chama-se "1922", ano em que se passa o principal acontecimento. Narrado em primeira pessoa, Wilf conta como e por que decidiu assassinar sua mulher. Só não contava e não estava preparado para todos os fatídicos acontecimentos posteriores.


Antes de mais nada, ele deveria convencer o filho de que aquilo era o certo a se fazer. Após conseguir o consentimento do filho, Wilf traça o plano perfeito para matar a esposa. Porém, o que era para acontecer com precisão cirúrgica vira uma tremenda lambança e o fato não foi tão fácil de consumar assim. Além disso, ele teria que ter muita paciência com os bisbilhoteiros, advogados da empresa para a qual sua mulher queria vender as terras herdadas pelo pai, motivo da desavença entre os dois.
"Acredito que exista outro homem dentro de cada homem, um estranho, um Homem Conivente. E acredito que, em março de 1922, [...] o Homem Conivente dentro de Wilfred James já tinha julgado minha esposa e decidido seu destino".
Antes de dar cabo totalmente da mulher, Wilf se depara com cenas bizarras, tortuosas e humilhantes pelas quais a mulher passou, jogada no antigo poço da fazenda. Ratos comem sua carne, uma vaca lhe dá um coice e deforma seu rosto. E essas imagens estarão para sempre na cabeça de Wilf.


"[...] As bochechas de Arlete, que costumavam ser belas e saudáveis, agora pendiam em retalhos. Não pode ser pior do que isso, pensei. Com certeza atingi o ápice do horror".
Quando nosso narrador está de bem com a vida e pensando que tudo vai acabar bem, as reviravoltas começam a acontecer. E é aí que o homem precisa mostrar que tem o psicológico forte para enfrentar todos os problemas que surgem. Wilf e seu filho não têm!!

Essa é de fato uma história que você começa a ler e não quer parar. Stephen King é mestre e mostra como fazer um conto de terror ter uma leitura fluida, sem interrupções e uma narrativa impecável. Dono de uma linguagem que segue uma cadência, única, ele pega na sua mão e te convida a entrar no âmago da história.



O desenrolar da trama é fantástico e você vai torcendo para que tudo acabe bem, porém, como o título do livro sugere, estamos todos às escuras.

O livro já foi lido pela minha pessoa uma vez e fiz a releitura desse conto especialmente para o mês do horror, pois é um conto que pede uma releitura! 



Título: Escuridão total sem estrelas (Full dark no stars)
Autor: Stephen King
Editora: Suma
Páginas: 390
Ano: 2015

8 Revelaram sentimentos:

  1. Marcos!
    Bom poder ler um King diferente em certo aspecto.
    Acredito mesmo que seja o melhor livro dele, porque é diferenciado dos outros, embora o 'terror' ainda esteja presente.
    A crítica tem sido maravilhosa em relação a esse livro.
    Gostaria de ler.
    “É prova de inteligência saber ocultar a nossa inteligência.” (François La Rochefoucauld)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Sei bem o tipo de coisa bizarra que o autor consegue criar e nossa, já começa com um troço que deixa a gente "ahh, super normal". Um cara indo matar a mulher e tentando convencer o filho de que é certo? Tá bom.
    E só posso imaginar o que tem nesse conto com essas cenas de rato comendo a mulher, vaca deformando o rosto dela e esse tipo de coisa. Porque se tem um autor que sabe fazer a gente imaginar é esse aí e só posso pensar em tudo mais que a trama reserva.
    Não sei se iria gostar taaaanto assim, mas parece um livro interessante só por esse conto. Fiquei curiosa pra saber como a situação termina e todos os problemas que ele passou com essa ideia doida aí.

    ResponderExcluir
  3. Tenho esse livro e estou ansiosa para ler, fiquei imaginando as coisas bizarras que acontecem com a personagem, pois assisti o filme e deu para visualizar a cena, fico impressionada com a criatividade do autor. A trama parece que foi bem elaborada.

    ResponderExcluir
  4. É um género que não me atrevo a ler, não gosto muito, nem em livros, nem em filmes... :p

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
  5. Olá Marcos! Eu vi o filme esses dias e gostei bastante. Vou arriscar ler o livro também no futuro, pois deve ser mais detalhado algumas cenas e outros detalhes. Gostei da resenha!

    Beijos

    Vivian

    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
  6. Oi, Marcos!
    Gosto muito das estórias do King, e com essa não seria diferente. Não li esse conto mais vou assistir o filme 1922 pela Netflix esse final de semana. Espero fazer essa leitura em breve também.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  7. Já tinha visto um resenha sobre esse livro e só li coisas boas. Tenho muita vontade de ler mais livros do King e to achando que esses livros de contos são um jeito de começar.
    A história desse me pareceu bem bizarra (de um jeito bom) e fiquei curiosa para ver o desfecho da história.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Marcos!

    Isso prova o seu ponto com o King que você falou na resenha de Último Turno: Você gosta mesmo quando o King faz terror!
    E nesse caso, eu estou no escuro sobre o que de sobrenatural e assustador pode acontecer ao Wiff para fazer ele pagar pela morte da esposa. E deixar essa no poço, passando por tudo aquilo enquanto morria é cruel (Apesar que não consigo entender como uma vaca pode dar um coice num corpo dentro de um poço.) Ele pode não ter o psicológico para matar, mas possui o sangue frio, mas isso não basta para sair impune, até mesmo em um conto de terror.

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.