13 dezembro 2017

Resenha: Nós matamos o cão tinhoso!


Olá,
Recentemente tive meu primeiro contato com um autor moçambicano, Luís Bernardo Honwana. O autor, nascido em Maputo em 1942 (na época a cidade se chamava Lourenço Marques), escreveu vários contos que retratam o quadro econômico e social do país, com a colonização portuguesa. 

Aos 17 anos, estudou jornalismo e em 1964 se tornou um militante da FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique), onde o objetivo era libertar Moçambique de Portugal. Devido a isso, foi preso e ficou encarcerado por três anos pelas autoridades. Quando enfim conseguiram a libertação do país, ele virou funcionário do governo e presidente da Organização Nacional dos Jornalistas de Moçambique. Seu conto de maior sucesso foi Nós matamos o cão tinhoso!, publicado em 1964. Quando, em 1969, a obra foi publicada em inglês, obteve grande reconhecimento internacional.



Esse seu conto, de maior reconhecimento, foi lido e emocionou diversas crianças e gerações em escolas. O autor Ondjaki mencionou que certo dia, na sua infância, uma história de um cão tinhoso ,que foi morto por outras crianças, pôs sua sala inteira em prantos. Esse conto era o de Honwana.

Na história nós temos um cão repleto de feridas pelo corpo, que nunca é acariciado por ninguém, e que é frequentemente hostilizado por outros cães conhecido como o cão tinhoso. Correm os boatos de que esse cão atravessou vários países, fugido da grande bomba, e por esse motivo ele está repleto das feridas que são um nojo. Esse cão vive perambulando pela escola e existe uma aluna em especial que tem muito carinho por ele, inclusive divide seu lanche com o cão tinhoso. 

Certo dia, o administrador decide que o veterinário deve sacrificar o cão. O veterinário por algum motivo, não quer executar a função, e pede para os meninos da escola fazerem. Sabendo que a garotada gosta de dar uns tiros, resolve que será uma boa ideia dar essa tarefa a eles. A garotada se anima com a ideia no início, porém, conforme a narrativa avança, você percebe que todos estão com medo de fazer isso ao pobre cão. Porém, mesmo não querendo fazê-lo, as crianças se sentem na obrigação, pois foi o administrador quem mandou. Esse é um retrato claro de quão submisso aquele povo era aos portugueses.



Temos outro conto que chamou muito a minha atenção, onde um trabalhador de plantação, já idoso, tem sua filha estuprada pelo capataz na frente de todos. Os trabalhadores, com dó do velho pela situação, se colocam à disposição para fazer lhe vingança. O velho, porém, morto por dentro, decide que é hora de voltar ao trabalho.

Apesar do tema pesado, é um livro escrito de forma leve, temos alguns outros contos que relatam essa situação do domínio e exploração dos portugueses, e todos são muito interessantes. Porém, senti certa dificuldade em me acostumar com a escrita, visto que temos bastante expressões não utilizadas no português do Brasil. É uma edição muito caprichada, e senti que a editora deu toda uma atenção especial a ela. Não temos economia de folhas, e a diagramação é muito confortável. Indico muito para quem ainda não leu muito sobre o tema, pois é de certa forma esclarecedor, nos concedendo um panorama geral de como as pessoas sobreviviam naqueles tempos de trabalho árduo.

Abraços.






Título: Nós matamos o cão tinhoso! (exemplar cedido pela editora)
Autor: Luís Bernardo Honwana
Editora: Kapulana
Páginas: 145
Ano: 2017

13 comentários

  1. Silvana, apesar de um pouco pesado, fiquei bem curiosa com esse livro!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  2. Achei o título do livro bem curioso hahahah!
    Mas não sou muito de ler :/

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o título e achei a capa muito bonita. Achei interessante a proposta do livro e ainda mais o engajamento do autor. E o livro retrata uma triste realidade daquele povo, né?

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  4. Primeiro: Adorei as fotos,
    Quando vi o título da postagem achei que era sobre comédia, mas percebi logo que não era o caso, me cortou o coração as duas histórias que você expôs, vou ficar um bom tempo pensando se leio ou não esses contos, mesmo você dizendo que é escrito de forma leve.

    Hiattos

    ResponderExcluir
  5. Aparenta ser um livro maravilhoso!
    Ótima resenha, não conhecia.
    Beijos.
    https://vinteedoisdemaio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nossa, mas pesado esses que contou. O do cachorro me daria uma tremenda pena porque adoro esses bichinhos, mas é interessante as coisas que ele faz pensar. E esse da garota estuprada é horrível só de pensar. Se tiver mais coisa no estilo seria tenso de ler, mas achei interessante pela reflexão que pode trazer. Não conhecia o livro.

    ResponderExcluir
  7. Muito triste os contos é uma crueldade fazer isso com o cachorro, coitado, deve ser uma agonia esse conto. O do estrupo também, já vi que é uma leitura que mexe com as emoções do leitor, ainda mais por saber como as pessoas eram tratadas. Mas também deve ser uma leitura gratificante saber mais sobre a colonização portuguesa e sobre essa escrita do autor que deve ser diferente.

    ResponderExcluir
  8. Os contos me pareceram bem pesados mesmo, apesar de serem uma analogia a toda questão politica do lugar de nascimento do autor acho que me emocionaria muito lendo o conto do cachorro, não tenho estrutura nenhuma pra nada relacionado a bichos.
    Mas o livro no geral parece ser muito bom.

    ResponderExcluir
  9. Silvana!
    Adoro livros de contos e tenho lido muitos.
    Parece que os contos, mesmo escritos há mais de 50 anos, mostra as dualidade políticas e que podemos até trazer para nossa atualidade.
    Cão tinhoso deve se referir a alguém ou alguma coisa muito perspicaz e esperto.
    Gosto quando o lado emocional é abordado.
    Parece um bom livro para ser lido.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  10. Poxa, parece ser um livro bem pesado e um pouco triste. Gosto um pouco de contos, e quero saber mais sobre o pobre cão. Mas, não entendi porque o livro tem vários outros contos e o título do livro é o mesmo que o do primeiro conto...

    ResponderExcluir
  11. Oi, Silvana!!
    Li esse conto o ano passado pois um amigo fez uma artigo sobre esse autor mais o conto principal escolhido para o trabalho dele foi justamente esse.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  12. Interessante essa ideia de mostrar o que passaram nas mãos dos portugueses naquela época através dos contos. Fiquei com o coração apertado lendo sobre esses dois que você citou, creio que apesar da linguagem leve alguns assuntos apresentados são bem pesados

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.