Resenha: Um amor incômodo


Olá,

Ano passado havia lido A filha perdida da autora Elena Ferrante e me encantado com seu jeito de descrever relacionamentos familiares. Devido a essa experiência maravilhosa, resolvi ler seu primeiro livro (porém, o mais recente lançado no Brasil), Um amor incômodo. Novamente fui pega de surpresa com a grande habilidade dessa autora, em desenterrar podres familiares e criar situações de competição dentro do âmbito familiar. Porém, confesso que dessa vez, achei o livro um tanto quanto confuso.



Temos Délia, que no dia do seu aniversário, recebe a notícia que sua mãe foi encontrada morta em uma praia, usando apenas um sutiã caríssimo. Sua mãe, que sempre foi uma mulher simples, sem luxos, usando a mesma roupa remendada por anos.

Por causa desse episódio, Délia volta à sua cidade Natal e confronta os três homens que desgraçaram a vida da sua mãe: seu tio Filipo, seu pai, e o amigo do pai, Caserta. Todos, com seu jeito agressivo, possessivo e egoísta, conduziram e contribuíram negativamente para a infelicidade de Amélia. Porém, aos poucos, Délia relembra que não somente os homens tiveram culpa na infelicidade da mãe: ela própria teve sua porcentagem de mentiras contadas na infância. Mentiras essas que faziam seu pai bater na mãe até ela sangrar.


Amélia sempre foi bonita, uma mulher que chamava a atenção com seus trejeitos, com seu cabelo escuro, com seu andar desinibido. Todas essas qualidades, desagradavam profundamente seu marido, que a culpava pelos olhares masculinos que atraía, e a punia com chutes e socos, desconfiava dela, pensava que quando virava as costas, a mulher vestia sua melhor roupa e saía por aí. E às vezes ele tinha razão.

Délia, por sua vez, guarda muito rancor da mãe, que a deixava um tanto quanto largada. Vivia com medo das agressões do pai, às vezes realmente acreditava na culpa da mãe. Quando Amália saía, tinha medo também de que não voltasse mais, que a abandonasse. Porém, em certos momentos, imitava a mãe, fazia as coisas que imaginava que a mãe fazia, queria ser como ela, e, depois de adulta, queria ser totalmente diferente dela. E nesse momento o livro fica um tanto quanto confuso, pois em certos trechos a identidade da mãe e filha se fundem, as atitudes ficam semelhantes demais, e você fica um pouco perdido.


O livro é curto, a fonte é grande, porém, a narrativa é um tanto lenta. A autora detalha bastante os pensamentos e intenções dos personagens, cogita atitudes que eventualmente poderiam ter tomado em certas ocasiões. Desfia a personalidade deles ao mesmo tempo com facilidade e profundidade. Consegue deixar a vida simples e complexa. Triste e esperançosa.

É um livro que recomendo com ressalvas, pela narrativa lenta e altamente descritiva. Pode ser que esses aspectos não agradem a todos. Mas com certeza é um livro incrível sobre família e relacionamentos familiares.

Abraços.








Título: Um amor incômodo
Autora: Elena Ferrante
Editora: Intrínseca
Páginas: 176
Ano: 2017

13 Revelaram sentimentos:

  1. Narrativa lenta e detalhista: duas coisas que odeio em livros :( infelizmente, vou deixar a dica passar, mas fico feliz por você ter aproveitado bem a leitura apesar das ressalvas

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Tenho muita vontade de ler Elena Ferrante. Todo mundo que conheço recomenda os livros dela e fiquei curiosa com esse livro sobre relações familiares um tanto abusivas, mas reza a lenda que a primeira relação abusiva que a gente tem é com a família então calha bem néh?!?! hahaha

    Jaci
    Pandora e Sua Caixa

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia este livro ainda, mas poxa uma pena a narrativa ser lenta. Tenho que comentar, adorei as fotos tiradas do livro, todas estão lindas!
    Bjs
    https://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Gostei da resenha Silvana. Já ouvi falar desta autora e apesar de achar a proposta do livro bacana, não seria uma leitura para o momento. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  5. Que sugestão maravilhosa!
    Não conhecia esse, a capa é ótima. Resenha show.
    Beijos.
    https://vinteedoisdemaio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Silvana.
    Eu vejo bastante elogios aos livros da autora, mas não sei porque não me interesso muito por eles. E esse ainda mais pela narrativa lenta e descritiva. Acho que não vou gostar. Livros assim demoram para a leitura engrenar, mesmo sendo curto parece que nunca termina.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Oi, Silvana!
    Infelizmente, leituras muito descritivas e arrastadas me desanimam muito na história. Nunca consigo passar da página 100 e acabo abandonando.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Nem fala em livro de amor, pq meu coracao esta 100% quebrado agora ahahah nao consigo nem pensar em nada romantico ahahaha
    Entao, meu primeiro cover saiu no youtube! Gostaria de te convidar para vê-lo e se inscrever no canal se gostar e falar pros migos <3 Essa ajuda seria ótima!!! Beijinhos https://www.youtube.com/watch?v=XOjBLK7UMb0&

    ResponderExcluir
  9. Queria ler uns livros dessa autora e já vi que tem alguns dela que iria amar. Esse não sei, mas gostei da ideia dele.
    Eu gosto de umas narrativas mais lentas e que fazem pensar. Mas aí tenho que estar no clima pra apreciar isso. Tem dia que só me faz é ler ainda mais devagar. Mas no geral achei uma história interessante.
    Meio doido isso de deixar a gente perdido aí com a personalidade da mãe e filha, as atitudes e tal. Mas talvez isso seja de propósito, não? Algo feito com algum sentido pela autora? Sei lá, me fez pensar nisso. Talvez seja só confusão mesmo, mas aí só lendo pra entender xD

    ResponderExcluir
  10. Silvana!
    Tão bom quando não conhecemos uma autora, mesmo atrás de um pseudônimo, e quando lemos seu livro, acabamos nos encantando com ele.
    Não li nada da autora ainda, mas sempre vejo bons comentários.
    Uma semaninha abençoada na paz do Senhor e FELIZ NATAL!
    “Celebrar o Natal é crer na força do amor, é isto que transforma o homem e o mundo. Feliz Natal!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  11. Eu li o outro livro da autora mas não gostei muito. Esse parece tratar de temas meio pesados de uma maneira mais poética mas a confusão dele e o fato de não ter gostado do outro não deixaram com nenhuma vontade de ler.

    ResponderExcluir
  12. Realmente, a história é um tanto quanto confusa mesmo, carregada de um pouco de drama... Tô sem entender nada ainda... Se trata da vida dupla, de uma mulher??? Mas, enfim, não sei se é um livro que eu leria!

    ResponderExcluir
  13. Por se tratar de família, pensei que seria uma historia mais comovente e amorosa, mas pelo visto me enganei, embora essas agressões são bem triste e comove, mas fiquei em dúvida se a mãe é o que pensam dela e o que aconteceu com ela. Pena a narrativa ser lenta e descritiva não tenho paciência com essas descrições pois acabam ficando tediosas.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.