15 junho 2018

Resenha: O Conde de Monte Cristo


Olá, recentemente tive o prazer de ler um dos meus livros favoritos da vida!! Estou falando nada mais, nada menos do que de O Conde de Monte Cristo. Jéssica, eu e mais um grupo de pessoas fizemos leitura conjunta desse clássico maravilhoso, que vem encantando cada vez mais pessoas. 

Nossa história é escrita e narrada por Alexandre Dumas, o mesmo autor de Os três mosqueteiros. Por meio dele conhecemos Edmond Dantés, nosso mocinho tão adorado. Edmond é jovem, primeiro imediato do navio Faraó. No mar, é muito admirado por seus companheiros de labuta, porém, invejado por Danglars, o contador no navio. Em terra, só a felicidade o aguarda: tem um pai que espera ansioso a sua volta, e uma bela catalã para amar.  

O Faraó está retornando para Marselha, e Edmond não vê a hora de estar em terra novamente para se encontrar com seus estimados, porém, no meio do caminho, uma desgraça! O capitão do navio é atacado por uma grave doença que o leva à morte e acaba deixando o comando nas mão de Edmond, além de uma tarefa: entregar uma carta na ilha de Elba. Edmond desconhece o destinatário e o conteúdo da carta, contudo, tendo prometido ao capitão que a entregaria, assim ele o faz. 


Quase ninguém do navio faz muita questão de saber o que Dantés vai fazer em Elba, somente Danglars, que segue cada movimento do nosso querido mocinho. 

Chegando em terra, Edmond desfruta da alegria de encontrar seu pai e sua amada catalã Mercedes, que o aguarda ansiosa para se casarem. Devido a morte do capitão, o dono do navio, Sr. Morrel, decide que vai nomear Edmond ao novo capitão. Ao saber disso, Danglars fica com mais inveja e decide que deve fazer algo a respeito. Já para o nosso protagonista a felicidade não poderia ser maior! Aos 19 anos vai casar com a mulher amada e conseguir um trabalho que lhe trará uma boa renda anual, com a qual poderá sustentar seu querido pai e a esposa amada. 

Mercedes possui um melhor amigo, o jovem Fernand Mondego. Este jovem espanhol ama profundamente Mercedes, que o rejeita pelo amor a Edmond. Quando este descobre que Edmond e Mercedes vão se casar, fica transtornado de ódio e ciúmes. 


A felicidade do jovem chama atenção da vila inteira, e muitas pessoas ficam ressentidas com o futuro sucesso de Edmond, e nem todos bebem à sua saúde. 

Às vésperas de seu casamento, Edmond é detido e preso. Todavia, sua acusação não lhe é revelada. Ele então é levado para o castelo de If, e lá permanece prisioneiro durante 14 anos. Quando enfim vê a chance de escapar, é abençoado novamente com uma grande fortuna, mostrando que apesar de todo o seu sofrimento, Deus não se esqueceu dele. E agora, munido de dinheiro e ódio, ele irá atrás da verdade e de vingança. 

Você deve estar pensando que minha resenha está totalmente cheia de spoilers e grandes revelações, mas garanto que essas são as primeiras 100 a 200 páginas do livro. Muita coisa acontece nas entrelinhas e você precisa prestar atenção para juntar nessa grande rede de traições, assassinatos, intrigas e mentiras. Alexandre Dumas constrói os personagens de uma forma que quase todos acabam interligados no final por algum acontecimento importante, ou nem tanto. 


Edmond Dantés consegue ser um personagem adorável que se transforma em um monstro vingador, capaz de cavar o passado de qualquer um, e jogá-lo na cara da sociedade com classe e um sorriso no rosto. Bondoso com quem lhe apetece, implacável com quem merece. Essa é a definição desse personagem fantástico. 

Preciso confessar que a forma como o autor nos apresentou a vida dos demais personagens me deixou fascinada! É como se eu estivesse em um canto, espiando o que cada um deles estava fazendo (“o que você faz quando ninguém te vê fazendo?!”♪♫♪). E essas coisas, devo lhe dizer, nem sempre eram bonitas ou aceitáveis. Então prepare-se para um novelão de primeira. Muitos personagens com passados estranhos e obscuros, personagens inocentes sofrendo na mão de gente ruim, muito dinheiro na parada, muito sorriso falso por trás de um aperto de mão, muita mentira durante um jantar sociável, mendigagem de gente rica, muito pobre arrotando caviar também, e também muito rico exaltando mais ainda a sua fortuna. Muito bandido de olho nessa fortuna, muita gente torcendo pela derrota de outrem. Traições, porém, também pessoas honrando sua palavra. O passado sendo revelado, e outras coisas ficando para sempre em segredo. 

Mil e trezentas páginas que eu não queria largar de forma alguma. Segundo livro preferido da vida, perdendo apenas, e por pouco, para Os miseráveis do Victor Hugo, voltado mais para a crítica social e mais para a desgraceira na vida dos personagens. Ambos, altamente recomendados para os apreciadores do sofrimento alheio. 

Abraços.

Outras fotos:






 

Título: O Conde De Monte-Cristo (exemplar cedido pela editora)
Autora: Alexandre Dumas
Editora: Martin Claret
Páginas: 1.304
Ano: 2017

13 comentários

  1. Oi, Silvana.

    O desenrolar da história, depois dos passados 14 anos, prende o leitor, pelo mesmo intrigar em relação aos próximos acontecimentos.

    O livro apresenta características marcantes e impetuosas.

    Ainda não o li, e não sei se teria coragem de encarar essa leitura. Mas, quem sabe um dia, né?

    ResponderExcluir
  2. Primeiro, não posso deixar de dizer que as fotos ficaram incríveis, com direito à participação especial do dog artista. Que bom que ao pegarmos um livro enorme como este, percebemos que a leitura voa diante de um enredo tão cheio de emoções e complexidade nos detalhes. Imagino que não deve ter sido nada fácil passar todo esse tempo preso sem dever e com certeza essa busca por vingança deixa o leitor ligado até seu desfecho. Eu também adoro Os miseráveis.

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho muita curiosidade de ler esse livro. Só vi o filme, mas já me falaram que ele é bem diferente do livro. Se um dia eu tiver a chance, vou ler!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir
  4. Silvana!
    Nossa! Que saudade..
    Li exatamente esse livro no ano do lançamento. Era assinante do Círculo do livro e amava os exemplares.
    O livro é maravilhoso!
    E o filme também, fizeram uma boa adaptação, se não assistiu, assista.
    Que o domingo seja abençoado!
    “Nunca sei se quero descansar porque estou realmente cansada, ou se quero descansar para desistir. “ (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  5. Oi Silvana,
    Eu li esse livro faz alguns anos, e lembro que gostei muito da história! Vendo sua resenha lembrei de tudo e fiquei com vontade de ler novamente!

    ResponderExcluir
  6. Oi Silvana,
    Tão bom reler livros que nos conquistaram né? Confesso que já tive oportunidade de ler o livro e não quis, sendo sincera não é muito meu estilo. Mas não nego, é bem escrito e tem um ótimo enredo! Tenho uma certa curiosidade sobre a adaptação e espero assistir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Amo esse livro, li a um tempo atras e se tornou um dos meus favoritos, lendo a sua resenha bateu aquela saudade, vou ter que reler novamente para me lembrar de partes que eu não lembro mais.

    ResponderExcluir
  8. Eu já tinha ouvido falar nesse livro mas nunca me arrisquei ali ele Apesar dele Ser Um clássico da literatura mas por sorte eu me encontrei com amiga minha numa livraria ir para passar o tempo enquanto esperava ela eu folheei os primeiros Capítulos dessa edição da Martin Claret e eu adorei ela principalmente o trabalho com a capa removível que eles fizeram

    ResponderExcluir
  9. Olá, Silvana!

    Não é a toa que O Conde de Monte Cristo inspirou tantos filmes, séries e até novelas. É um livro que mostra até que ponto o ser humano pode ir para conseguir o que quer: mentir, armar contra alguém, matar, entre outras coisas.
    Dantes é vítima de armações, mas ao sair do castelo de If, também arma e se vinga de quem o colocou nessa situação, perdendo aquela inocência que tinha antes de ser preso.
    No final, mesmo quando somos boas pessoas, também fazemos coisas inaceitáveis. A diferença é se realmente queremos fazer para ajudar ao próximo ou só por nossos interesses mesquinhos.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Que livrão hein!! Ainda não tive oportunidade de ler, mas quero muito. O personagem de Edmund passou por muitas provações, é normal que queira se vingar de quem o prejudicou, mas dai faz dele uma pessoa ruim e rancorosa, somente o carinho dos que gostam mesmo dele, pode fazer mudar suas atitudes. Sem dúvidas uma história e tanto!!

    ResponderExcluir
  11. Olá Silvana!

    Esta edição está a coisa mais linda né?! E as fotos também, adorei.
    Apesar de ser um clássico eu confesso que nunca tive muita vontade de ler ele e nem me interessei em saber mais sobre a história, mas agora lendo sua resenha a história me chamou bastante atenção e com certeza vou ler logo.

    ResponderExcluir
  12. O livro não li, mas o filme assisti umas 4 vezes e me emociono sempre. Alexandre Dumas era incrível para escrever e não é atoa que seus livros são considerados clàssicos. Um dia leio esse livro e me apaixono ainda mais pela història.

    ResponderExcluir
  13. Eu amo a adaptação desse livro, então acredito que deva amar muito mais a história em sua totalidade no livro. Amo tanto que coloquei o nome do meu gato de Dante, embora não fale como deveria ser pronunciado, e quando vou brigar com ele, o chamo de Edmond Dante! Pelos detalhes e tudo que tiveram que suprimir pra poder fazer um filme. Essa nova edição da Martin ficou sensacional, e embora o tamanho do livro assuste, quero muito fazer essa leitura! As fotos ficaram lindas!
    Bjoxx

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.