24 agosto 2018

Resenha: A Guerra não tem rosto de mulher

"Não sabíamos como era o mundo sem guerra... Até agora não conheço outro mundo...Por acaso existiram em algum momento?"
Trazer um relato humanizado e impressionante da Segunda Guerra Mundial sob a ótica feminina foi o que fez a autora e jornalista ucraniana Svletana Aleksiévich.

Como filha da vitória (nascendo na antiga União Soviética), a autora só conhecia os relatos dos homens heróis que participaram da guerra, uma história que negligenciava a participação de quase um milhão de mulheres. Por isso, a autora reuniu a história de centenas de mulheres que participaram ativamente da guerra (médicas, enfermeiras, padeiras, costureiras, guerrilheiras, sapadoras - que entre outras funções desarmavam minas - franco-atiradoras, entre outras).

O amor à Pátria, a crença "cega" em Stalin e a certeza da vitória fizeram com que essas mulheres implorassem, literalmente, por lutar. Muitas largavam famílias e filhos em prol de um bem maior que era a nação. Outras ainda meninas, com 16 anos, que cresceram durante os quatro anos de guerra. Algumas até viravam partisans (membros de tropas irregulares que lutavam contra a ocupação estrangeira, que neste caso era a Alemanha).

Diante da luta dessas mulheres nos deparamos com histórias inimagináveis. Relatos impactantes que me fizeram chorar do início ao fim. Mesmo diante do ódio, morte e sofrimento nos deparamos com gestos de amor e solidariedade presenciados e/ou praticados por estas mulheres guerreiras. Depois que a guerra acabou elas não tiveram o reconhecimento devido e muitas até sofreram preconceito por terem participado do front.

Entre uma das muitas histórias me chamou a atenção a de uma ucraniana que, para sobreviver à uma terrível fome, roubava e comia estrume de cavalo. Toda a sua família e metade da sua vila morreu. Ela só sobreviveu por causa deste ato de muita coragem.

Toda a força feminina está presente neste livro. Quer conhecer o lado cruel e humano da guerra, sem o floreio do heroísmo!? Então este livro é uma leitura indispensável!

Resenha: A Guerra não tem rosto de Mulher
Autora: Svetlana Alexiévich
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 392
Ano: 2016

5 comentários

  1. Olá... Como vai?

    Nossa, o blog está muito bacana! Uma resenha mais legal que a outra. Coincidentemente, acabei de postar uma nova resenha literária em blog, cujo livro é assinado por uma autora brasileira. Ainda que em perspectiva distinta daquela abordada em seu post, trago à tona algumas reflexões em relação ao lugar da mulher na contemporaneidade atual. <3

    Ficarei muitíssimo feliz com sua visita. :)

    Abraços,

    Jennifer.

    http://entrelinhasentrepautas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. ¡Hello!
    Beautiful photos. Great post.
    I'm your new follower. Follow for follow?
    Aprovecha La Vida Cada Día
    ¡Kiss!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Luana!

    Achei impressionante esse relato que a Svetlana faz das mulheres soviéticas que participaram da II Guerra Mundial e infelizmente ver que mesmo do outro lado do "Muro de Ferro", as mulheres ainda eram negadas a serem reconhecidas por sua pátria e seus compatriotas, mesmo com os sacrifícios feitos por ela para a vitória. Se não me engano, as mulheres de países capitalistas ao passarem por situação semelhante, acabaram se unindo e lutando por seus direitos, inflamando a luta feministas ao confrontarem os governos de seus países. Mas devido ao medo de trair a URSS (é o que penso ao ler essa resenha), as soviéticas não puderam fazer a mesma coisa, pois estariam contrariando o regime de Stalin. Curiosamente, a ideologia socialista propaga que todos deveriam, dentro de suas categorias, ter o mesmo salário , então em tese, homens e mulheres teriam os mesmos salários dentro de um mesmo emprego, mas ao ver os relatos, vemos que Stalin, mesmo representando um governo que deveria significar igualdade, ainda segregava homens de mulheres, indo contra o que sua própria ideologia prega, mostrando como o machismo estava estruturado na URSS.
    E essas mulheres pagam por essas segregações sem poder lutar contra, pois acreditam em Stalin e não queriam ser traidores da URSS. É assim, acabam esquecidas da historia até Svetlana as encontrarem.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Luana!
    Importante lermos livros do gênero que trazem uma visão diferenciada sobre a segunda guerra e uma amostra mais feminina sobre o olhar de quem participou de toda atrocidade.
    Svletana Aleksiévich. soube como jornalista trazer relatos impactantes e verídicos que trazem mais credibilidade ao livro.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Parece ser um livro bem marcante e de rico conteùdo sobre a guerra, que mesmo com o passar dos anos, nunca deixa de nos surpreender com os relatos. Gosto de livros que mostrem outras visões e fatos acontecidos. Creio que sera de grande fonte de conhecimento.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.