27 agosto 2018

Resenha: A maldição


"Mais magro". Além de ser o título original do livro criado por Stephen King, são as palavras que o velho cigano professa sobre Bill Halleck. Após um momento de uma distração insensata ao volante, Bill acaba atropelando uma cigana que vagava distraída por entre os carros, matando-a prontamente. Valendo-se da amizade de um juiz que adorava os seios de sua mulher e deveria ter-se acusado impedido (de julgar o caso), Bill escapa ileso de qualquer acusação. Ao sair do tribunal, porém, ele é confrontado pelo velho cigano, pai da cigana atropelada, que lhe toca o rosto e pronuncia as palavras.

Bill é um homem gordo com seus 111 quilos, e a cada dia vê seu corpo esvaindo pela balança de forma incômoda e assustadora. Certo de que estava sob a roga de uma maldição proferida pelo cigano, e longe de ter qualquer pessoa que acreditasse no mesmo que ele, Bill parte numa corrida desenfreada contra o tempo para reencontrar o velho cigano e convencê-lo a retirar a maldição e salvar a própria vida.

Criativo, mas às vezes cansativo, "A maldição" reflete situações em que a sociedade está acostumada a fazer justiça com as próprias mãos quando a justiça comum falha. Os personagens são criados sob a ótica de que tudo pode acontecer com qualquer um e por isso mesmo o sentimento da raiva está bastante presente neles, levando-os a atitudes impensadas, de ambos os lados.


A história se inicia bem, é corrida, desenvolvida e faz a leitura fluir. Porém, em algum momento King perde a pena e a história perde cadência, num pequeno momento onde nem a genialidade de King consegue dar conta. Quando um novo personagem entra em cena, contudo, narrando a história em primeira pessoa, o livro ganha nova vida a tal ponto de nos transportar para as páginas e fazer ficarmos felizes com o desenrolar.

Em suma (sem trocadilhos), "A maldição" é um livro em que podemos de fato assumir para nós o desespero dos personagens onde tudo parece jogar contra. O presente, entretanto, está no desfecho. Dono de uma sagacidade às vezes imoral, King nos banha em um fim surpreendentemente impensado e nas linhas da ironia, nos deparamos com um final bem... Stephen King!!

Título: A maldição (Thinner)
Autor: Stephen King
Editora: Suma
Páginas: 288
Ano: 1984 / 2012

7 comentários

  1. Marcos!
    Parece que King quis chocar seus leitores uma vez mais trazendo a essência da raiva através dos conflitos das personagens e sem pena dos pobres leitores desavisados.
    Sinto que em alguns trechos ele tenha perdido a 'mão' e a história tenha se tornado um tanto cansativa.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se fosse diferente, não seria King, não é? Rsrs

      Excluir
  2. Oiii Marcos

    Já li duas obras do King mas a narrativa do autor não conseguiu me prender. Por enquanto prefiro esperar amadurecer um pouco mais como leitora, quem sabe futuramente eu ainda acabe conferindo Maldição.

    Beijo

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ivy! Comigo foi bem diferente. Logo no primeiro livro foi amor à primeira leitura rsrs.
      Se vc um dia se interessar, posso te dar umas dicas de livros dele com narrativas muito mais acessíveis e fluidas. Tenho certeza de que vai gostar.

      Excluir
  3. Boa tarde,

    Eu ainda não conhecia esse livro do autor e ainda não li nada dele, mas ainda vou ler.....kkk...ótima dica...bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está na hora de conhecer então, meu querido! Rsrs

      Excluir
  4. Adoro os livros de Stephen King, sua imaginação é incrível. A maldição ainda não li, mas tenho muita vontade. As vezes a leitura de King se torna cansativa, mas mesmo assim é difícil de largar.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.