26 setembro 2019

Resenha: O aprendiz de assassino


Fitz é um garoto de seis anos que nunca conheceu o pai. Na verdade, Fitz ainda nem tem um nome, é chamado sempre de Garoto. Num determinado dia, ele se vê jogado pelo avô aos pés de um homem estranho, e ouve-o dizendo que não tem mais condições de cuidar do moleque e que o pai deveria dar um jeito nisso. Entre conversas, ele descobre que é da linhagem da realeza, um bastardo do príncipe herdeiro Chivarly Farseer.

O garoto então passa a ser criado pelo mestre dos estábulos do reino, Burrich, e começa a aprender o ofício de cuidar dos animais, e logo torna-se um protegido do serviçal. Com uma vida cheia de surpresas pela frente, Fitz descobre-se portador de um enorme poder que só aqueles com sangue real possuem. Denominado Talento, ele pode inserir-se na mente das pessoas. Indo mais além, o que nem todos conseguem, ele possui um poder que é considerado maligno e perverso, que pode acabar com sua própria consciência: comunicar-se com os animais. Ele nunca chega a conhecer o pai, mas como todo bastardo, é considerado um perigo para o reino, então o rei Shrewd prontamente o intima à sua presença. Ele tem planos para o garoto. Vesti-lo, alimentá-lo, educá-lo... para se tornar um assassino a seus serviços.

“O aprendiz de assassino” tinha tudo pra ser aquilo que diz a orelha do livro: “... é tudo o que o fã do gênero espera de uma ótima fantasia épica”. Mas vamos com calma. 


Robin Hobb cria uma história bastante simples com tons de fantasia. Ela é narrada em primeira pessoa, acompanhando os passos de Fitz desde que ele tinha seis anos. Ou seja, temos todo o ponto de vista contado por ele. Recorrendo à sua capacidade de descrição, a autora conta uma narrativa cujos capítulos são longos e muitas vezes monótonos, relatando o dia a dia do personagem principal. Assim, tem-se a impressão de que é de suma importância sabermos o que Fitz comeu no café da manhã, no almoço e na janta, quanto tempo ele demorou para arrumar o quarto e a hora em que ele foi dormir.

A criação das personagens que o rodeiam é aquilo que se espera de uma realeza que recebe um bastardo. Nem todo mundo gosta dele e por isso ele vai sofrer. Como o ponto de vista é dele próprio, ficamos à margem, focando nossas expectativas de acordo com as expectativas dele. Fitz, porém, foge do estereótipo, mas é criado à sombra de uma crise de consciência. A princípio temos um personagem que, mesmo criança, é dono de si e bastante batalhador. Porém, ao passo que se vê realizando as tarefas do reino, torna-se uma criança dependente, sensível, chorona e que se acha um lixo.


Hobb tem uma linguagem simples, suficiente para alcançar o público-alvo destinado, mas a falta de emoção na história pode ser um inconveniente para o mercado. Ou seja, o que se tenta passar aqui é que ela desenvolve uma história com muitos pontos originais, mas não os usa devidamente. Esse primeiro volume é bastante carente em termos de ação, isto é, ela tem todo um universo imaginário a seu dispor, mas os guarda para passagens curtas e efêmeras, alongando os capítulos com coisas desnecessárias. O enredo parece que foi criado à base do “vamos ver no que vai dar”; histórias secundárias, picotadas e jogadas no roteiro original, privadas de explicações mais contundentes, necessárias. As reviravoltas ficam guardadas para o final e pode-se dizer que não são surpreendentes. 

Sobre a edição: 
A nova capa é muito mais bonita que as antigas. O tom do azul é lindo e os detalhes em prata e o desenho do cervo condizem com o que passa na história. Além disso, a nova edição deixa de traduzir os nomes dos personagens, o que, para mim, foi essencial, uma vez que os nomes traduzidos das edições antigas chegam a ser ridículos. 


 

Título: O aprendiz de assassino (exemplar cedido pela editora)
Autora: Robin Hobb
Editora: Suma de Letras
Páginas: 375
Ano: 2019

19 comentários

  1. Olá, Marcos!
    A edição está muito bonita.
    Confesso que o livro não chamou muito a minha atenção, me aprece ser bem previsível. Adoro histórias fantásticas, mas por enquanto esse não vai entrar na minha lista de desejados.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Samanta!
      A edição está muito linda mesmo. Mas infelizmente, para mim, a história não fluiu muito.

      Excluir
  2. Marcos!
    Fico tão triste ver uma história que tem um potencial enorme de ser bem desenvolvida, mas fica à margem do que é esperado... principalmente por ser uma ficção fantasia que mistura poderes reais. E saber que será uma série, me deixa ainda mais preocupada... Será que os próximos também não terão tanta ação quanto este?
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rudy.
      As primeiras edições desse livro foram publicadas pela editora Leya. Tem muita gente que adora essa autora e essa trilogia em questão. Para mim, infelizmente, não deu muito certo. Mas caso vc queria ver algumas outras opiniões, no Skoob tem várias resenhas positivas dele. Dá pra fazer uma média rsrs

      Excluir
  3. Robin é o tipo de bandido/herói que sempre povoará nossa imaginação e sempre gostei muito do personagem. Seja em filmes ou livros.
    Por isso, fiquei encantada com esta nova edição, a capa está realmente linda demais e trazer isso do personagem, desde a infância foi um ponto muito gostoso.
    Amo fantasias, ainda mais quando tudo isso está meio ligado a laços familiares, segredos e? Magia!!!
    Com certeza, já quero muito poder conferir a obra!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!!
      Fico feliz que minha opinião não tenha influenciado sua escolha. Acredito que nada melhor do nossa própria experiência para avaliarmos um livro.
      Te desejo uma ótima leitura!!

      Excluir
  4. Ainda não li esse livro mas quero muito ler. Gostei do poder que o personagem tem, de falar com os animais. Mesmo que tenha uma narrativa monótona e cheia de descrições bobas, talvez isso ajude a montar bem a identidade do personagem. E, claro, tem sempre a esperança de que os próximos livros fiquem melhores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nil!!
      Espero que sua experiência seja melhor que a minha. Mesmo com essa fantasia, o livro não me cativou.

      Excluir
  5. Eu já conhecia a obra, mas somente pela versão antiga. Essa edição está simplesmente perfeita!! Ainda não tinha conhecimento que a saga tinha migrado para a Suma, agora o preço dos livros vai subir em valor considerável, infelizmente. Mas eu amei a edição e compraria haha.

    Beijos
    Imersão Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leyanne!
      Tem pouco tempo que ela está na Suma. E pode-se dizer que a Suma deu um banho na edição, né? Além da capa, a nova tradução está bem melhor. E, sim, o preço foi lá pra cima. (Aproveita que está rolando sorteio lá no IG ^^)

      Excluir
  6. Olá! ♡ De fato, a premissa do livro é ótima e o mesmo tinha tudo para ser um sucesso dentro do gênero, uma pena que ele peca tanto em certos aspectos.
    Tenho receio quando o autor da muita importância em narrar o dia a dia do personagem principal, pois muitas vezes acontece de o livro ficar muito cansativo e com muitos detalhes pouco relevantes para a obra, principalmente quando os capítulos são longos.
    É uma pena que a autora não desenvolveu os pontos originais da obra, pois isso com certeza teria feito toda a diferença.
    Fiquei decepcionada ao saber que o livro carece de emoção e ação, duas coisas que acho essenciais nesse tipo de livro. Também preso por várias reviravoltas, que de fato me surpreendam.
    Eu achei essa capa tão linda, azul é a minha cor favorita! ♡
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rayssa!
      Infelizmente esses foram os aspectos que fizeram com que não vingasse pra mim.
      Mas vale a pena dar uma conferida em outras resenhas. Muita gente ama essa série.

      Excluir
  7. Oiii ❤ Nossa, adorei que Fitz pode se comunicar com animais e que pode entrar na mente das pessoas, são ótimos poderes.
    Que plano cruel esse do rei de transformar uma criança em assassino, que errado.
    Capítulos muito longos e monótonos tendem a me deixar cansada e daí começo a enrolar para terminar de ler.
    É uma pena quando histórias tão boas e originais se percam no caminho e não sejam tudo o que prometem. Pra mim, emoção é muito importante num livro.
    Ainda assim, parece uma boa leitura, mas não sei se leria.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rayane!
      Se está em dúvida, sugiro que leia alguma outra resenha. No Instagram, no Skoob, tem muita gente indicando e falando super bem da série.

      Excluir
  8. Oi!
    Edição lindíssima!
    Essas histórias em que o personagem começa inocente e depois descobre que tem poderes sempre deixa alguma lição para nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giovanna!
      Muitas histórias são assim, mas confesso que nessa nada encontrei =\

      Excluir
  9. Olá!
    Pensava que o livro seria uma ótima fantasia, onde o feiticeiro seria o melhor de todos, mas mesmo assim fiquei um tanto curiosa pela historia. Espero que em algum momento eu possa ler ele!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lily! Se tiver interesse, leia sim.
      Aí, como sempre digo, vc pode tirar as suas próprias conclusões a respeito do livro.

      Excluir
  10. Oi, Marcos
    Ainda não conhecia as outras edições do livro.
    Realmente a capa é lindíssima com esse tom de azul, as letras foi título perfeitas.
    O dom de Fitz é nobre, maravilhoso poder conversar com os animais e entrar na mente das pessoas só que todo domingo tem que saber dominar. E criar uma criança para ser assassino e usar para o bem do Reino claro que em alguns momentos Fitz vai sentir tristeza, conflitos consigo mesmo.
    Quero muito poder ler, beijos.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.