08 outubro 2019

Resenha: Através do Vazio


Através do vazio (sinopse)
É Natal de 2067.

Os acordes de uma música natalina ecoam pelo que restou de uma espaçonave que flutua pela escuridão. Lá dentro, May desperta lentamente - a única sobrevivente de um acidente desastroso na primeira viagem tripulada a Europa, a lua de Júpiter.

Sozinha no vazio do espaço, em uma nave caindo aos pedaços, May tenta desesperadamente reencontrar o caminho para a Terra. A única pessoa capaz de ajudá-la é Stephen Knox, um cientista brilhante da Nasa… e um homem que ela magoou profundamente antes de partir.

Enquanto ela batalha pela própria sobrevivência e sinais de sabotagem começam a vir à tona, a voz de Stephen parece ser a única coisa capaz de atravessar o vazio insondável do espaço e levá-la de volta para casa em segurança.


Sobrevivendo no espaço
Através do vazio é uma ficção científica lançada pela Suma esse ano e é o primeiro livro do gênero escrito pelo autor S. K. Vaughn. Como a própria sinopse diz, esse é um thriller de sobrevivência no espaço, onde vamos acompanhar a comandante May em sua batalha para se manter viva em uma nave vazia.

Como se não bastasse estar sozinha na nave, May acorda sem lembrar de nada. Sua memória de longo prazo está intacta, mas a de curto prazo desapareceu. Essas memórias são importantes para saber o que aconteceu com a nave, que se encontra em total escuridão e totalmente deserta, sendo ela a única sobrevivente de alguma catástrofe. Mas ela sabe que isso pode ser resolvido depois, pois sua principal prioridade é restaurar os sistemas da nave e entrar em contato com a central da Nasa para poder conseguir alguma chance de resgate.

Enquanto não consegue contato, sua única companhia é a IA (Inteligência Artificial), que assim como May, não tem registros do que aconteceu e também não consegue se comunicar com outras partes da nave. Sendo assim, as duas se juntam para conseguir colocar tudo em ordem. O problema é que quanto mais investigações são feitas mais claro fica que os problemas apresentados não poderiam ter acontecido por acaso e sim por alguém.

Através do vazio foi uma leitura controversa porque ela consegue ter um início interessante, porém, arrastado, e um final elétrico, porém, parecendo um novelão. No início do livro, você fica curioso para saber o que pode ter acontecido para a nave ter chegado naquele ponto, mas em compensação o livro só vai engrenar depois de 150 páginas. Até tem coisas interessantes nesse período, mas quase sempre muito lentas. O livro fica revezando entre o período atual e flashbacks, geralmente contando da relação entre May e Stephen, seu marido.


Esses flashbacks são claramente desculpas para dar mais impacto ao que irá acontecer no capítulo do presente e em sua maioria são pouco interessantes. O lado bom é que os capítulos são bem curtinhos, então você dificilmente passará mais de 2 ou 3 páginas lendo sobre o passado.

Mas depois das 150 primeiras páginas - de um total de 372 - o livro engrena e fica muito melhor de ler. Eu comparei muito a escrita do Dan Brown neste sentido, um mistério que começa morno e que vai esquentando mais com o decorrer do livro, ficando frenético e com capítulos pequenos. Nesse período a May descobre coisas muito importantes e também passa por muitas situações difíceis, sendo legal acompanhar como ela faz para conseguir se manter viva. E apesar do plot twist sobre o mistério da possível traição não ser surpresa para ninguém, é legal legal a forma que se desenrola.

O mal é que perto do final muitos desastres já aconteceram, mas o autor continua empurrando mais e mais, o que acaba virando um pouco de novela mexicana e, convenhamos, com pouco plot twist. Mas, para uma primeira viagem - piadinha não intencional - do autor é uma boa estreia no lado da ficção científica. É um livro que talvez seja bom para quem quer começar a ler mais sobre o assunto. A maioria dos “erros” são por excesso, então é algo que pode ser ajustado em livros futuros.

Só recomendo esperar baixar um pouco o valor do livro para poder adquirir, mas se te der muita vontade, vai em frente. Tirando isso e apesar dos pesares o livro leva 4 estrelas, pois consegue divertir e prender o leitor depois de um certo tempo.


Título: Através do Vazio (exemplar cedido pela editora)
Autor: S. K. Vaughn
Editora: Suma
Páginas: 374
Ano: 2019

8 comentários

  1. Fábio!
    O livro parece ótimo, bem no estilo que gosto.
    Ao começar a ler a resenha, tive a sensação de ter assistido um filme com temática parecida, pena que agora não lembro o nome, mas enfim, como amo fic~]ao científica como você diz de raiz, fiquei curiosa por saber como tudo se desenrolou e o por que de tudo ter acontecido, ainda mamis com a origem dela.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rudy

      Olha, espero que possa ler e goste. Tem alguns filmes parecidos mesmo, aquele Perdido em Marte é um exemplo. Mas como você é acostumada com ficção científica, talvez acho um pouco mais fraco que os outros, mas ainda assim vale arriscar.

      Excluir
  2. Admito mais uma vez que ficção científica não é meu forte..rs Mas em contrapartida(a louca) adoro isso e naves espaciais, mas oh, gosto assim, com esta mexida no espaço. Tipo aliens ou no caso do livro acima, esse acordar ali, no espaço, numa nave caótica e sem saber de nada o que houve.
    Recordou nem que por cima, bem por cima, Perdido em Marte, então talvez tenha sido isso que tenha prendido minha atenção.
    O ruim foi ter lido deste arrastar na história. Sei lá se minha pouca paciência daria para ler.
    Mas mesmo assim, se tiver oportunidade, darei uma chance. Não sei os motivos, mas tudo que envolve o Vazio me agrada..rs(piadinha infâme)
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá =D

      kkkkkkk que conflito de sentimentos em? Faz o seguinte, espera o preço abaixar um pouco e ai arrisca kkkkk Essa acho que você só vai saber arriscando mesmo.

      Bjs

      Excluir
  3. Olá!
    Livro assim acho que eu leria super na boa, gosto bastante dessa coisas de ciência e ficção cientifica, principalmente quando envolve espaço. Pelo inicio do livro lembra-me o filme gravidade, só um pouquinho. Gostei muito, tem uma ótima premissa e com certeza quero ler.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lily

      Arrisca, possa ser que você goste. Ele lembra mesmo Gravidade e Perdido em Marte.

      Excluir
  4. Oi, Fábio.
    O livro me atrai muito por causa da capa, só que infelizmente seu texto me deixou a impressão de que eu vou odiar o livro. Não gosto de enrolação, sabe? Se tem que acontecer algo então vai de uma vez, e se esse livro tem esse problema nas 150 páginas inicias eu já penso que é muita coisa para eu perder o tempo lendo. De todo mais me lembrou um pouco de Perdido em Marte e Gravidade.

    Silviane, blog Memento Mori • Participe do Top Comentarista de Outubro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Silviane.

      Ele lembra mesmo esses dois filmes que você citou. Ai que ta a contradição da coisa, apesar de ser lento no inicio, ele é interessante, porque você fica curioso para saber o que vai acontecer. A capa é realmente muito bonita.

      Excluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.