Resenha: Os despossuídos

Por Je Vasques •
14 fevereiro 2020

Eu não tenho certeza se vou conseguir especificar nessa resenha tudo o que senti e entendi lendo esse livro, mas juro que vou tentar. Essa é minha primeira experiência com a Ursula, e mesmo indo preparada, pois me falaram que seria difícil, eu confesso que não imaginava o tanto. Eu demorei dois meses para ler, marquei o livro todo, e gastei quase três bloquinhos de post-it, pois acabou a cor e eu fui alternando, rs. Não conseguia ler em qualquer horário, porque precisava de toda a minha atenção, e, mesmo assim, ainda acho que deixei passar detalhes e que deveria ler mais uma vez. 

Aqui teremos dois planetas gêmeos, Urras e Anarres, sendo Anarres, na verdade, a Lua de Urras. Em Urras as pessoas vivem no sistema capitalista, bem parecido com o nosso. Em Anarres, a lua de Urras, temos o anarquismo. Em algum momento, todos os humanos moraram em Urras, até que rolou uma rebelião anarquista e eles, literalmente, se mudaram para a Lua. Anarres então passou a ser um planeta autossuficiente e começou a criar a sua sociedade baseado no anarquismo e comunismo, e se afastou totalmente dos outros planetas, principalmente Urras. 

Nós vamos acompanhar Shevek, um físico que mora em Anarres. A sociedade de Anarres é totalmente baseada na ajuda mútua e na não propriedade. Eles não entendem o conceito de dinheiro, venda, nem os conceitos de hierarquia. Todo mundo está no mesmo nível e se ajuda da mesma forma. O trabalho não é nada parecido com o nosso, eles estão sempre revezando entre os postos, e todo mundo trabalha um pouco em cada coisa. É utópico, mas construído de forma tão redonda pela autora, que fica totalmente possível. Ursula pensa em absolutamente tudo. E isso fica claro quando Shevek vai para Urras. 


Shevek tem uma fórmula que pode mudar as formas de comunicação entres os planetas, e acredita que o tempo não acontece de forma contínua e sim de forma simultânea. Tudo acontece ao mesmo tempo, e ele quer compartilhar essa forma de comunicação e essas descobertas com o mundo. Porém, Anarres se formou quando as pessoas começaram a acreditar que a forma de vida capitalista não fazia sentido, e por isso não querem nenhum contato com outros planetas depois da sua revolução, e acham que Shevek é um traidor. Fiel ao que acredita e sedento por compartilhar seu conhecimento e conversar com pessoas que entenderiam sua pesquisa, ele vai até Urras, e é impressionante e extremamente inteligente, os questionamentos que ele tem e a forma como Úrsula pensa em tudo. 

Ele fica chocado com a pobreza e a desigualdade, pois, no planeta dele, eles acreditam que se for para passar fome, todos vão passar juntos. Eles comem em refeitórios, não existe sua própria comida, tudo é feito para todos e dividido. Quando tem filhos, eles não ficam com os pais, pois isso também é um conceito de proprietário, como eles falam, e não é incentivado. As crianças vão para dormitórios em uma determinada idade, e ficam com os pais algumas horas do dia, se os pais quiserem e estiverem nas proximidades. Como o trabalho é revezado, a qualquer momento você pode ser transferido para um lugar distante e não ver a criança durante anos. A mesma coisa acontece com sua parceira, que você pode ficar sem ver, se não forem alocados na mesma região. 

Em Urras isso obviamente não existe, mas tudo está indo de forma descontrolada para o abismo. Muito dinheiro, muita desigualdade, o consumo desenfreado do planeta, a total falta de empatia e ajuda das pessoas. Em Anarres não existem animais, assim como não existem muitas outras coisas, e eles são todos veganos. Comer carne em Urras é uma coisa estranha e nada agradável para Shevek. E isso é apenas uma das questões que ele levanta. Existe a real necessidade dessa forma de consumo? Como isso afeta o planeta? 

Outra coisa discrepante é a forma como as mulheres são retratadas. Em Urras ela são extremamente sexualizadas e não fazem nenhuma atividade. Em Anarres, são iguais os homens, com direitos iguais, participantes de pesquisas e da comunidade. Em Anarres também, a forma que a sexualidade é tratada é de forma muito mais simples e clara, e em Urras, a necessidade de posse torna tudo muito mais complicado. Tudo é isso é um choque de culturas para Shevek.


Ursula traz, de forma intensa e detalhistas, questões que servem ao nosso tempo com perfeição. Ela nos fala sobre o consumo desenfreado, situação social, liberdade, propriedade. A crítica social permeia o livro todo, é de crítica social que ele é feito. Em duas linhas temporais, ela nos conta em uma delas, como funciona Anarres e como Shekev, desde criança, cresceu para se tornar o físico questionador que iria para Urras no futuro. E na outra, o que essa viagem causou ao físico e os questionamentos que ele vai levar para a vida toda. 

É um dos livros mais difíceis que já li, e mesmo que a autora tenha o dom de escrever de forma mais simples possível, ainda sim fiquei um pouco perturbada. Não só pelas coisas que pensei e anotei. Algumas explicações físicas aqui foram demais para mim, e algumas filosofias me deixaram com a cabeça explodindo. Eu acho o capitalismo, sim, terrível, mas o comunismo estaria isento de erros? Tem uma passagem que Anarres enfrenta uma seca, e a comida chega a níveis alarmantes, a ponto de, pela primeira vez, eles cogitarem roubar de outras pessoas. 

Eles vivem a pouco mais de cem anos nessa sociedade, e ainda existe muita coisa que pode destruir a estabilidade que eles têm. Se nenhuma forma de hierarquia existe, eles vivem a liberdade em sua plenitude. Mas será que são livres realmente? Vivendo em sociedade, é possível a liberdade sem nenhum tipo de ordem hierárquica? Todos realmente vivem nesse sistema ou estão tão condicionados a ele que não percebem a hierarquia subliminar que está em todos os casos? E você, como indivíduo, pode ter suas próprias coisas, ou isso é errado e vai contra o que somos desde o princípio: uma sociedade?

Eu sei que já escrevi mais do que qualquer outra resenha que já fiz aqui, mas ainda não falei nem o começo do que Os despossuídos causou em mim. Se você gosta de ficção cientifica, e questionamentos enormes sobre seu papel na sociedade, liberdade e consumo, esse é o seu livro. Se gosta de ficar um pouco louco, e debater assuntos que permeiam nossa sociedade, sem dúvidas, é o seu livro. Se puder ler com amigos, recomendo ainda mais, esse é um livro para ser discutido. E não leia com pressa, nem fique nervoso se sentir que as páginas não terminam e você não anda na narrativa. É para ser lento, e para ser lido com a atenção plena e mente aberta.


Titulo: Os despossuídos (exemplar cedido pela editora)
Autora: Ursula K. Le Guin
Editora: Aleph
Páginas: 384
Ano: 2019
Compre: aqui

Comentários via Facebook

8 Revelaram sentimentos:

  1. Que resenha especial!!!
    Puxa, estou aqui olhando para a tela sem saber direito o que escrever após ter lido tudo isso e ao mesmo tempo, ter a certeza de que li apenas a pontinha do iceberg.
    Ainda não conhecia o livro e nem conheço as letras da autora, mas claro que já vou atrás para ontem.
    Não apenas por ser ficção, um gênero que eu não entenda muito,mas por trazer tantos questionamentos pertinentes ao mundo que vivemos e a vida que vivemos!
    Já quero!!!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Angela,

      Obrigada! A leitura desse livro é uma viagem e um aprendizado enorme! Espero que você consiga conhecer a autora em breve, não tenha medo, a experiência será ótima, tenho certeza!
      Beijos

      Excluir
  2. Olá! Ainda não conheço a escrita da autora, e não é por falta de indicação, esse livro me foi muito bem recomendado por um colega, justamente pela maneira que ele aborda tantos assuntos complexos, que nos farão refletir por algum tempo, esse é um gênero que não leio muito, mas que cada dia me agrada mais, por trazer temas que estão (infelizmente, e na medida do possível) cada dia mais próximo da nossa realidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Elizete,

      Que bom que já te recomendaram esse livro, ele vale a pena mesmo! É impossível não ficar reflexiva sobre os assuntos abordados, tudo está próximo demais da nossa realidade, e fazer esse paralelo é inevitável e necessário.

      Bjs

      Excluir
  3. Je!
    A autora traz sempre em seus livros, esses questionamentos sociais, incluídos em sua ficção, o que torna tudo ainda mais intenso, porque de alguma forma, identificamos nossa sociedade nos 'mundos' que ela cria e nos traz a reflexão do que pode ser ou não o melhor, e, que nada é perfeito.
    Acabei de ler um conto dela lançado pela Editora Morro Branco e traz também questionamentos.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Não tinha conhecimento da autora, fiquei um tanto curiosa pelo livro. A trama é bem interessante, e a forma de como a autora aplicou na historia sobre politica. Estou bem interessada pela leitura. Procurarei para ler!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  5. Oi, Je
    Uuuuuau, amei sua resenha! Parabéns!
    Eu já queria ler outros livros da Úrsula,mas esse eu ainda não conhecia.
    E ele parece ser muito interessante.
    Com muitas críticas, nos faz refletir sobre a sociedade e parando para pensar, sempre terá coisas boas e ruins né, tanto o capitalismo, quanto o comunismo são dilacerantes para a humanidade.
    Já vai pra lista com certeza.
    elvisgatao.blogspot.com.br
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá, Je
    Não conheço a escrita da autora, mas depois de ler sua resenha tenho que conhecer a escrita dessa mulher.
    Um enredo que envolve o leitor e leva a comparar e pensar sobre a vida, quais os impactos das nossas escolhas como sociedade.
    Vai para a lista de desejos, beijos.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.

Instagram

© Revelando Sentimentos | Resenhas de livros – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in