Resenha: Quando finalmente voltará a ser como nunca foi

Por Caroline Ribeiro •
21 novembro 2020
"A grande naturalidade com que os habitantes de Schleswig tratavam essas pessoas tão especiais era surpreendente. Certa vez, vi dois pacientes se despirem em plena zona de pedestres, começarem a dançar e a cantar um hit do momento. Os moradores se limitavam a sorrir e dizer:

-Vamos, vistam-se. Já está bom."
Em casa no hospital psiquiátrico. Essa frase consta na contracapa do livro e é a definição perfeita para a história em questão. Por vezes não sabemos se o hospício está dentro ou fora da casa do personagem principal e, até mesmo, se a loucura está dentro ou fora de sua cabeça. Em Quando finalmente voltará a ser como nunca foi Joachim narra suas aventuras completamente loucas e muitas vezes fadadas ao fracasso. Com o pai que dirige um hospital psiquiátrico, a mãe não muito contente da vida que tem e  dois irmãos malvados, não o sobra muita lucidez.

Me surpreendi positivamente com esse livro. Gosto bastante de livros que nos trazem personagens infantis ou infanto-juvenis complexos (melhor ainda se vier acompanhado de problemas mentais, como é o caso) e o Joachim é um prato cheio. O livro foi escrito do ponto de vista do garoto e desde o primeiro capítulo (genial na minha opinião) já nos arrebata com a sua inteligência e loucura.


Cada capítulo é uma espécie de conto, que na sua grande maioria se interliga com os demais, e ao longo do livro nos são apresentados altos e baixos de boa parte da vida de Joachim com a participação da sua família, alguns internos do hospital psiquiátrico e algumas outras pessoas que cruzam a vida dele ao longo dos anos. Porém, acredito que uma das características mais especiais e que me fizeram gostar tanto do livro foi o humor contido nessas páginas.
“Eu adorava essa gritaria, essa partitura de vozes noturnas. E me esforçava para permanecer acordado, para não cair no sono. Como se acumulavam e se erguiam! Como se avolumavam e diminuíam! Ecos nos desfiladeiros da instituição. Eu gostava de ouvi-los. Gostava de dormir embalado por eles.”
Lendo algumas resenhas alheias reparei que um fato bem marcante da história acabou incomodando alguns leitores: Joachim é completamente doido, por vezes mais doido que os próprios pacientes do hospital psiquiátrico, e absolutamente ninguém, nenhum de seus familiares parece perceber ou querer corrigir isso. Na realidade encarei esse fato como mais um ponto humorístico na história. Era nítido, desde o primeiro capítulo que Joachim seria uma “figura” e se alguém tentasse impedi-lo o rumo seria outro e certamente não seria tão bom. Sinceramente, por vezes fiquei na dúvida se aquilo vinha da cabeça do personagem ou se realmente era a realidade.

Espere grandes emoções nessa leitura. Espere compaixão, alegria, raiva e tristeza. Por mais que o livro seja de forma geral divertido, ao longo dos anos o ser humano vai se degenerando e com isso doenças aparecem. Talvez tenha caído um cisco no meu olho durante uma ou duas cenas… Também espere plots. A cada capítulo temos algum evento acontecendo mas, em determinado momento, Joachim já está “grandinho” e parece que a história estaciona, no entanto, se prepare para grandes emoções, já comentei.


Infelizmente, mesmo com toda a diversão e interesse na história, tive um problema com a fluidez do livro. Em vista do seu número de páginas relativamente pequeno acabei demorando mais do que o normal para finalizar a leitura e, por isso, acabei descontando um pouco na nota, mas mesmo que soubesse desse detalhe teria encarado a leitura da mesma forma, vale a pena.

Quanto a edição do livro, tenho apenas elogios. Começando por essa capa linda e diferente, com Joachim fantasiado e, para mim, remetendo a sua personalidade gritante e por vezes raivosa. Eu teria muito o que falar da capa, mas sigamos para a diagramação muito boa por sinal e para a fonte utilizada que não tornava a leitura pesada. Outro ponto válido para ser mencionado é o desenho de gato nas contra guardas, quando recebi o livro de cara já me interessei por eles, mas quando chegamos no ponto da história em que o desenho é citado ele ganha outro significado (ainda melhor).
“Sentia uma agradável comoção ao ler a longa lista de efeitos colaterais; além disso, ficava impressionado com os muitos termos científicos, cujos significados eu desconhecia e gostava de lê-los em voz alta.”
Outras fotos:




Título: Quando finalmente voltará a ser como nunca foi (exemplar cedido pela editora)
Autor: Joachim Meyerhoff
Editora: Valentina 
Páginas: 352
Ano: 2016
Compre: aqui

Comentários via Facebook

9 Revelaram sentimentos:

  1. Vi uma resenha recente sobre esse livro nos ultimos dias, e fui pesquisar sobre, e me interessei pelo livro. Sendo uma autobiografia, de uma criança que cresceu vivendo dentro de um hospital, me deixou mais curiosa. Dá pra notar que nao deixa claro que o autor tenha algum transtorno mental tb, mas pelo visto ele tem altos e baixos no humor né...curiosa por esse livro!

    ResponderExcluir
  2. O mais interessante pra mim é ser uma história real.
    Joachim teve uma infância ímpar. Cercado por muitas pessoas mas ao mesmo tempo invisível

    ResponderExcluir
  3. Caroline!
    Achei a capa bem expresiva.
    Quanto ao enredo.. bem, não entra na minha cabeça que os pais trabalhem em hospital psiquiátrico e não observem que o filho tenha algum distúrbio mental...
    Fiquei interssada na leitura porque gosto quando há distúrbios psicológicos, principalmente com crianças.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Só tem alguns dias que conheci esse livro e achei genial não somente por trazer todo esse rebuliço vindo de uma criança, mas claro, pelo fato de ser baseado em uma história real.
    Isso já desperta ainda mais a curiosidade.
    É a primeira resenha que leio e com certeza, já é um dos livros que desejo ler. Minha irmã é enfermeira em um hospital psiquiátrico, ficava horas(com a pandemia ela mal vem na casa dos meus pais e quando vem, não pode nem entrar dentro de casa) ouvindo ela contar os "causos" que enfrenta lá todos os dias!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  5. Olá Carol

    Adorei a resenha, muito boa. Eu já vi esse livro por ai e acho essa edição bonita também. A história parece legal, gosto dessa coisa de loucura kkkk Vou procurar =D
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Que título interessante! Várias coisas se passaram pela minha cabeça, mas não esperava que se tratasse disso. Não gosto nada quando a leitura não flui, talvez isso seria um problema para mim.
    Ps: De olho nas plantinhas da foto hahah são lindas!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Ola
    será que o Joachim era mesmo doido ?ou o autor o fez assim para que deixar o leitor com duvida ?
    que pena que a leitura não é fluida . eu gostaria de ler ,não por agora, mas futuramente quando minha lista dimimuir um pouco .ah tambei achei linda a planta .voce sabe o nome dela?












    ResponderExcluir
  8. Olá! O título em si já chama muita atenção e só por ele eu já quero ler o livro #soudessas e sabendo um pouco mais sobre a história, percebi que meus instintos estão certíssimos, temos aqui, aquele tipo de leitura que nos deixa cheios de reflexões.

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.

Instagram

© Revelando Sentimentos | Resenhas de livros – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in