10 outubro 2019

Resenha: Todas as suas imperfeiçoes

"Se você iluminar apenas as suas imperfeiçoes, todas as suas qualidades ficarão na sombra"
Toda vez que leio Colleen penso que dessa vez não vou chorar. Sempre estou errada. Só quem já leu essa autora sabe como ela constrói personagens e dramas de forma única. Os livros parecem sempre ter o enredo parecido, mas são tão diferentes na sua execução, que é difícil não se emocionar em todos. 

Todas as suas imperfeições traz um tema que, particularmente, sempre me faz sofrer. Nossa protagonista se chama Quinn e ela é casada com Graham já faz alguns anos. Graham sempre teve certeza que eles eram almas gêmeas e sempre disse isso para Quinn. Eles se conheceram no pior dia da vida de ambos, mas o destino os uniu novamente e eles nunca mais se separaram. A história será contada por ela, intercalando os dias atuais e o passado, quando se conheceram. No passado, vamos entender como se apaixonaram tão rápido, e como o casamento se construiu e todas as coisas que desejaram. E, no presente, vamos descobrir por que estão prestes a se separar. 

Acontece que Quinn não consegue engravidar. Depois de anos de tentativas e muito dinheiro gasto, a relação dos dois está por um fio. Quinn não consegue falar sobre seus sentimentos. Culpa e desespero tomam conta dos seus dias, pois ser mãe sempre foi seu maior sonho, e antes mesmo de casarem, eles já planejavam isso. Agora ela se culpa por nunca conseguir dar isso a Graham. Ela se fecha para o marido e para o mundo, e não consegue se lembrar por que um dia foram apaixonados. 


Graham não culpa Quinn. Mas ele também não sabe conversar com ela sobre o assunto. Ele decide levar o casamento como se nada muito sério estivesse acontecendo. Sua ideia é continuar tentando até o fim, pois, para ele, eles ainda são almas gêmeas. Suas tentativas são em forma de beijos, abraços e carinho. Mas ele não percebe o que isso significa para Quinn e que ela precisa de mais, e o distanciamento dela o deixa ainda pior. O sexo entre dos dois se tornou algo mecânico e desesperador. Tem horário e dia exato, e quando acontece sem essa programação, Quinn não vê objetivo, e isso afasta mais uma vez o casal. 

Essa foi a primeira vez que vi quanto as famosas perguntas de “quando vocês vão ter um filho” podem machucar. Nós realmente nunca sabemos o que está acontecendo, e quando Quinn e Graham saem juntos e pessoas aleatórias perguntam a cada momento, cada pergunta faz Quinn se encolher nela mesma e sofrer. Também vimos como a família pode ser tóxica e como comentários do tipo “vocês irão conseguir quando Deus quiser” são terríveis. Eles se sentem ainda mais inferiorizados e tristes. É um livro tão íntimo e que te coloca no papel do outro de tantas formas. Foi um aprendizado em várias situações, que eu chorei em vários capítulos. Particularmente no final, quando vemos a descrição de algumas cartas... fiquei inconsolável, rs.
"Nosso casamento não é perfeito. Nenhum casamento é perfeito. Houve momentos em que ela desistiu de nós. Houve ainda mais vezes em que eu desisti de nós. O segredo para nossa longevidade é que jamais desistimos ao mesmo tempo."

E fora o aprendizado disso, Colleen nos leva a quanto um casamento pode ser perder e o quanto pode ser feito para trazê-lo ele de volta. Até quanto o casal está disposto a entender e aprender? Vão aprender juntos ou vão caminhar separados? Graham fala que casamentos são como furacões. E em alguns momentos, serão de grau cinco, o mais forte de todos. Quando esse momento chegar, o casal estará unido para passar por isso? Ainda valerá a pena enfrentar esse furação? As dinâmica entre Quinn e Grahan é dolorosa e muito sincera, e acompanhar o livro é difícil. Mas é lindo, e absolutamente perfeito. 

A dor de amar uma pessoa mas não conseguir mais se comunicar com ela; o desespero pelos momentos que passaram juntos e que trazem boas memórias, mas que já não são suficientes para trazer a vontade de fazer tudo de novo, juntos. Aprender que, mesmo que você se esforce muito e deseje muito, as coisas nem sempre vão acontecer.

É assim que acaba continua sendo meu livro preferido da autora, mas esse está sem segundo lugar, e merece a leitura.

 

Título: Todas as suas Imperfeições
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Páginas: 304
Ano: 2019

17 comentários

  1. Tenho uma relação de amor e ódio com os livros da autora. rs
    Ela machuca. Isso é fato! Traz sempre temas que nos deixam com o coração em frangalhos, mas pelo que li desta resenha, este é ainda mais dramático.
    Ela traz esse não conseguir se expressar, falar com quem se ama, ainda mais abordando um tema tão pesado a tantas mulheres principalmente.
    O amor é imperfeito, o ser humano é imperfeito. Mas não seria o amor o perfeito???
    Puxa, quero demais me emocionar com mais este livro da autora!!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,

      Eu entendo, conheço várias pessoas que tem essa relação também. Eu amo, muito, leio tudo dela. Espero que dê uma chance para esse, vale a pena!
      Bjs

      Excluir
  2. Oi, Jéssica. Eu estou lendo este livro no momento e me sinto exatamente da mesma forma que você. Como mulher, que nunca pretende ter filhos, eu nunca imaginei na pele (pois considero o sofrimento da personagem como o meu próprio durante a leitura) como seria não poder ter. Eu tenho uma escolha e Quinn sofre por uma questão biológica. É tudo tão triste, tão bizarro.
    Já estou amando o livro, assim como amo CoHo, e estou ansiosa para saber o desfecho deste casal.

    Silviane, blog Memento Mori • Participe do Top Comentarista de Outubro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Silviane,

      Exatamente isso! Eu tenho essa escolha, mas a personagem sofre tanto por não ter. E os comentários e brincadeiras que eu levo na boa, para ela são terríveis. É tão triste ver a relação dela e do Graham se desmanchando por isso. Espero que goste do final, eu chorei litros.
      Bjs

      Excluir
  3. Jéssica!
    Já quero ler o livro porque passei pelo que a protagonista passa na história.
    Nunca pude ter filhos biológicos e isso doeu muito, durante muito tempo. Minha sorte é que não me fechei e mantive o relacionamento com diálogo e compreensão do marido e pude descobrir que podemos ser mães de outras formas, como aconteceu comigo.
    É doloroso, mas não impossível, o amor materno está dentro de nós, basta que o canalizemos para outros que precisam desse amor.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy,

      Nossa! Agora que li, posso imaginar um pouco pelo que passou, meu Deus que difícil! Fico feliz que tenha conseguido passar por isso, que lindo isso que disse sobre ser mãe, concordo muito e a protagonista percebe isso com o tempo. Pode ser um livro difícil para você, mas é lindo. Tem tantos que precisam desse amor, realmente se canalizarmos, tanta gente seria abençoada. Obrigada por compartilhar sua experiencia, Rudy!
      Bjs

      Excluir
  4. Olá! Doida pra ler esse livro, gosto muito a escrita dessa autora e curto muito um drama, muitas mulheres escolhem não ter filhos, como eu, agora querer e não poder, perturba muito a pessoa, essa resenha me deixou ainda mais ansiosa em conferi essa história que parece super emocionante. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oI Milena,

      Que bom que curtiu a resenha! Se já conhece a autora, nem preciso explicar mais nada. Você vai amar, CoHo dificilmente decepciona!

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Jade Passos16/10/2019 07:45

    Até hoje tive uma experiencia com a Colleen Hoover, com Tarde demais e eu odiei tanto esse livro que apesar de falarem tão bem dos outros livros dela, não consigo ler algo dela de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jade,

      Entendo muito você! Esse é o único livro dela que não recomendo, também odeio e acho irresponsável demais. Mas eu já li todos os outros dela, e digo que vale a pena. Tente ignorar essa experiencia, você teve a má sorte de começar pelo único ruim!
      Bjs

      Excluir
  7. Oi!
    É triste mesmo qualquer tipo de comentário quando você não sabe o que a pessoa está passando. Nem todas as mulheres querem ter filhos, nem todas as mulheres podem ter filhos. Por isso acho que o silêncio é uma dádiva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Giovanna,

      Exatamente. A empatia é sempre bem vinda, essas perguntas tem que parar, elas não fazem nenhum sentido!
      Bjs

      Excluir
  8. Ler os livros escritos pela Colleen, realmente não é nada fácil. Sempre acho também que não vou me emocionar mas ela sempre pega no nosso ponto mais fraco.
    Fico pensando nas pessoas que não podem ter filhos, como deve ser doloroso ouvir as perguntas que todos os familiares sempre fazem, né? Às vezes parece até maldade mas pode ser só falta de bom senso mesmo.
    Quero muito poder ler mais esse livro da Colleen e já voiu preparada com a minha caixinha de lenços do lado.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Colleen Hoover e bastante comentada e tenho desejo enorme de ler os livros delas. Apesar que tenho alguns na minha estante só esperando o momento de ler. Estava bastante ansiosa por esse livro, queria saber do que se tratava a historia e vejo ser incrível. Espero ler logo!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  10. Oi, Jéssica
    Minha única experiência com a autora foi com o livro É Assim Que Acaba que gostei muito e chorei horrores.
    Este livro está na minha lista de desejos desde seu lançamento, mas sua resenha é a primeira que leio.
    Adorei o enredo sobre o casal que luta para engravidar e salvar seu casamento, a vida a dois nunca é fácil, e tem seus momentos de felicidade.
    Lendo sua resenha lembrei de uma pessoa que conheço que já engravidou 8 vezes e perdeu todos os bebês e seu marido não aceita que eles adotem uma criança.
    Costumamos fazer essa pergunta quando vai ter filhos, mas nunca sabemos o que o outro tem/se passa com o casal.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Nunca li nada da Colleen Hoover, pensei em comprar alguns, mas acabei desistindo. Sempre vejo ótimas críticas em relação aos livros dela. Apesar de não ser fá de romances, adoro um drama.
    Gostei de saber que a história nos é apresentada entre o passado e o futuro, gosto muito de livros assim. Confesso que gostei da premissa, a sua resenha nos faz ter vontade de ler, até para sair da zona de conforto com algo que promete ser uma boa leitura.
    Obrigada pela indicação!

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.