TARDIS de Quinta: Warrior Nun

Por Giovanna Prates •
06 agosto 2020

A nova série de fantasia da Netflix, Warrior Nun, começa com um estrondo. O primeiro episódio mostra um esquadrão de mulheres vestindo "hábitos" (a roupa utilizada pelas freiras é chamada de hábito) furtivos de malha e armas, onde colidem com uma igreja, gritando algo sobre ser uma emboscada por mercenários com “estilhaços de Divinium”. Elas puxam a auréola de um anjo de sua líder mortalmente ferida. Uma freira morre para proteger esse artefato que pertenceu a um soldado possuído por demônios. E, então, conhecemos Ava (Alba Baptista), uma órfã tetraplégica que está morta na maca de um médico legista exatamente para onde as freiras foram. No entanto, em uma louca série de eventos, esse antigo artefato sagrado (o Halo do Anjo Adriel) acaba caindo e se incorpora nas costas de Ava, trazendo-a de volta à vida com dom especiais – poderes? Quando ela acorda dos mortos, percebe que pode andar, e decidi fugir dessa loucura toda.

No decorrer do caminho, encontra novas amizades com uma equipe de jovens criminosos - liderados pelo atraente JC (Emilio Sakraya) - Ava é finalmente descoberta pela Ordem da Espada Cruciforme, a sociedade do Vaticano de mulheres devotas dedicadas a combater demônios que passaram o Halo de líder em líder desde as Cruzadas. Dividida entre fazer coisas divertidas com seus amigos e cumprir um antigo destino enviado pelos céus, Ava se encontra no centro de um cabo de guerra entre o demoníaco e o divino. 

Sim, toda essa pressa do jargão e da mitologia se assemelha a John Wick misturado com uma interpretação literal da cosmologia cristã encontrada nas histórias de John Constantine, mas na verdade, Warrior Nun é uma adaptação baseada em um personagem de quadrinhos canadense no estilo mangá “Warrior Nun Areala”, que foi criado por Ben Dunn em 1994 e publicado pela Antarctic Press. Especificamente, é uma série de quadrinhos onde freiras badass ajudam a sociedade a combater demônios. Esses quadrinhos estão tão mergulhados no folclore católico que eles criticam os críticos de ambos os lados da cerca religiosa – pura loucura, não?


Há muito o que gostar nesta nova série original da Netflix, confesso. Desde a performance de Baptista como a Ava ora confusa ora fascinada, até a própria ideia de que existem freiras guerreiras que lutam contra demônios muito reais e violentos neste mundo. O primeiro episódio, no entanto, tem vários problemas que atrapalham um pouco a mensagem, e se eu não tivesse escolhido continuar a assistir toda a série, teria desistido por ali mesmo. 

Antes de tudo, há a narração de Ava, que começa como a narração de qualquer drama adolescente, com Ava sendo aversa por sua situação. Mas então, se transforma em um monólogo interno que pode até ser engraçado de vez em quando, mas na maioria das vezes é muito... estranho e desconfortável. Não temos certeza se o monólogo deve realmente estar lá ou se foi editado. Mas cenas como ouvir os pensamentos de Ava passar por cima de JC em vez de ouvi-lo falar, por exemplo, pareciam pertencer a outra personagem de outra série e não a uma série de caçadoras de demônios religiosas, onde a personagem está prestes a ser recrutada como freira guerreira. 

Essa é a outra parte que, no começo, ficou um pouco confusa. Quantos episódios se passam até o padre Vincent localizar Ava, recrutá-la para a irmandade que luta e ela começar a entender os poderes que a auréola lhe deu? Claro que no mundo do streaming, os escritores podem contar suas histórias em um ritmo mais lento. Porém, nós queríamos que Ava ao menos se encontrasse com Vincent ou começasse a trabalhar com seu soldado mais confiável, Shotgun Mary, até o final do episódio. Em vez disso, vemos Ava ir no embalo dos jovens grifters de quem se tornou amiga ou pegar Molly e seguir a névoa vermelha mais uma vez. Esse ritmo lento leva a uma história desconexa até metade da primeira temporada, só então sabemos que está indo a algum lugar, e isso nos obriga a decidir: queremos pegar essa carona e continuar ou não? – pelo menos eu apenas queria ver Ava e as freiras lutando. Mas posso dizer que, eventualmente, a série chega lá e nos surpreende positivamente. 

Warrior Nun termina com um estrondo também, em um final repleto de reviravoltas na trama, onde algumas das surpresas realmente funcionam e são intrigantes. Pode não quebrar o molde quando se trata de aventura sobrenatural, mas conta muito bem a inesperada história da "escolhida" e é muito bem interpretada pela líder Alba Baptista em seu primeiro papel na língua inglesa. A trama é um pouco reciclada aqui, mas a camaradagem entre os membros do OCS é magnífica. Os locais são maravilhosos e bonitos, e adicionam uma textura espetacular do Velho Mundo ao processo. E as cenas de luta são excelentes. Cada freira tem seu próprio estilo de combate, algumas mais simples e outras mais amplas. O contraste é incrivelmente bem feito, assim como todas as performances. Então, posso dizer que definitivamente vale a pena dar uma olhada nesta série, mesmo com algumas falhas. Para os fãs de Buffy the Vampire Slayer e Supernatural, com certeza funcionará, “Seja nesta vida ou na próxima".

Criador: Simon Barry
País de origem: Espanha 
Distribuição: NETFLIX 
Temporadas: 1
TARDIS de Quinta. O título faz referência à “TARDIS”, cabine telefônica e nave do Doutor na série Doctor Who. Nada mais justo do que uma junção de uma série clássica e aclamadíssima para nossas tardes aqui indicando séries que gostamos, não é mesmo?! 

Comentários via Facebook

17 Revelaram sentimentos:

  1. Olá! Se a série é indicada para os fãs de Supernatural, tenho certeza que vou gostar, (risos), adorei esse enredo, e mesmo que a série comece em um ritmo mais lento, fiquei bem curiosa para conferir, o bacana é que, hoje, podemos "maratonar" todos os episódios em apenas um dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alou!, Eu amooooo maratonar exatamente por isso, caso contrário, já teria desistido! hahaha. E sim, vale a pena, espero muito que goste! Boa série!

      Excluir
  2. Eu tinha dado uma espiada nessa série, mas nem havia dado muito atenção. Igual Cursed. Olhei ela, vi os comentários e desisti.
    Daí ontem comecei a ver e não consigo parar mais.
    Acho que é algo muito particular mesmo. Cada um vai sentir de uma maneira diferente e gostar ou não!!!
    Eu que não ia ver, agora já vou!Vai que faz meu estilo né???
    Obrigada pela dica!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alou, espero que tenha gostado! Realmente, o começo é bem paradinho! Eu não consegui gostar de Cursed, mas dessa, eu achei que valeu a pena, rs. E volte sempre!! <3

      Excluir
  3. se tem algo que não gosto de assistir é serie com esse tema
    meus filhos assistiram sobrenatural e eu não gostei nada.
    mas para quem é fã dessa genero de serie vai se deleitar com certeza
    parabens pela resenha

    ResponderExcluir
  4. Nessas horas que fico triste por não assinar mais Netflix...
    Gosto de séries com personagens femininas emponderadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alou, espero que volte para a netflix um dia, ultimamente tem saído muitas séries com personagens femininas e muita representatividade, está valendo super a pena!

      Excluir
  5. Costumo adorar os originais Netflix! Não sei se assistiria essa série, pois não é do tipo que eu costumo assistir. Fora os erros do primeiro episódio que você comentou, acho que eu não insistiria a menos que estivesse muito presa mesmooo na história. Curiosa para saber quais reviravoltas acontecem.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alou, eu super entendo, mas espero que dê uma chance qualquer dia desses e fique por aqui conosco, muitas séries boas e viciantes estão por vir! Beijinhos.

      Excluir
  6. Olá,
    como vai?
    Eu assiste e gostei. Bem legal mesmo :)
    Ótima dica por aqui :)

    Beijos e se cuida
    www.rimasdopreto.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alou, fico muito feliz que tenha gostado, espero que continue por aqui!

      Excluir
  7. Giovanna!
    Minha pergunta é: será que vão haver outras temporadas?
    Vou ver se assisto, porque gosto quano envolve essa parte religiosa e o contraste de defensoras, no caso aqui mulheres oq ue já é um grande diferencial.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alou, eu espero muuuuito que tenha outras temporadas, porque aquele final me deixou super curiosa!

      Excluir
  8. Fiquei por fora dessa série e olha que sempre procuro saber o que tem de novo, mas esse não lembro de ter visto. Enfim, gostei da resenha e vou assisti assim que puder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alou, essa série está bem fresquinha na Netflix, espero que goste!

      Excluir
  9. Olá!
    Não tinha visto essa serie, ainda, mas quero muito.. Parece ser bem interessante e com muita ação. Talvez, eu veja quando conseguir diminuir minhas series em andamento. kkk

    Blog: Tempos Literários

    ResponderExcluir

Gostou da postagem? Deixe um comentário. Se não gostou, comente também e deixe a sua opinião.
Se tiver um blog deixe o endereço e retribuiremos a visita.
Aproveite e se inscreva nas promoções e concorra a diversos prêmios.

Instagram

© Revelando Sentimentos | Resenhas de livros – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in